quinta-feira, 2 de julho de 2009

Caio na entrevista à rádio Cultura: acertos e erros; cidade ou estado? “O timoneiro da oposição”.


O entrevistado da Rádio Cultura hoje [ontem] foi vereador Caio Dutra, Fernando Costa, o conhecido Cabo Costa o elevou a timoneiro da oposição. João Carlos de Oliveira, o entrevistador, também alisou seu ego dizendo que ele é uma das lideranças emergentes, fazendo uma analogia com uma fruta estaria no ponto de colher em alusão a uma candidatura para deputado. Caio se posicionou como oposição quase convicta, ah, ele até me ligou: “viu ouviu Léo?, eu me coloquei como oposição mesmo”. Mas ele não resiste a uma boa conversa do prefeito? Mas uma coisa é louvável, ele está mesmo tentado assumir o papel de oposição e se souber conduzir-se e ao grupo pmdebista como uma boa oposição: firme e responsável estará bem posicionado para 2010, sem com isso ter oposição juvenil.

Quanto ao seu comportamento, Caio estava mais tranquilo que o de costume, e só não se saiu melhor por conta de algumas gafes, a saber: o primeiro vacilo foi usar o termo negociata para expressar acordo político, um ouvinte atento ligou questionando se era negociata mesmo que ele queria falar, no que ele se deu conta da inadequação do termo e até agradeceu o ouvinte a contribuição. Mas, acho que Caio Dutra errou feio quando lhe perguntaram porque deveriam votar nele e ele respondeu em outras palavras porque ele não era um migrante, mas um sete-lagoano nato etc. e tal.

Confesso que eu me senti como um bom forasteiro que sou um tanto discriminado, disse a ele que essa fala foi um grande erro. Uma visão que carrega consigo ainda o velho e mal bairrismo que faz o nativo comportar de forma arredia e fechada e a quem chega por ter dificuldade de se integrar. Mais: essa visão faz o candidato que é do estado orientar-se apenas para cidade ao ponto de esquecer que a grande Sete Lagoas é formada pelas microrregião ao redor.

Caio em minha opinião deve alterar a sua visão para: "você deve votar em mim porque eu tenho essas e aquelas qualidades e minha atuação em todas as áreas até hoje mostram isso, assim você das cidade X, Y, Z deve votar em mim porque eu vou colocar essas qualidades a serviço de... Minas Gerais, pelo menos de uma região do estado. Se focar apenas a cidade é candidatura a vereador novamente. E Caio Dutra, todos sabemos, se colocar a sua inteligência a serviço de Minas Gerais é ganho certo para nosso estado, agora tem que vencer o bairrismo xenófobo e sustentar a coerência. No próximo post falo da fala de Caio sobre Duílio e cascas de banana que jogaram para ele na entrevista.

Um comentário:

Luciano Oliveira Gonçalves disse...

E interessante observar a atitude presunçosa desse nobre vereador, que se elegeu sobre um pilar tão importante com o setor da saúde. Os trabalhadores da saúde na época vislumbraram o paraíso com a chegada desse representante ao legislativo.
Hoje o que vemos e possivelmente a repetição dos antigos jogos políticos de décadas passadas; a oposição briga, esperneia, gera conflitos, mas após alguns agrados (cargos, obras...) e favorecimentos, acontece uma repentina mudança do bloco oposicionista.
O que se vê como oposição na cena política setelagoana, eu particularmente encaro mais como uma briga de “EGOS” do que uma resistência ao governo. Não há oposição a idéias e sim uma oposição há pessoas e seus cargos.
Outro ponto que vale ressaltar sobre a entrevista é o bairrismo em relação às pessoas que migraram para Sete Lagoas, tornando-a esta grande cidade que é hoje, e lamentável uma pessoas com um grau de instrução com o nobre vereador, ter essa visão dos que aqui se estabelecem vindos de outras regiões do estado, se separássemos os nativos dos migrantes; o que sobraria para Sete Lagoas? As grandes indústrias, comércio, em sua grande maioria são pessoas que vieram desbravar novos horizontes nesta terra.
E são pequenos atos ou palavras, que acabam jogando por terra grandes aspirações e projetos como a possibilidade de uma vaga no legislativo estadual. Apesar de sinceramente pensar que na atual cena política não haver nome forte para ocupar tal cargo, mas, no entanto, as amarrações que aconteceram até 2010 certamente colocaram um nome destemido para tal aventura tanto estadual como federal. Vamos aguardar para ver...

Refletir e agir...
Luciano Gonçalves