sábado, 31 de outubro de 2009

EMPACADO: De R$ 27 bi do PAC, só R$ 3,8 bi foram liberados

Por Josias de Souza, Folha:
Visto do alto dos pa©mícios que Lula e Dilma Rousseff realizam dia sim outro também, o PAC é um sucesso.

Tomado pelos números da execução orçamentária, a principal peça de campanha do governo é um empreendimento por fazer.

Para 2009, o governo reservara R$ 27,85 bilhões para o PAC. A dois meses do final do ano, saíram do cofre apenas R$ 3,83 bilhões –13,6% do total.

Os dados constam do Siafi, o sistema informatizado que armazena informações sobre os gastos do governo.

Premido pela queda na arrecadação de tributos, o governo privilegia o empenho de despesas em detrimento dos pagamentos.

Por ora, foram empenhadas R$ 14,69 bilhões (52,7%) das verbas do PAC-2009.

Significa dizer que o governo já contratou as despesas, mas só vai pagar no ano da graça eleitoral de 2010.

Aécio Neves focaliza Minas

Aécio Neves recebeu ontem à noite no Palácio das Mangabeiras 58 deputados estaduais, que compõem sua base de sustentação na Assembléia Legislativa. O jantar tinha um objetivo bem definido: tratar da sucessão em Minas reafirmando que Antonio Anastasia, o seu vice e braço-direito, é o candidato que apoiará em 2010 para sucedê-lo. Por Lauro Jardim, Veja.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Prefeitura SL não sabe como pagar o 13º e secretário da fazenda reclama de endividamento passado, esquecendo-se dos 300 milhões débito que vai deixar


Por Celso Martinelli, no Sete Dias:
Num acordo como Apoio Financeiro aos Municípios (AFM), instituído pela Medida Provisória (MP) 462/2009, o governo federal prometeu repor o equivalente a R$ 901 milhões em referência à perda dos recursos municipais com o Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Sete Lagoas já recebeu, nos meses de maio e junho - a título de reposição - o montante de R$ 834.650,76. No entanto, como explicou o secretário da Fazenda, Túlio Eduardo de Avelar França, a reposição ajudou a compor a folha de pagamento do mês de setembro, mas não garante ainda o pagamento do 13º salário do funcionalismo.
Segundo Flávio de Castro - secretário de Planejamento, Orçamento e Gestão - o FPM de 2009 foi projetado na Lei Orçamentária Anual em R$ 47 milhões. “Nossa expectativa mais positiva é de fecharmos o ano com cerca de R$ 39 milhões”, afirmou. Segundo ele, as reposições não têm sido realizadas como FPM, mas como “demais transferências da União”, e como tal, não possuem vinculação específica. “Isto quer dizer que não fazem base de cálculo para as aplicações legais ou constitucionais, e muito menos obras, pois são repasses correntes”, explica. O secretário informou que se trabalha com a hipótese de novas reposições, mas ainda não há informações concretas sobre isso.
Já Túlio Eduardo de Avelar França, é mais pessimista em relação a repasses referente a este ano. Segundo ele, o FPM – feito normalmente nos dias 10, 20 e 30 de cada mês – foi comprometido por gestões anteriores. “Em setembro por exemplo, estava previsto chegar em torno de R$ 1,3 milhão. No entanto, veio apenas R$ 88 mil. O restante já estava comprometido por administrações passadas com débitos junto à Previdência, Pasep (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público ) e até empréstimos junto ao Banco do Brasil”, afirmou. Ele acredita que o “corte” vai se repetir nos próximos meses. Mais

STF vai analisar ação contra Eduardo Azeredo por mensalão mineiro no dia 4


da Folha Online
O STF (Supremo Tribunal Federal) vai analisar no próximo dia 4 a denúncia contra o senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG) por envolvimento com o mensalão mineiro. Ele é acusado por peculato e lavagem de dinheiro.
A denúncia foi apresentada ao Supremo pelo ex-procurador geral da República Antonio Fernando Souza.
Os ministros vão analisar se a denúncia apresenta indícios de autoria e materialidade dos crimes apontados pelo procurador. Presentes os indícios, a denúncia é recebida e a Corte abre ação penal contra o investigado, que se torna réu.
Se os ministros considerarem ausentes esses indícios, a denúncia é rejeitada e o inquérito é arquivado.
O senador e outros investigados, incluindo o empresário Marcos Valério, são acusados de montar e gerir um suposto esquema de "caixa dois" durante a campanha para a reeleição de Azeredo ao governo de Minas Gerais, em 1998.
Azeredo será investigado pelo STF, cabendo à Justiça Federal em Minas analisar o processo que envolve Valério e os outros investigados.

NEM VEM QUE NÃO TEM. FOI O SEU VENERADO DEPUTADO QUE ME ATACOU EM EVENTO PÚBLICO, PRIMEIRO

A seguir as palavras de um esbirro do deputado Márcio Reinaldo (PP), volto em seguida:

Leonardo Barros, vc devia preocupar em mostrar o que vc traz para a cidade e não ficar denegrindo a imagem de quem há muitos anos, mesmo antes de ser deputado faz muito por Sete Lagoas. Vc tem um empenho muito grande em tentar trazer a Copasa para Sete Lagoas, o que deve ser importante para vc, já que deverá conseguir algum cargo lá. Mas pense nos pobres desta cidade que não tem condições de aumentar o valor que pagam da conta de água o que inevitavelmente acontecerá caso a Copasa consiga entrar em Sete Lagoas o que é impossível pois o SAAE tem feito um grande trabalho nesta nova administração.

Voltei
O esbirro do deputado acima deveria dirigir o início de suas palavras ao seu devoto deputado, porque foi ele quem me atacou primeiro em evento público na prefeitura, como mostrou o Jornal Notícia. Quanto ao emprego na Copasa nunca fez e nunca fará parte do meu desejo profissional. Da Copasa eu só quero a água e o tratamento de esgoto para Sete Lagoas. Quando morei em Belo Horizonte e Betim nem me lembrava de Copasa. É aquela história só quando a gente perde um benefício que a gente da valor a ele. E não adianta vir com a história que, então, eu devo voltar para lá porque o negócio é trazer o benefício - água boa, tratada - que todos têm direito.

Quanto aos "pobres desta cidade" saiba que esse papo terrorista de preço mais alto não os engana mais, não. Aliás, a conta dos consumidores humildes de Paraopeba atendidos pela Copasa é muito menor que as dos "pobres" de Sete Lagoas. Em breve vou mostrar algumas contas da Copasa em Paraopeba... E mais: usando os "pobres" como desculpa, muitos coronéis aqui vivem até hoje fazendo suas trapaças, não é mesmo?

É o SAAE tem feito um "grande trabalho nesta nova administração", ele agora exige a construção de verdadeira fossa para ligar os esgotos, muda hidrômetro de lugar e cobra um absurdo do consumidor e a falta de água prossegue por toda cidade.

IVECO NA FENATRAN, ASSISTAM A EXCELENTE REPORTAGEM DE CAROLINA MENDES, ESSA JORNALISTA DA ETV É NÍVEL REDE GLOBO

Por Carolina Mendes

Apenas uma correção: o nome correto do diretor de comunicação da IVECO É MARCO PIQUINI

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

LULA SABIA DO MENSALÃO, DISSE O PRESIDENTE DA CÂMARA, ARLINDO CHINAGLIA DO PT, EM DEPOIMENTO A JUSTIÇA


Em depoimento, Chinaglia confirma que Jefferson avisou Lula sobre mensalão
Ele disse que estava presente na reunião com Lula e Roberto Jefferson.

Diego Abreu Do G1, em Brasília
O ex-presidente da Câmara Arlindo Chinaglia (PT-SP) confirmou nesta quinta-feira (28), em depoimento à Justiça, que estava presente na reunião em que o presidente do PTB, Roberto Jefferson, revelou ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva que acreditava existir um esquema de compra de apoio ao governo no Congresso, antes de o caso vir à tona, conhecido como mensalão.

Em conversa com jornalistas, após o depoimento, Chinaglia disse ter certeza que Lula não sabia do mensalão antes da denúncia de Roberto Jefferson. “A primeira reação é não acreditar em uma história dessa. O presidente pediu para que eu e Aldo [Rebelo, então presidente da Câmara] verificássemos”, disse. “Foi uma conversa inoportuna. Não era assunto para tratar com o presidente”, completou Chinaglia, lembrando que a pauta da reunião era a tratativa de assuntos políticos do governo.

O G1 entrou em contato com Palácio do Planalto e aguarda resposta.
Em 2005, quando foi ao programa "Roda Viva", da TV Cultura, Lula falou sobre o escândalo e Roberto Jefferson: "ele [Jefferson] foi cassado exatamente porque não provou a denúncia que ele fez no que diz respeito, por exemplo, aos mensalões. O José Dirceu [ex-ministro da Casa Civil] foi acusado de ter montado uma quadrilha. E sobretudo, uma quadrilha para pagar mensalão. (...) Teve ou não mensalão? Tenho certeza que não teve," disse o presidente.

Dois momentos
Chinaglia, que na época dos fatos, em 2005, era líder do PT na Câmara, disse ter tomado conhecimento do suposto esquema em dois momentos. Primeiro, segundo ele, quando Jefferson teria alertado o presidente Lula sobre a existência do esquema, em reunião na qual Chinaglia confirmou que estava presente. Depois, o deputado disse ter tomado conhecimento por meio da imprensa. Foi aí que, segundo Chinaglia, surgiu o termo “mensalão”, que indicava um esquema no qual parlamentares supostamente recebiam dinheiro em troca de apoio a projetos do governo no Congresso. “O momento principal [foi] quando a imprensa divulgou aquilo que o então deputado Roberto Jefferson denunciou. E faço referência a esse momento como principal, porque lá ele apelidou de mensalão. E ainda que ele fez um comentário ao presidente da República e, entre outros, eu estava presente”, afirmou Chinaglia.

Ele disse que, depois da reunião com Lula, a imprensa chegou a divulgar uma matéria em que denunciava um suposto esquema de compra de votos no Congresso, sem o uso do termo “mensalão”. Segundo ele, a Câmara abriu uma sindicância, mas como nenhum deputado se manifestou, a denúncia acabou arquivada. Questionado sobre se tem conhecimento da existência de fato do mensalão, Chinaglia sugeriu acreditar que o caso nunca existiu. “Não soube de qualquer denúncia de que houve compra de votos”. Pergutado se já ouviu falar em reuniões do Diretório Nacional do PT de que existia um esquema de oferta financeira em troca da aprovação de projetos do governo, ele foi categórico. “Não”, respondeu. O ex-presidente da Câmara afirmou também que não conheceu o empresário Marcos Valério, apontado como o operador do mensalão. Disse ainda não ter tratado de questões financeiras na época em que era líder do PT com o então presidente do partido, José Genoino.

Depoimento
Ele prestou depoimento à juíza Pollyana Kelly Martins Alves, da 12ª Vara Federal do Distrito Federal, na condição de testemunha de defesa de cinco réus na ação penal do mensalão: Roberto Jefferson; o ex-tesoureito do PT, Delúbio Soares; ex-lider do PP, José Janene (PR); deputado João Paulo Cunha (PT-SP); e o ex-líder deputado Pedro Corrêa (PP-PE). Segundo Chinaglia, também participaram do encontro com Lula o ex-ministro do Turismo Walfrido Mares Guia, o então presidente da Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), e o ex-líder do PTB José Múcio Monteiro, hoje ministro do Tribunal de Contas da União.

O Ministério Público Federal (MPF) classifica o mensalão como um esquema que se especializou em “desviar dinheiro público e comprar apoio político”, com o objetivo de “garantir a continuidade do projeto de poder” do PT. O MPF foi o órgão responsável por denunciar o esquema – a denúncia foi aceita em agosto de 2007 pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que abriu uma ação penal para julgar o caso. O relator do processo no Supremo é o ministro Joaquim Barbosa.

Escreve Cidadão de Raposos "Indignado e Revoltado", Leiam

O comentário a seguir foi feito em resposta a este texto que publiquei: Prefeito João Carlos da Aparecida TEM QUE RENUNCIAR, LICENÇA SÓ NÃO BASTA

*

Concordo com vc em gênero, número e grau. O, espero, ex prefeito teve a sua segunda chnce, mas não soube valorizá-la. Agora é hora de juntar suas trouxas e deixar espaço pra cidade voltar a andar, depois do trator que passou pelo município, com sua gestão irresponsável. Sabia, Leonardo, que o prefeito estava trabalhando quase que dois dias por mês, tendo inclusive outorgado, por decreto, poderes para o chefe do gabinete assinar por ele. Aí é fácil, não trabalha e ganha um pouposo salãrio de R$ 10.000,00 por mês, tudinho para patrocinar a criminalidade, como é de conhecimento de todos. Agora resta-nos a esperança de que vocês da imprensa agude esse povo sofrido que padece de legalidade e moralidade, a espremer nossos legisladores a tomarem as devidas providencias, dentro da legalidade. Não nos abandone, imprensa, precisamos de vocês!

O povo raposense clama por respeito, coisa que o "ex prefeito" não dispensou ao seu próprio eleitorado, a vir a dizer a público que se deve em virtude de depressão. Agora todos os brasileiros com depressão irão ser presos usando crack? Acho que não! FORA JOÃO, e tomara que o Nem tenha respeito para com os cidadãos raposenses! Obrigado Leonardo, pelo espaço, e contamos com você e seu precioso apoio junto a imprensa. Raposense indignado e revoltado, que se envergonha de ter votado nesse cara!

Publicar Recusar

POIS É, EU OLHEI "ISSO DIREITO", E A DÍVIDA É MUITO MAIOR

Na simulação que eu havia feito do empréstimo de Sete Lagoas junto ao BNDES calculei os juros entre 3% (mínimo) e 7% (máximo); respectivamente o valor do empréstimo tomado pela cidade sairia em torno de R$ 150 milhões e R$ 270 milhões. Chamei o valor maior de juros de mercado. Ah, sim: mercado no longo prazo, era óbvio que não falava de empréstimo bancário comum, muito menos de empréstimo pessoal e nem cheque especial. Aí me vem um e diz, leiam:

Será que os juros praticados pelo BNDS são os mesmos do mercado. Olha isso direito Leonardo, num dá informação sem saber das coisas cara...
Publicar Recusar

Voltei,

Não eu não havia feito nenhum chute, além de acompanhar, sobretudo, as taxas de juros de longo prazo, câmbio, operações de grande vulto para financiamento de infraestrutura, tenho a experiência como ex-funcionário de banco e uma vivência sólida no mercado corporativo. Ou seja, eu conheço um pouco deste mercado e no que simulei fui até muito modesto. Vejam que eu trabalhei com 3% a 7%, como podem ver no texto original do post a seguir:

No calculo mais modesto que fiz com ajuda do competente contador Aluísio Barbosa Jr., o valor fica próximo de R$ 150 milhões, projetando um juro mínimo e com juro normal de mercado, em torno de 7%, a quantia chega próximo de R$ 270 milhões. Não sabemos ao certo quanto é, o governo Maroca não deixou isso claro, até agora.

Agora leiam o que diz o BNDES:

Programa de Aceleração do Crescimento - Melhores condições de crédito para infraestrutura

(...)

A taxa de juros total dos empréstimos do BNDES é composta por TJLP mais remuneração básica, conforme ilustra a tabela abaixo, mais a taxa de risco de crédito, de até 3,57% a.a., conforme o risco do beneficiário. (CLIQUE AQUI PARA LER NO BNDES)

RETOMEI

A TJLP ESTÁ EM 6% + 3,57% VAI-SE A 9,57%. ISSO SE O RISCO DE EMPRESTAR PARA SETE LAGOAS ESTÁ NO MÍNIMO. COISA QUE EU DUVIDO. ASSIM, CONSIDERANDO MÍNIMO O RISCO, O VALOR ULTRAPASSA OS 300.000.000,oo (TREZENTOS MILHÕES) DE ENDIVIDAMENTO.

Interesse Público ou Privado na Saúde?

O Hospital Municipal não pode ser considerado um hospital, o prometido Hospital Regional foi reduzido a pronto socorro e o Hospital Nossa Senhora das Graças não é público. A perspectiva que se vê na saúde é desoladora para o futuro, assim como é a realidade presente. Assim, é certo que a redução do Hospital Regional em mais de 50% foi um grave equivoco.

Hoje o Hospital Municipal vive sobrecarregado e o seu corredor há muitos anos já se transformou numa grande enfermaria, além disso a falta de equipamentos e má gestão são crônicos. O óbvio diante de uma situação dessas, era a cidade ousar construir uma nova unidade hospitalar grande moderna.

Mas para surpresa dos que não souberam ler antes, o novo governo ao invés de assumir a defesa do interesse público, passou abertamente a defesa o hospital não público, o HNSG - Hospital Nossa Senhora das Graças. O prefeito revelou que a mudança no projeto teve como objetivo não criar um novo hospital geral como é o HNSG. Quer dizer, a cidade não pode ter um bom hospital público decente porque o HNSG perderia clientela publica complementar a sua demanda privada.

Essa atitude do governo causa espécie, e fica parecendo que o grupo que chegou ao poder representa o segmento da sociedade ligado ao HNSG e não a população. Mas isso é para depois. Fico agora com a consequência dessa opção de transformar a nova unidade em pronto socorro. A consequência é que a cidade permanecerá sem um hospital público à altura demanda física e de atendimento de maior complexidade.

Serra diz que Dilma e Ciro também não assumiram candidatura até agora

Do Tempo:
Brasília. O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), voltou a rejeitar ontem a ideia de antecipar para o final deste ano a definição do candidato tucano à Presidência da República em 2010. O governador de Minas, Aécio Neves, que disputa com Serra a vaga de candidato do PSDB ao Palácio do Planalto, voltou a pressionar anteontem para que a decisão saia até o fim de dezembro.
No entanto, José Serra só quer fechar a questão em março e tentou ontem novamente mostrar tranquilidade diante do cenário. "Eu tenho nervos de aço em política", afirmou o tucano, ao ser questionado sobre a sua autodeclarada impaciência.
A paciência demonstrada por José Serra contrasta com a inquietação do governador de Minas, Aécio Neves. Ele chegou a dar uma espécie de ultimato à Serra, afirmando que aguardaria somente até dezembro a definição do tucano paulista, para que o anúncio do candidato seja feito em janeiro.
Anteontem, em um encontro com o presidente do Democratas, deputado federal Rodrigo Maia, em Brasília, Aécio ameaçou lançar o seu nome ao Senado no início do ano que vem caso Serra deixe a decisão para março - causando um clima pesado sobre o ninho tucano.
Negativa. O governador de São Paulo se negou ontem a comentar diretamente as declarações de Aécio Neves. Porém, Serra justificou o silêncio sobre a definição do PSDB para a Presidência com o argumento de que o cenário eleitoral para 2010 ainda está "muito incerto".
"Você sabe se o Ciro (Gomes, deputado federal do PSB) será candidato? A Dilma declarou-se candidata? Então, por que essa ansiedade? Não tem nada definido no Brasil. Não há necessidade de definir porque é muito cedo", disse o governador paulista.
José Serra, que lidera as pesquisas de intenção de voto para a sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), negou que vá esperar pelos outros pré-candidatos à Presidência antes de anunciar se será ou não o postulante tucano. "Eu não estou dizendo isso. Eu estou só dizendo que não há nada definido no Brasil nesta matéria", declarou Serra.
Silêncio. Aécio Neves preferiu não esquentar ainda mais o clima de disputa com José Serra. O governador mineiro cumpriu agenda de audiências ontem no Palácio da Liberdade. Ele apareceu só para dar declarações sobre o anúncio de novos investimentos em Minas. Mais

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Este caminhão que Cláudia apresenta é o lançamento da IVECO na Fenatran

Depois uma matéria mais completa sobre a IVECO. E daqui a pouco acrescento mais fotos a este post e conto um pouco como foi a visita a Fenatran a convite da IVECO.

Cláudia apresentando o novo caminhão IVECO, o VERTIS


Na entrevista abaixo ouça o diretor da IVECO, Marco Piquini (foto), ele fala da proposta de sustentabilidade da empresa, e também cobra infraestrutura viária em Sete Lagoas para transporte dos funcionários e o escoamento da produção. Tem ocorrido muitos acidentes na via que vai até a motadora, que ficou ainda mais sobrecarregada após a instalação da AMBEV na região, que usa a mesma estrada. Com a palavra o governador e o prefeito, que precisam dar uma resposta efetiva a essa demanda, afinal, a IVECO não tem medido esforços para investir na cidade.

A PREFEITURA PROTENGE O HNSG E A POPULAÇÃO FICA DESPROTEGIDA

Se a "Nota" do governo Maroca abaixo deixa dúvida de que lado ele está na negociação entre o município e o HNSG, as informações oficiais são eloquentes para o esclarecimento de muitas outras dúvidas. Leiam esse trecho da "Nota" volto em seguida:

A Secretaria Municipal de Saúde de Sete Lagoas (SMS/SL) mantém contrato com o HNSG, com o objetivo de complementar o atendimento realizado no Hospital Municipal.

Voltei
Me parece que cada vez mais a função do Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG) é preencher o vácuo deixando pelo município, que, "complementar o atendimento realizado no Hospital Municipal". As instalações da ex-escola mal adaptadas para ser um hospital digno de ser chamado de hospital nunca foram suficiêntes para atender a população. E a cada ano que foi passando o "Hospital Municipal" menos conta deu de atender a demanda. Chegou-se ao colapso de hoje. E o quadro vai se agravando, ao ponto de uma doutora dizer na Câmara que o problema não são mais os pacientes ficarem nos corredores, mas a falta de médicos.

A carência de leitos hospitalares em Sete Lagoas e região atingiu, mesmo para os padrões de Minas e Brasil, níves absurdos de falta. A solução viria com o Hospital Regional. Não virá mais. Este quando ficar pronto terá o foco apenas em pronto atendimento. Não pode competir com o Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG), defende o prefeito. E por isso o projeto do Regional foi totalmente modificado, passando de 240 leitos para cerca de 100.

Porém, está explicito agora em "NOTA" oficial como o HOSPITAL FILANTRÓPICO NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS AGE E A SUA FUNÇÃO QUE NÃO É MERAMENTE COMPLEMENTAR, OU CIRURGIAS NÃO SERIAM "TODAS" REVISTAS "PELA CENTRAL DE MARCAÇÃO". Ele, HNSG, que é protegido da competição, acredite, pública, não reluta, titubeá, em cancelar cirurgias públicas programadas com o município, mesmo segundo a prefeitura em "Nota" estando em fase final de negociação de contrato com o município. Aliás, parece ser o seu caráter público filantrópico questionável após uma medida tão dura e insensata, não?

Volto a decisão que reduziu o futuro Hospital Regional a um mero pronto socorro para este não ser um competidor do HNSG. Reparem a "Nota" diz que a função do HNSG é complementar, entretanto pelo antigo contrato este já fazia 257 procedimentos e, suponhe-se, a prefeitura está negociando para aumentar, não é possível que seja uma diminuir os procedimentos, não é mesmo? Porém, chegando a um ano de governo, Maroca não conseguiu fechar o contrato com o HNSG. Assim, reduzir o Hospital Regional a pronto socorro, que claro, não faz atendimento geral, é um colosso de irresponsabilidade que faz atual gestão municipal.

Hoje o Hospital Nossa Senhora das Graças já não tem o "objetivo de complementar o atendimento realizado no Hospital Municipal", como expressa a "Nota", mas de fazer as vezes deste, que há tempos superou extraordináriamente todos os seus limites de atendimento. Assim, a alteração no projeto da nova futura unidade de saúde (que não pode ser chamada de Hospital Regional) configura improbidade certa por gestão temerosa da saúde da população. Ministério Público onde está você? A Câmara eu nem questiono, afinal, ela não conseguiu suspender nem a função atípica de restaurante do HNSG.

Prá começo de conversa: De que lado está a prefeitura, HNSG OU POPULAÇÃO?

Chama muita a atenção a "Nota Técnica à População Setelagoana (post abaixo)" emitida pela prefeitura "sobre cirurgias eletivas no HNSG". O Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG) decidiu cancelar cirurgias de paciêntes atendidos pelos SUS, mesmo estando "em fase final de negociação para realização de um novo contrato" com o município, como expressa literalmente a prefeitura.

Entre as muitas curiosidades da "Nota" da prefeitura a primeira é uso, sim, de uma liguagem tão elogiosa ao HNSG num momento em que este cancela um serviço essencial prestado ao parceiro (prefeitura), que prejudica muito a vida da população. "O HNSG é filantrópico e o maior e mais bem equipado hospital da região", diz prefeitura.

Isso lá é momento para bajulação do hospital? Não é. Se como diz a prefeitura a negociação estava "em fase final", como o hospital toma uma medida tão dura em desfavor da população? E o governo ao invés reagir a altura, escreve uma "Nota" que parece mais preocupado em elogiar o hospital a denunciar uma medida desnecessária e insensata sua. Não se trata de ser aspero, mas de não deixar dúvida quanto ao lado que está o poder público do município.

CIRURGIAS SERÃO CANCELADAS E PREFEITURA DIZ QUE ISSO NÃO PÕEM EM RISCO A VIDA DE NENHUM PACIENTE. COMO NÃO? COMENTO EM SEGUIDA


NOTA TÉCNICA À POPULAÇÃO SETELAGOANA SOBRE CIRURGIAS ELETIVAS NO HNSG

O município de Sete Lagoas tem o Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG) como parceiro e prestador de serviços hospitalares ao SUS. O HNSG é filantrópico e o maior e mais bem equipado hospital da região. A Secretaria Municipal de Saúde de Sete Lagoas (SMS/SL) mantém contrato com o HNSG, com o objetivo de complementar o atendimento realizado no Hospital Municipal.

No final da gestão municipal anterior, foram iniciadas reuniões com a direção do Hospital para a efetivação de um novo contrato, que ainda não foi efetivado. Estamos em fase final de negociação para realização de um novo contrato, na dependência das avaliações financeiras do município e na priorização do que é mais urgente. Em 23 de outubro de 2009, o HNSG se posicionou em realizar somente o que foi pactuado no contrato anterior existente com a SMS/SL, que são 257 procedimentos cirúrgicos.

Desta maneira, a partir do dia 01 de novembro de 2009, a Superintendência de Regulação, através da sua Central de Marcação, vai rever todas as cirurgias eletivas já marcadas, dando prioridade a partir de agora, às mais necessárias.

Sabemos que esta medida ocasionou transtornos a muitos pacientes, mas não pôs em risco a vida de nenhum paciente.

Sete Lagoas, 27 de outubro de 2009
José Orleans da Costa
Secretário Municipal de Saúde e
Gestor do SUS/SL

Bom dia!

Em instantes um novo post.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Não é R$ 100 milhões, é muito mais

A poucos dias eu disse aqui que o SAAE seria um patrimônio de R$ 100 milhões de dívida, depois de contratar o empréstimo do BNDES. Estava errado. É bem mais. No calculo mais modesto que fiz com ajuda do competente contador Aluísio Barbosa Jr., o valor fica próximo de R$ 150 milhões, projetando um juro mínimo e com juro normal de mercado, em torno de 7%, a quantia chega próximo de R$ 270 milhões. Não sabemos ao certo quanto é, o governo Maroca não deixou isso claro, até agora.

Mas vocês estão vendo esse quadro abaixo, pois então ele é a projeção de despesas do Plano Plurianual Anual (PPA) da Prefeitura, e como podem ver em 2013, a dívida salta de 10 milhões para 22 milhões - e, creio, neste primeiro ano os pagamentos vão atingir somente alguns meses. É último item da tabela do lado direito, em baixo. O próximo gestor é quem vai ter que se virar para arcar com a decisão de endividamento de hoje, que considero uma tragêdia para as finanças de Sete Lagoas. Esse número quando foi apresentado na Audiência Pública, que tratou do PPA, na semana passa, criou alvoroço. É, pelo menos números sensibilizam e assustam.

E não é para menos, ele significa que as finanças da cidade estarão comprometidas, por 20 anos, com o pagamento da DÍVIDA SAAE. Endividamento que não resolve definitivamente a questão da água e nem tem um centavo para esgoto. Dessa forma bay, bay valorização dos servidores, investimento educação, saúde diretamente, assistência social... Ou seja, o cidadão-contribuinte além de estar financiando a dívida através Taxa de Resíduos Sólidos, vai estar pagando também com o sacrifício da restrição orçamentaria com baixo investimento público, porque o próximo gestor está obrigado a arcar com uma obrigação dívida estranguladora.


Em tempo, vou com outros colegas para São Paulo, a convite da IVECO, à noite já estarei de volta.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Prefeito João Carlos da Aparecida TEM QUE RENUNCIAR, LICENÇA SÓ NÃO BASTA

Leiam comento abaixo:
Após ser preso com crack, prefeito de Raposos pede licença de seis meses
João Carlos da Aparecida foi internado para tratamento e será substituído pelo vice-prefeito Nélcio Duarte Neves a partir de terça (27)
Por Alex Capella, HOJE EM DIA:

João Carlos foi preso no domingo (25) com três pedras de crack no Bairro Bonfim
Em reunião extraordinária, realizada no início da noite desta segunda-feira (26), a Câmara Municipal de Raposos (Grande BH) aprovou um pedido de afastamento do prefeito João Carlos da Aparecida (PT) pelo período de 180 dias, por motivo de saúde.

O petista foi preso no domingo (25) com três pedras de crack no Bairro Bonfim, Região Noroeste de Belo Horizonte. Na delegacia, o prefeito teria assumido ter passado a madrugada com um travesti, consumindo drogas. Os vereadores estudam instaurar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar o envolvimento de Aparecida com o tráfico.

No ofício 291/09 enviado à Câmara, o prefeito pediu o afastamento das funções no Executivo por seis meses, “em face do problema de saúde”, para dar continuidade ao “tratamento médico”. Em setembro, o prefeito já havia pedido licença médica de nove dias para tratamento de um quadro de depressão.

A Lei Orgânica do município diz que, em caso de afastamento maior de dez dias, o vice assume a prefeitura. Na licença anterior, o prefeito despachou na administração por meio período, evitando a necessidade da substituição. Agora, o vice-prefeito Nélcio Duarte Neves (PT) assumirá a partir de terça-feira (27).

Na cidade, segundo o vereador Helinho Rocha (PP), o clima é de constrangimento. “Não se trata de disputa política e, sim, de responsabilidade com a coisa pública. Temos de ter certeza que o prefeito terá condições de voltar ao cargo. E, antes disso, precisamos saber qual o seu grau de envolvimento com o mundo das drogas”, disse.

Trata-se da segunda vez em menos de seis meses que Aparecida é flagrado com entorpecentes em Belo Horizonte. No início do ano, o prefeito foi detido em uma boca de fumo no aglomerado Pedreira Prado Lopes, na Região Noroeste. Desta vez, Aparecida foi flagrado com três pedras de crack, na mesma região.

O prefeito foi levado para a Delegacia Adida do Juizado Especial Criminal (Deajec), onde foi autuado em flagrante como usuário de drogas, conforme boletim interno simplificado utilizado nesses casos. Mais

COMENTO
A Câmara Municipal de Raposos não pode ser benevolente com o prefeito. Segundo a reportagem de O Tempo Online "caso o prefeito não assine o seu pedido de afastamento, a Câmara Municipal vai reabrir a Comissão Processante, que investigou as primeiras denúncias que aconteceram em março de 2009." Ora, então agora que ele se licenciou pode voltar depois, tudo bem?

Não, não, licença não basta. Ou ele renuncia abrindo mão do cargo completamente ou o poder legislativo tem que abrir ou reabri a Comissão Processante. Se a Câmara não agir este senhor poderá retomar o cargo em 180 dias, não é este o período de sua licença? Dessa forma a sua perspectiva de poder permanecerá. E a cidade estará sob uma gestão interina do vice-prefeito. E este homem permanecerá como um defunto político insepulto, que o PT tentará ressuscitar. Podem contar com isso meus senhores.

Anotem aí, se não for aplicada a pena máxima a João Caros o petismo o fará de vítima. Eles vão dizer que depois dessa licença ele conseguiu recuperar e até pode ser exemplo para "outras pessoas que passam pelo mesmo problema".

Bem, a hora de agir é agora e sem compaixão besta.

Programa Bolsa Família em Sete Lagoas

Na cidade são mais de 11 mil Beneficiários, me informou a secretária de Assistência Social, Lea Braga (PT).

Câmara vai afastar o prefeito João Carlos de Aparecida?

Por BRENO PROCÓPIO, no OTemponline:
Os vereadores da Câmara Municipal de Raposos se reuniram na manhã desta segunda-feira para discutir a situação do prefeito João Carlos da Aparecida, preso no último domingo em Belo Horizonte com pedras de crack.
Depois da conversa, os vereadores foram à Prefeitura de Raposos e apresentaram ao vice-prefeito, Léucio Duarte, e à procuradora da cidade, Elisângela Patrícia, um pedido de afastamento do prefeito. Segundo o secretário-geral da Câmara de Raposos, Kemerson Fernando Roque Araújo, os vereadores fizeram uma sugestão de afastamento por um período mínimo de 180 dias.
A Câmara Municipal não tem competência legal para obrigar a saída do prefeito."Foi uma sugestão. A Câmara espera ainda hoje empossar o vice Léucio Duarte no cargo de prefeito", disse Kemerson. De acordo com ele, o afastamento é dado como certo. "A nossa decisão é para uma resposta imediata para um fato que já se repetiu. Isso mancha a imagem da cidade e prejudica o desenvolvimento, e sua credibilidade. Acredito que é insustentável a permanência dele no cargo".
Caso o prefeito não assine o seu pedido de afastamento, a Câmara Municipal vai reabrir a Comissão Processante, que investigou as primeiras denúncias que aconteceram em março de 2009. Às 15h deve ser realizada outra reunião na Câmara, depois que chegar o pedido de afastamento do prefeito.

AÉCIO NEVES É MAIS-LULA; NÃO PÓS-LULA


Aécio Neves diz que caso seja candidato “o jogo das alianças começaria novamente do zero”. Aécio esta dizendo quê no jogo pelas alianças ele é um competidor a altura de Lula, ou numa definição mais precisa ela é como Lula. É capaz de agregar mais...

Serra não estaria a altura deles: Aécio e Lula. Assim por essa sua capacidade especial ele deveria ser o candidato e não José Serra. Raciocínio interessante esse seu, a rigor ele está acenando com mais do mesmo aos políticos.

Ele, Aécio, então, não é pós-Lula, mas, mais Lula. E também é mais FHC. Explico. Fernando Henrique como Lula conseguiu manter um arco de alianças bastante heterogênea e um tanto fisiológica, assim como Lula tem hoje, num grau menor do tomá-lá-dá-cá, que chegou o petismo. Portanto, Aécio seria mais FHC, mais Lula.

O que quer Aécio? Assustar e assim atrair os políticos, sobretudo, aqueles mais tradicionais afeitos ao velho jogo fisiológico que temem exatamente que Serra não faça concessões que não atendam aos seus apetites. É interessante observar, no entanto, que no jogo de soma política quem ganha é o seu competidor interno.

Apesar da retórica agregacionista do governador do meu estado, o PMDB de Minas acabou de se somar ao bloco oposicionista com o PT, na Assembleia, e se diz firme na aliança com Lula. Enquanto isso o PMDB paulista caminha lealmente com o Serra e até briga por ele dentro do PMDB.

Se Aécio estiver falando como parece da capacidade de atrair os velhos caciques como os Sarneis e Renas da vida, eu não tenho dúvida: ele sai na frente. Aliás, Aécio é mesmo um político de articulações singulares. Ele conseguiu que o PT entrasse numa aliança com ele para disputa na capital mineira, isolando o Democratas e forjando contra si um bloco de centro esquerda, que reuniu os dissidentes do PT, o PMDB e demais partidos. E estes lhe infringiram uma derrota política e, por pouco, não fosse eles terem um péssimo candidato, Leonardo Quintão (PMDB) teriam lhe derrotado nas urnas. E que se diga o bloco oposicionista que ora nasceu na Assembleia teve sua fecundação na eleição, numa articulação anti-Aécista.

“Ah, mais Aécio Neves conseguiu o apoio do Rodrigo Maia, presidente do DEM.” Pois é ne só, como o DEM deve estar desapontado com o seu suposto líder, dos 56 deputados do partido 49 preferem seguir firme com José Serra informa a pesquisa com os parlamentares feita pela consultoria Arko Advice. Rodrigo Maia, o filho do pai Cezar, acabou se posicionando ao lado do neto do Avô. Coisas de famílias brasileiras, é fácil compreender. Para isso Rodriguinho só precisava de uma desculpa, e ela veio no jantar de Serra com o grande líder de fato e de direito do DEM, o ex-senador Jorge Bonhausen, onde ele não foi convidado.

Encerrando, Aécio recorre a uma capacidade especial, e ainda não provada na prática, de agregador de alianças externas, mas o que está visivelmente está conseguindo é desagregar internamente. Tem outras estratégias mais legítimas, não? O governador de Minas está ignorando os pontos ganhos pelo seu colega José Serra durante o campeonato e está altura fala em zero a zero. Mas Aécio só conseguiu em dois mandatos a frente do segundo colégio eleitoral do país, um quarto lutar na tabela das pesquisas, atrás até do porra louca, do Ciro Gomes, agora vem acenar com “o jogo das alianças” declarando-se à altura de Lula. Acontece que o governador parece ignorar que desse jogo a sociedade está farta, como lhe provou BH ao derrotar seu jogo político (tese da covergência) na capital e quase levá-lo à lona eleitoral. Aécio só esta revelando ao dizer que com ele “o jogo das alianças começaria novamente do zero” que se nivela a Lula para zerar o jogo, deixando claro que o seu pós-Lula na verdade é MAIS-LULA. Aí Dilma é mais original, não?

José Serra o preferido do DEM e do PPS

Da Veja, por Lauro Jardim:
clique na imagem para ler

domingo, 25 de outubro de 2009

IMPECHMENT JÁ! (COMENTO ABAIXO) João Carlos da Aparecida (PT), Prefeito de Raposos, foi preso com drogas e ainda disse que passou a noite com travesti

NOVO POST: O prefeito João Carlos da Aparecida TEM QUE RENUNCIAR, LICENÇA SÓ NÃO BASTA

Leiam a matéria, COMENTO ABAIXO:

João Carlos da Aparecida (PT) (foto com PMs) disse que estava fazendo programa com um travesti
Por Renata Galdino, no HOJE EM DIA

Depois de assinar um TCO na delegacia, João Carlos da Aparecida pagou multa e foi liberado
O prefeito de Raposos, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), João Carlos da Aparecida (PT), 45 anos, foi flagrado pela polícia, na manhã deste domingo (25) ontem, no Bairro Bonfim, Região Noroeste da capital, com três porções de crack. À polícia, ele contou que estaria usando a droga na companhia de um travesti.

Leia também:

Vote na Enquete ao lado:
Quem você quer como governador de Minas Gerais a partir de 2011?

Há sete meses, o prefeito foi abordado nas imediações do Aglomerado Pedreira Prado Lopes (PPL) suspeito de comprar entorpecentes usando o carro oficial da prefeitura. Na época, ele alegou ter sido vítima de armação arquitetada por adversários políticos.

O prefeito foi abordado dentro de seu carro particular, um Fiat Uno, em frente ao número 8 da Rua Gama, por volta das 11 horas. Militares do Batalhão Rotam chegaram ao local depois de uma denúncia anônima. “Ele contou que estava desde a noite de sábado (24) usando droga e fazendo programa com o travesti”, disse o cabo Washington Gonçalves. O suposto travesti ainda não foi localizado.

Ao ser abordado, João Carlos tentou fugir. “Apesar de calmo, estava sonolento e falando coisas sem nexo”, contou o militar. O chefe do Executivo de Raposos prestou depoimento na Seccional Noroeste e foi liberado depois de assinar um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). Ele deve responder por uso de drogas. João Carlos também foi multado pela tentativa de fuga e teve a carteira de habilitação e o carro apreendidos.

Por volta das 16h30, a reportagem do HOJE EM DIA ligou para a casa onde o prefeito mora com a mãe, uma senhora de 84 anos, em Raposos, e foi atendida por uma mulher que se identificou como Jordana, sobrinha dele. Ela alegou que até aquela hora a família não tinha conhecimento da ocorrência. Os dois números de celulares do prefeito estavam desligados.

Até as 17h35, o chefe de gabinete da prefeitura, Hudson Leal, afirmou que também não sabia da ocorrência, e que nunca presenciou o prefeito fazendo uso de drogas. “Temos uma amizade de mais de 30 anos. Se ele usa, é uma surpresa para mim”, salientou.

Porém, Leal adiantou que João Carlos estaria em tratamento no Hospital São José, em BH, para curar uma depressão, com o uso de medicamentos controlados. A doença teria sido em decorrência da “pressão de administrar uma cidade”. “A orientação médica era para a internação, mas ele não quis e preferiu continuar trabalhando”, disse.

João Carlos da Aparecida cumpre o seu primeiro mandato em Raposos, que tem 15 mil habitantes. Ele foi eleito no ano passado, com 3.066 votos, pela coligação Muda Raposos. Em 1992, João Carlos foi eleito vereador na cidade. Solteiro, o prefeito é engenheiro civil e trabalhava na Copasa.

No primeiro semestre, a Câmara Municipal de Raposos chegou a instaurar um processo administrativo para apurar o uso do carro oficial do município na capital mineira, durante o episódio na Pedreira.

No entanto, a ação foi arquivada após 90 dias porque o prazo legal para concluir a investigação expirou sem que os vereadores conseguissem ter acesso a informações pedidas à Polícia Militar, como a cópia do boletim de ocorrência feito na ocasião e uma filmagem do veículo circulando nas imediações do aglomerado.

Comento

Será que este senhor (foto) terá pelo menos a dignidade de renunciar imediatamente ao cargo? Ou ele recorrerá a estratégia ensinada pelo seu correligionário Lula de transformar a natureza do crime?

Em 2005 o presidente com ajuda do ministro Márcio Tomaz Bastos editou à ação criminosa de compra do Congresso (Mensalão) para mero caixa 2. Raposos vai deixar isso acontecer?

Leiam também:
AÉCIO NEVES É MAIS-LULA E FHC; NÃO PÓS-LULA

O presidente do PT municipal da cidade de Sete Lagoas me mandou um comentário dizendo "que tem [drogas] em todos os partidos..." Concordo. O que costuma ser diferente é autoreação da turma petista, que considerando-se a serviço de um milenarismo superior relativiza suas ações nefastas como a lorota de estar ajudando a sociedade a alcançar uma nova terra prometida.

Claro, no caso em questão, é mais difícil, afinal o Zé da Aparecida é reincidente, e o crime flagrado, a exemplo dos dólares na cueca, é pessoal demais para blá, blá, blá da turma. Ainda assim, o perigo é ele dizer que o entorpeceste é insumo para reflexão política e melhoria gestão.

No petismo com as honrosas exceções que existem, a safadeza é a regra. Por isso, a população da cidade de Raposos tem protestar já - mesmo não sendo um cidadão raposense me solidarizo com as pessoas de bem da cidade, que devem estar indignadas.

Mande seu protesto por e-mail: comunicacao@raposos.mg.gov.br, ou telefone (31) 3543-1276 o site prefeitura é: http://www.raposos.mg.gov.br/. Esse sujeito tem que ser posto para fora já!

IMPECHMENT JÁ! (COMENTO ABAIXO) João Carlos da Aparecida (PT), Prefeito de Raposos, foi preso com drogas e ainda disse que passou a noite com travesti

Leiam a matéria de Renata Galdino, no Hoje em Dia, COMENTO ABAIXO:

O prefeito de Raposos, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), João Carlos da Aparecida (PT), 45 anos, foi flagrado pela polícia, na manhã deste domingo (25) ontem, no Bairro Bonfim, Região Noroeste da capital, com três porções de crack. À polícia, ele contou que estaria usando a droga na companhia de um travesti.

Leia também:
AÉCIO NEVES É MAIS-LULA; NÃO PÓS-LULA

Vote na Enquete ao lado:
Quem você quer como governador de Minas Gerais a partir de 2011?

Há sete meses, o prefeito foi abordado nas imediações do Aglomerado Pedreira Prado Lopes (PPL) suspeito de comprar entorpecentes usando o carro oficial da prefeitura. Na época, ele alegou ter sido vítima de armação arquitetada por adversários políticos.

O prefeito foi abordado dentro de seu carro particular, um Fiat Uno, em frente ao número 8 da Rua Gama, por volta das 11 horas. Militares do Batalhão Rotam chegaram ao local depois de uma denúncia anônima. “Ele contou que estava desde a noite de sábado (24) usando droga e fazendo programa com o travesti”, disse o cabo Washington Gonçalves. O suposto travesti ainda não foi localizado.

Ao ser abordado, João Carlos tentou fugir. “Apesar de calmo, estava sonolento e falando coisas sem nexo”, contou o militar. O chefe do Executivo de Raposos prestou depoimento na Seccional Noroeste e foi liberado depois de assinar um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). Ele deve responder por uso de drogas. João Carlos também foi multado pela tentativa de fuga e teve a carteira de habilitação e o carro apreendidos.

Por volta das 16h30, a reportagem do HOJE EM DIA ligou para a casa onde o prefeito mora com a mãe, uma senhora de 84 anos, em Raposos, e foi atendida por uma mulher que se identificou como Jordana, sobrinha dele. Ela alegou que até aquela hora a família não tinha conhecimento da ocorrência. Os dois números de celulares do prefeito estavam desligados.

Até as 17h35, o chefe de gabinete da prefeitura, Hudson Leal, afirmou que também não sabia da ocorrência, e que nunca presenciou o prefeito fazendo uso de drogas. “Temos uma amizade de mais de 30 anos. Se ele usa, é uma surpresa para mim”, salientou.

Porém, Leal adiantou que João Carlos estaria em tratamento no Hospital São José, em BH, para curar uma depressão, com o uso de medicamentos controlados. A doença teria sido em decorrência da “pressão de administrar uma cidade”. “A orientação médica era para a internação, mas ele não quis e preferiu continuar trabalhando”, disse.

João Carlos da Aparecida cumpre o seu primeiro mandato em Raposos, que tem 15 mil habitantes. Ele foi eleito no ano passado, com 3.066 votos, pela coligação Muda Raposos. Em 1992, João Carlos foi eleito vereador na cidade. Solteiro, o prefeito é engenheiro civil e trabalhava na Copasa.

No primeiro semestre, a Câmara Municipal de Raposos chegou a instaurar um processo administrativo para apurar o uso do carro oficial do município na capital mineira, durante o episódio na Pedreira.

No entanto, a ação foi arquivada após 90 dias porque o prazo legal para concluir a investigação expirou sem que os vereadores conseguissem ter acesso a informações pedidas à Polícia Militar, como a cópia do boletim de ocorrência feito na ocasião e uma filmagem do veículo circulando nas imediações do aglomerado.

Comento

Será que este senhor (foto) terá pelo menos a dignidade de renunciar imediatamente ao cargo? Ou ele recorrerá a estratégia ensinada pelo seu correligionário Lula de transformar a natureza do crime?

Em 2005 o presidente com ajuda do ministro Márcio Tomaz Bastos editou à ação criminosa de compra do Congresso (Mensalão) para mero caixa 2. Raposos vai deixar isso acontecer?

O presidente do PT municipal da cidade de Sete Lagoas me mandou um comentário dizendo "que tem [drogas] em todos os partidos..." Concordo. O que costuma ser diferente é autoreação da turma petista, que considerando-se a serviço de um milenarismo superior relativiza suas ações nefastas como a lorota de estar ajudando a sociedade a alcançar uma nova terra prometida.

Claro, no caso em questão, é mais difícil, afinal o Zé da Aparecida é reincidente, e o crime flagrado, a exemplo dos dólares na cueca, é pessoal demais para blá, blá, blá da turma. Ainda assim, o perigo é ele dizer que o entorpeceste é insumo para reflexão política e melhoria gestão.

No petismo com as honrosas exceções que existem, a safadeza é a regra. Por isso, a população da cidade de Raposos tem protestar já - mesmo não sendo um cidadão raposense me solidarizo com as pessoas de bem da cidade, que devem estar indignadas.

Mande seu protesto por e-mail: comunicacao@raposos.mg.gov.br, ou telefone (31) 3543-1276 o site prefeitura é: http://www.raposos.mg.gov.br/. Esse sujeito tem que ser posto para fora já!

O deputado RURALISTA Márcio Reinaldo (PP) foi a notícia da semana em Brasília, diz leitor na capital

julio disse...
Caro leonardo, aqui em brasília, durante toda a semana que passou nosso ilustre deputado [Márcio Reinaldo] foi noticia por ter assinado a CPI do MST e depois a pedido deste seríssimo e probo governo retirou a referida assinatura, portanto fico em dúvida com relação aos motivos que favorecem determinados parlamentares conseguirem mais verbas do que outros, um abraço,
julio
25 de Outubro de 2009 16:33

PPS. Declaração de Fortaleza repudia propaganda que “busca disfarçar a realidade de uma administração inepta e irresponsável” do PT


Declaração Política de Fortaleza

O Diretório Nacional do Partido Popular Socialista (PPS), em sua reunião, nos dias 23 e 24 de outubro de 2009, na cidade de Fortaleza - CE, considera grave a situação do país, ao contrário do que propaga o governo, com seu estilo pirotécnico e marqueteiro.

Para resumir o quadro nacional, destaque-se que é motivo de preocupação dos brasileiros a continuidade dos baixíssimos investimentos governamentais na economia e na infraestrutura; o déficit fiscal que se acumula há quase um ano e a queda no desempenho do comércio exterior. Isso atinge diretamente a questão do desemprego, cujos índices continuam altos, mesmo sem considerarmos que dois milhões e meio de jovens, que a cada ano, ficam à margem do mercado de trabalho e não entram nas estatísticas. Também são preocupantes as sucessivas manobras que buscam obter recursos financeiros para cobrir os gastos públicos, nunca antes tão elevados e sem controle; a angustiante realidade das capitais e regiões metropolitanas no que diz respeito à segurança pública, de que é exemplo maior o Rio de Janeiro; os altos e baixos na política educacional, agravados recentemente pelos lamentáveis episódios das fraudes em concurso e a crise na saúde pública.

Ao invés de enfrentar estas questões e agir com austeridade para realizar reformas estruturantes capazes de dar rumo ao país, o governo federal vem agindo única e exclusivamente para impor sua candidata à Presidência da República, ao arrepio da legislação eleitoral e em acintoso desafio às instituições nacionais.

Competente apenas na promoção de festas e palanques, o governo tripudia sobre o sacrifício desmedido de todo um povo, cujo cotidiano de sofrimento e frustração alimenta um mero projeto de poder, exponenciado por uma fantástica máquina, na qual a propaganda busca disfarçar a realidade de uma administração inepta e irresponsável na gestão da coisa pública.

Nesse sentido, o Partido Popular Socialista conclama a consciência democrática de nossa cidadania e as forças políticas e sociais que são contrárias à manutenção desse estado de coisas, para nos unirmos em um amplo movimento político, capaz de superar, com propostas e unidade, o engodo de que o Brasil é vítima, hoje.

Temos absoluta clareza de que é necessário reforçar o Bloco Democrático e Reformista (BDR), com o objetivo estratégico central de vencer as eleições de 2010, com base em um programa de governo capaz de mudar a agenda nacional, sintetizado em três pontos essenciais: reforma democrática do Estado, construção de uma nova economia e combate efetivo às desigualdades.

No plano específico do PPS, o Diretório Nacional conclama nossas organizações e militância ao máximo esforço para eleger representantes no executivo e no legislativo capazes de enfrentar o desafio de ajudar o novo governo a colocar o país no rumo do desenvolvimento sustentável e socialmente justo.

Fortaleza, 25 de outubro de 2009.

Roberto Freire
Presidente

PREFEITO DE RAPOSOS É PRESO COM DROGAS EM BELO HORIZONTE. ELE É DO PT

NOVO POST: Prefeito João Carlos da Aparecida TEM QUE RENUNCIAR, LICENÇA SÓ NÃO BASTA
Por Rafael Passos - Portal Uai:

O prefeito de Raposos, na Grande Belo Horizonte, foi preso com drogas na manhã deste domingo, no bairro Bonfim, Região Noroeste da capital. É a segunda vez em menos de seis meses que João Carlos da Aparecida (PT), de 45 anos, é flagrado com entorpecentes em BH. No início do ano, o político foi detido em uma boca-de-fumo, no aglomerado Pedreira Prado Lopes.

AÉCIO NEVES É MAIS-LULA E FHC; NÃO PÓS-LULA

A Polícia Militar (PM) chegou até o suspeito depois de receber uma denúncia anônima que dava conta de que duas pessoas estavam em um Fiat Uno cinza comercializando drogas nas imediações do Bonfim. "Abordamos o prefeito e ele assumiu ter consumido drogas e disse que tinha feito programa com um travesti ontem (sábado) à noite", relatou o cabo Washington Gonçalves, da 2ª Companhia do Batalhão Rotam.

O outro envolvido no caso fugiu antes da chegada dos militares. O carro utilizado pela dupla é de uso particular, segundo informações da polícia

Com José Carlos da Aparecido os militares encontraram três pedras de crack. Ele vai ser encaminhado à Seccional Noroeste, onde vai prestar esclarecimentos. De acordo com a PM, o chefe do Executivo de Raposos deve ser autuado por uso de drogas e liberado em seguida.

PM flagra prefeito de Raposos com três porções de crack em BH


Por DANIEL SILVEIRA, O Tempo Online:
Após uma denúncia anônima referente ao tráfico de drogas, policiais militares detiveram na manhã deste domingo o prefeito de Raposos, João Carlos da Aparecida, de 45 anos, em uma rua do bairro Bonfim, região Noroeste de Belo Horizonte. Ele foi detido em flagrante com um cachimbo artesanal e três pedras de crack e, ainda, revelou aos policiais que passou a noite fazendo programas com um travesti.

IMPECHMENT JÁ!!! João Carlos da Aparecida (PT), Prefeito de Raposos, foi preso com drogas e ainda disse que passou a noite com travesti

No final de março deste ano, João foi flagrado numa madrugada em um ponto de venda de drogas da Pedreira Prado Lopes. Ele estava em um carro oficial da prefeitura, acompanhado por um motorista, e negou que estivesse à procura de entorpecentes. Entretanto, o motorista havia afirmado que ele tentava comprar drogas no local.
"Dessa vez ele não teve como negar, porque estava sozinho no carro, com um cachimbo no bolso e as pedras de crack no interior do veículo. Durante as buscas no carro encontramos a carteira funcional de prefeito dele e, só então, ele revelou que é o prefeito de Raposos", relata o cabo Washington Gonçalves, do Batalhão de Rondas Táticas Metropolitanas (Rotam).
O prefeito contou aos militares que estava em Belo Horizonte desde a noite desse sábado. "Ele relatou que procurou um travesti, com quem fez programa na rua, rodou em bares e comprou crack em uma boca de fumo. Ele disse que gastou R$ 80 com o travesti e R$ 50 com a droga. Procuramos pelo suposto travesti, mas não o localizamos", ressalta o cabo Washington.

IMPECHMENT JÁ!!! João Carlos da Aparecida (PT), Prefeito de Raposos, foi preso com drogas e ainda disse que passou a noite com travesti

Leiam a matéria Renata Galdino, no Hoje em Dia, COMENTO ABAIXO:
Depois de assinar um TCO na delegacia, João Carlos da Aparecida pagou multa e foi liberado
O prefeito de Raposos, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), João Carlos da Aparecida (PT), 45 anos, foi flagrado pela polícia, na manhã deste domingo (25) ontem, no Bairro Bonfim, Região Noroeste da capital, com três porções de crack. À polícia, ele contou que estaria usando a droga na companhia de um travesti.
Há sete meses, o prefeito foi abordado nas imediações do Aglomerado Pedreira Prado Lopes (PPL) suspeito de comprar entorpecentes usando o carro oficial da prefeitura. Na época, ele alegou ter sido vítima de armação arquitetada por adversários políticos.

Leia também:

O prefeito foi abordado dentro de seu carro particular, um Fiat Uno, em frente ao número 8 da Rua Gama, por volta das 11 horas. Militares do Batalhão Rotam chegaram ao local depois de uma denúncia anônima. “Ele contou que estava desde a noite de sábado (24) usando droga e fazendo programa com o travesti”, disse o cabo Washington Gonçalves. O suposto travesti ainda não foi localizado.

Ao ser abordado, João Carlos tentou fugir. “Apesar de calmo, estava sonolento e falando coisas sem nexo”, contou o militar. O chefe do Executivo de Raposos prestou depoimento na Seccional Noroeste e foi liberado depois de assinar um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). Ele deve responder por uso de drogas. João Carlos também foi multado pela tentativa de fuga e teve a carteira
de habilitação e o carro apreendidos.
Por volta das 16h30, a reportagem do HOJE EM DIA ligou para a casa onde o prefeito mora com a mãe, uma senhora de 84 anos, em Raposos, e foi atendida por uma mulher que se identificou como Jordana, sobrinha dele. Ela alegou que até aquela hora a família não tinha conhecimento da ocorrência. Os dois números de celulares do prefeito estavam desligados.
Até as 17h35, o chefe de gabinete da prefeitura, Hudson Leal, afirmou que também não sabia da ocorrência, e que nunca presenciou o prefeito fazendo uso de drogas. “Temos uma amizade de mais de 30 anos. Se ele usa, é uma surpresa para mim”, salientou.
Porém, Leal adiantou que João Carlos estaria em tratamento no Hospital São José, em BH, para curar uma depressão, com o uso de medicamentos controlados. A doença teria sido em decorrência da “pressão de administrar uma cidade”. “A orientação médica era para a internação, mas ele não quis e preferiu continuar trabalhando”, disse.
João Carlos da Aparecida cumpre o seu primeiro mandato em Raposos, que tem 15 mil habitantes. Ele foi eleito no ano passado, com 3.066 votos, pela coligação Muda Raposos. Em 1992, João Carlos foi eleito vereador na cidade. Solteiro, o prefeito é engenheiro civil e trabalhava na Copasa.
No primeiro semestre, a Câmara Municipal de Raposos chegou a instaurar um processo administrativo para apurar o uso do carro oficial do município na capital mineira, durante o episódio na Pedreira.
No entanto, a ação foi arquivada após 90 dias porque o prazo legal para concluir a investigação expirou sem que os vereadores conseguissem ter acesso a informações pedidas à Polícia Militar, como a cópia do boletim de ocorrência feito na ocasião e uma filmagem do veículo circulando nas imediações do aglomerado.

Comento
Será que este senhor (foto) terá pelo menos a dignidade de renunciar imediatamente ao cargo? Ou ele recorrerá a estratégia ensinada pelo seu correligionário Lula de transformar a natureza do crime?

Em 2005 o presidente com ajuda do ministro Márcio Tomaz Bastos editou à ação criminosa de compra do Congresso (Mensalão) para mero caixa 2. Raposos vai deixar isso acontecer?

O presidente do PT municipal da cidade de Sete Lagoas me mandou um comentário dizendo "que tem [drogas] em todos os partidos..." Concordo. O que costuma ser diferente é autoreação da turma petista, que considerando-se a serviço de um milenarismo superior relativiza suas ações nefastas como a lorota de estar ajudando a sociedade a alcançar uma nova terra prometida.

Claro, no caso em questão, é mais difícil, afinal o Zé da Aparecida é reincidente, e o crime flagrado, a exemplo dos dólares na cueca, é pessoal demais para blá, blá, blá da turma. Ainda assim, o perigo é ele dizer que o entorpeceste é insumo para reflexão política e melhoria gestão.

No petismo com as honrosas exceções que existem, a safadeza é a regra. Por isso, a população da cidade de Raposos tem protestar já - mesmo não sendo um cidadão raposense me solidarizo com as pessoas de bem da cidade, que devem estar indignadas.

Mande seu protesto por e-mail: comunicacao@raposos.mg.gov.br, ou telefone (31) 3543-1276 o site prefeitura é: http://www.raposos.mg.gov.br/. Esse sujeito tem que ser posto para fora já!




O Carro do prefeito, João Carlos da Aparecida (PT), foi apreendido pela PM

DEPUTADO FEDERAL MÁRCIO REINALDO ME ATACA ATRAVÉS DO JORNAL NOTÍCIA


A resposta já estava dada, veja neste post é só clicar sobre ele, mas haverá complemento: Márcio Reinaldo "esse trabalha e resolve"; eu só atrapalho - deve ser minhas costas largas lá no Ministério das Cidades

Itamar Franco é eleito vice-presidente do PPS


MÁRCIO FALCÃOda Folha Online, em Brasília
Após três meses de filiação, o ex-presidente Itamar Franco (MG) foi eleito neste domingo vice-presidente do PPS e será um dos responsáveis pelas articulações do partido para as eleições de 2010.
Ele comandará o PPS ao lado do ex-deputado Roberto Freire (PE), que foi reconduzido à presidência. Itamar não participou do encontro da cúpula da legenda, em Fortaleza, porque ainda se recupera de uma cirurgia de próstata para retirada de um nódulo, no hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo. Ainda não há previsão de alta.
Itamar, 79, tem sido apontado como um dos possíveis nomes para compor a chapa em 2010 com o presidenciável tucano --ainda indefinido entre os governadores José Serra (São Paulo) e Aécio Neves (Minas).
O ingresso de Itamar no comando do PPS pode dificultar ainda mais uma definição do partido em torno de qual tucano apoiar para a disputa ao Palácio do Planalto. Itamar continua estimulando o governador Aécio Neves a não desistir da luta para se tornar candidato a presidente, enquanto Freire trabalha pela pré-candidatura de Serra.
Aliados do ex-presidente dizem ainda que ele poderá ainda sair como candidato ao Senado. Mais

Entrevista Hélio Costa, ao Jornal O Tempo


"Desunião de PMDB e PT em MG nos levaria a uma derrota"

O ministro das Comunicações e pré-candidato ao Palácio da Liberdade, Hélio Costa, defende um único candidato da base de Lula no Estado para vencer, mas não descarta se aproximar do PSDB de Aécio Neves. "Nós temos um projeto para Minas Gerais", garantiu o peemedebista.


Por Murilo Rocha, O Tempo:
O senhor se apresenta como pré-candidato do PMDB ao governo do Estado e com um projeto em gestação para Minas. Essa é a definição?
Como candidato a governador, tenho um projeto para Minas. Estamos chamando nossas lideranças de todas as regiões de Minas a contribuir em um projeto, mostrar deficiências e necessidades de cada região para avaliarmos se o PMDB tem alguma contribuição a fazer com uma candidatura. Ser candidato para ser candidato não é o que queremos.

Qual é a prioridade desse projeto para Minas Gerais?
O PMDB entende que o problema mais sério é o desemprego. Então vamos trabalhar dentro da nossa proposta de governo para que a gente possa criar instrumentos de geração de emprego, em todas as regiões, notadamente naquelas mais distantes do centro econômico de Minas, que é a região metropolitana de Belo Horizonte. Esse é nosso principal objetivo.

Há outras prioridades nesse projeto do PMDB para o governo de Minas?
Estamos vivendo uma era de abuso do solo mineiro. O pré-sal nos alertou para a questão do minério. Se você faz uma comparação, o Rio de Janeiro recebe R$ 6 bilhões por ano com os royalties do petróleo e Minas recebe R$ 100 milhões do minério. Quem vai fazer essa defesa é o PMDB, é uma candidatura a ser colocada pelo PMDB, porque minério não dá duas safras.

O senhor fala em um projeto do PMDB, uma bandeira do partido em Minas. Mas o partido não está divido no Estado?
O PMDB não está dividido em Minas. Se existe uma divergência, é apenas sobre quem será o presidente do partido em Minas, em janeiro. Não existe divergência sobre o projeto do PMDB.
Quando o partido irá decidir se é viável ou não lançar a candidatura?
Ao contrário de outros partidos e outros candidatos, o PMDB não faz exigências com relação à proposta de governar Minas. Nossa candidatura não é irremovível. O PMDB faz uma única exigência, que é a de que ninguém faça exigências. E que o candidato da base aliada se faça de uma grande aliança, que seja escolhido após uma série de pesquisas que possam resultar em uma indicação razoável. A grande questão é a viabilidade eleitoral.

Então o senhor defende um candidato único da base aliada após a definição das candidaturas de cada partido?
Sim, até porque são vários cargos majoritários em disputa no ano que vem. Governador, vice, senadores, deputado federal, estadual. Não é apenas uma eleição para o governo, ainda temos uma grande eleição de presidente da República - q Minas sempre é vista como o Estado que pode definir uma eleição presidencial.

Hoje o PMDB, dentro dessa linha programática, está mais perto do PT ou do PSDB em Minas?
O nosso aliado natural seria o PT. Mas você só pode fazer um casamento quando os dois querem. O PMDB quer e tem manifestado isso. Nossa proposta é apresentar um nome do PMDB que possa ser escolhido entre a base aliada e, daí, sermos o candidato ou apoiarmos o candidato escolhido. Agora, se não há progresso nas conversas com a base aliada, por outro lado, temos uma relação excepcionalmente boa com o governador Aécio Neves, que tem dado inúmeras indicações de que o PMDB é muito bem vindo na base dele.

Há uma tentativa de parte do PT em fechar um acordo com uma ala do PMDB para impedir o lançamento de sua candidatura?
Isso é uma vontade, que não será realizada, de alguns adversários. Em Minas a gente faz política às claras, conversando. A gente não faz política tentando derrotar o adversário por antecipação ou armando ciladas para os adversários. Tem gente fazendo isso sim. Mas não será bem sucedido.

A candidatura do deputado Antônio Andrade à presidência do partido em Minas é uma forma de se aproximar do PSDB em razão das boas relações dele com Aécio Neves?
Não entendo assim. O Antônio Andrade foi escolhido como nosso candidato porque é um deputado federal com prestígio. Ele tem reconhecimento da liderança nacional do PMDB, tem apoio do governo federal, tem uma história de um homem sério, honesto. Agora, sobretudo, é porque ele é uma pessoa confiável.

A derrota de Antônio Andrade para Adalclever Lopes no PMDB-MG atrapalharia sua candidatura?
A derrota está fora de cogitação. Não temos a menor possibilidade de perder a eleição para a presidência do PMDB. A candidatura do PMDB ao governo de Minas depende da vitória de Antônio Andrade. Se ele não for o presidente, a candidatura do PMDB estaria sendo torpedeada.
Quando cogita a aliança com o PT, o senhor cita apenas o ministro Patrus Ananias. O senhor tem algum problema com o ex-prefeito Fernando Pimentel?
Problema nenhum. É que gosto de promover os amigos. As pessoas que eu tenho um relacionamento amistoso, com quem eu gosto de trocar ideias, e o Patrus é uma dessas pessoas.
Duas candidaturas da base do governo Lula ao Palácio da Liberdade poderiam ficar enfraquecidas na disputa e, ainda, ser ruim para a eleição da ministra Dilma Rousseff à Presidência?
Sem dúvida. Ela (Dilma) perderá a eleição em Minas, porque inevitavelmente haverá rompimento. Não adianta dizer que tem dois palanques, isso não existe em lugar nenhum. A gente não tem como servir a dois objetivos em campanhas. Para mim, se PT e PMDB não estiverem juntos, também vai ser muito difícil (vencer o governo estadual). A estrutura do Estado é muito forte.

Com dois candidatos da base, um do PT e outro do PMDB, o candidato do governador Aécio Neves em Minas (o vice Antonio Anastasia) ficaria fortalecido?
Com certeza. É um candidato com todas as qualidades. É uma pessoa de bem, um homem inteligente. Foi importantíssimo no sucesso do governo Aécio. Ele tem pouca imagem eleitoral, mas quando entrar no processo eleitoral, a tendência é subir. A imagem do Aécio é muito forte. Temos de ser realistas.

sábado, 24 de outubro de 2009

Morto é exonerado pela Prefeitura

Do O Tempo:
Em Cataguases, na Zona da Mata mineira, a prefeitura municipal, administrada pelo tucano William Lobo, cujo slogan de campanha no ano passado anunciava "mudança para valer", resolveu inovar nos anúncios de exoneração.
A edição do "Diário Oficial do Município" (DOM) de 25 de setembro trazia a portaria 339, cujo artigo único atestava: "exonera, por falecimento, o senhor José Alexandre Giovani, do cargo de auxiliar de serviços gerais, para o qual foi nomeado em 6 de maio de 1996".
Depois que o ato virou motivo de chacota na cidade, a administração municipal divulgou uma nota explicando que "cometeu um erro de fato".
No texto, o procurador geral do município, Roosevelt Pires, chegou a afirmar que "tem motivos para agradecer a Deus, haja vista que o erro cometido não importa em prejuízo a quem quer que seja". A nota informava ainda que o termo correto deveria ser "vacância do cargo" e que a correção já havia sido providenciada.

PMDB EM MINAS ELEIÇÃO: Briga pelo comando do PMDB de Minas vira caso de polícia

Por Ezequiel Fagundes, no O Tempo:
A briga pela comando do PMDB mineiro foi parar na delegacia. Tanto que a Polícia Civil já instaurou um inquérito para investigar denúncia de fraude no processo de registro das chapas dos candidatos a presidente municipal da legenda em Belo Horizonte. Em jogo está a disputa pelo apoio dos 59 delegados da legenda. A investigação é sigilosa.
Em Belo Horizonte, a briga pelo comando do partido é travada entre o vereador Iran Barbosa e o deputado federal Leonardo Quintão, atual presidente municipal. Iran e Quintão trocam acusações mútuas de manipulação no processo de registro das candidaturas. Aliados de Quintão, como o vereador Cabo Júlio, já foram intimados para depor no inquérito. O mesmo ocorreu com os aliados de Iran, que também já foram interrogados.
A convenção municipal seria neste sábado. Como Iran não conseguiu registrar a sua chapa, Quintão seria reeleito. Mas a Justiça já concedeu liminar suspendendo a convenção. Segundo Iran, ele não conseguiu fazer o registro da chapa porque a sede do PMDB estava fechada por ordem de Quintão.
Na prática, a briga em Belo Horizonte é o pano de fundo da disputa do comando do partido em Minas. Iran é aliado do deputado Adalclever Lopes, candidato do ex-governador Newton Cardoso. Quintão é da ala do deputado Antônio Andrade, ligado ao ministro Hélio Costa. Mais

Infraero desmente Presidência


Por Ezequiel Fagundes, O Tempo:
Apesar de a Presidência da República ter garantido que o mau tempo em Minas levou a comitiva do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a cancelar os compromissos no Triângulo Mineiro e voltar para Brasília - ainda pela manhã, na última quinta-feira -, informações fornecidas ontem pela Infraero de Uberlândia mostram o contrário.

Leia também:
AÉCIO NEVES É MAIS-LULA E FHC; NÃO PÓS-LULA

Segundo o órgão, a pista do Aeroporto Tenente Coronel Aviador César Bombonato operou normalmente anteontem para pousos e decolagens durante todo o dia.
"Não houve problema meteorológico. A visibilidade era normal e o aeroporto não foi fechado nenhum instante", contou um fiscal da Infraero a O TEMPO. Vinculada ao Ministério da Defesa, a Infraero é responsável pela administração dos aeroportos do país, incluindo os de menor porte. Procurada novamente pela reportagem, a assessoria de imprensa do governo federal mantém a versão de que "problemas meteorológicos impediram a visita" do presidente Lula na região do Triângulo Mineiro, na última quinta-feira - mesmo diante das informações repassadas pela Infraero.
Ainda de acordo com a Infraero, de fato o aeroporto de Uberlândia é frequentemente interditado pois não dispõe do sistema ILS, equipamento responsável pela orientação de aeronaves até próximo a cabeceira das pistas. O fato porém não impediu as operações do terminal na última quarta. A pista do aeroporto da cidade possui 1.950 metros, mesma dimensão da pista no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo.
Segundo a Infraero, a comitiva presidencial cancelou o pouso por volta das 12h da quinta-feira. O presidente Lula iria inaugurar obras viárias custeadas pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e assinar convênios do programa Minha Casa Minha Vida.
Além de Uberlândia, estava prevista também uma visita à cidade de Uberaba. Nas duas cidades, foram preparadas grandes festas para recepcionar a comitiva presidencial.

PF indicia 22 pessoas por fraudes em obras do PAC


Do O Tempo:
Servidores públicos, agentes de governo e empresas foram indiciados
A Polícia Federal concluiu o inquérito sobre o envolvimento de servidores públicos, agentes de governo e empresas concorrentes de licitações em obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Vinte e duas pessoas foram indiciadas.
Durante a operação, foram cumpridos mandados de prisão e de busca e apreensão em Cuiabá, São Paulo, Goiânia e Distrito Federal. A empresa de Saneamento da Capital (Sanecap), responsável pela gerência de águas e esgotos em Cuiabá, nomeou a operação - Pacenas é o nome ao contrário -, pois alguns dos contratos com indícios de fraude eram justamente relativos a obras de saneamento básico.
Foram realizadas 21 perícias técnicas nos materiais apreendidos, além das oitivas e análises dos dados encontrados, e a polícia encontrou provas de crimes de fraude à licitação, advocacia administrativa e formação de quadrilha. Foi encontrada também uma mensagem eletrônica contendo orientações sobre como burlar o processo licitatório.
O principal foco das investigações é o direcionamento das licitações para que empresas pré-determinadas vencessem as concorrências. Dos quase R$ 300 milhões licitados, R$ 6,241 milhões já haviam sido pagos pelo poder público. A Justiça bloqueou os bens dos envolvidos.
A fraude se dava pela indução nos editais de cláusulas que direcionavam determinadas empresas por meio de cláusulas consideradas restritivas. Denúncias anônimas diziam que as empresas já eram vencedoras das licitações antes do procedimento licitatório, pois os concorrentes ajustavam as propostas previamente, oferecendo pagamentos em dinheiro e parte dos contratos firmados com a prefeitura.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Alô, Lula e Dilma ponham o seu povo para trabalhar

Tem servidor da Agência Nacional De Vigilancia Sanitaria, aliado de um certo deputado federal que não trabalha mais não, passa o dia aqui vigiando o blog. Alô, Lula, Dilma e Cia o povo aí da Vigilância de Brasília tem que ver se "trabalha e resolve" e não ficar cuidando de interesses de seus aliados políticos. E você se continuar aqui bisbilhotando vou mandar seu histórico de horas não trabalhadas lá para Procuradoria Geral da República (PGR).

Passe Livre em Sete Lagoas: Fala do post abaixo a leitora Emilene

Bom dia, Leonardo!

Obrigado por ter me ouvido com tanto carinho, agradeço sua atenção e saiba que contamos com você nesta luta e em tantas outras também.

Acredito que esta frase escrita por você diz tudo:

Eles merecem todo o respeito e bom atendimento como usuários de direito e seres humanos, além do mais o sistema está custeando o seu passe.

Será que o Roberto ou o Magno não sabem disto?

Que pena, não terem respeitado um direito tão importante aos idosos e deficientes principalmente.

E a Leia, concorda e depois se faz de desentendida, ela me decepcionou como profissional, da Prefeitura tudo se espera!

Quero ver quem vai impedir que um deficiente ou idoso na minha presença não seja transportado diante uma carteira da outra empresa! Pago pra ver !

Abraços,
Emilene
leitora assídua de seu blog.

LEITORA ESTAVA CERTA IDOSOS E DOENTES COM PASSE LIVRE TIVERAM O TRANSPORTE RESTRINGIDO POR COOPERSELTTA E TURI, E PREFEITURA PARTICIPOU DA JOGADA

A leitora Emilene Aparecida Gonçalves escreveu a mim relatando uma grave restrição do serviço de transporte público aos usuários portadores do passe livre em Sete Lagoas. Ela explicou que “Serão renovadas as carteiras de passe livre e ao deficiente ou idoso sera intregue uma carteira exclusiva, ou da Turi ou da Cooperselta. E que “Quem tiver a carteira da Turi só poderá usar o transporte da Turi, ou vise e versa.” Ela argumentou que “O direito ao passe livre é uma lei federal (...)” e que Roberto da Turi disse que isso é uma solução para que as empresas possam dividir o PREJUÍZO! Porém questiona “O que o deficiente ou idoso tem haver com isto?”

Diante da gravidade exposta e da consistência de sua argumentação tomei as mãos a responsabilidade de verificar de perto os fatos. E tudo o que ela relatara corresponde ao que está acontecendo. O que significa que estamos diante de uma situação absurda em Sete Lagoas. A cidade está deixando que o transporte alternativo – Cooperseltta – e a concessionária - Turi - restrinjam o direito dos usuários de passe livre em Sete Lagoas. Pior, com anuência que posso chamar no mínimo de técnica por parte Prefeitura. Adiante, para você entender o que está acontecendo.

Para verificar o que estava acontecendo procurei Turi, Coopersseltta e Prefeitura. Reberto gerente geral da Turi me explicou que diante do grande número de usuários de passe livre e um certo descontrole eles e a Coopersseltta se reuniram com a Prefeitura e acertaram que com a renovação das carteiras do Passe Livre haveria como Emilene uma divisão dos usuários entre permissionários do transporte alternativo e a Turi de forma a equilibrar custo. O que foi confirmado por Lea Braga secretária de Assistência Social, que na renovação das carteiras o critério para dividir entre Turi e Cooperseltta seriam a seqüência parar e ímpar da numeração das carteiras.

Assim, como a leitora disse, iniciou-se uma divisão e restrição dos usuários entre um e outro prestador de serviço de transporte. Para ficar mais claro ainda, o usuário com Carteira da Turi ficará limitado ao serviço da empresa e o da Cooperseltta da mesma forma, segundo Roberto.

A Prefeitura no meio disso
A Prefeitura de acordo como a secretária Lea aceitou fazer sua parte no processo quanto a divisão das carteiras entre “A” e “B” usando a seqüência de carteiras “par” e “impar”, mas segundo a secretária o usuário não tem que se limitar a uma outra empresa. Entendimento totalmente diverso do que fui informado pela Turi. Estranho. Por que estão sendo feitas pelo poder público as carteiras especificando uma ou outra empresa no documento?

Está me parecendo uma total ingenuidade ou o poder público está com medo assumir o que fez. Tá muito esquisita essa história. Outra conclusão muito plausível é que a prefeitura aceitou essa proposta por parte das organizações de transporte, mas não quer oficializá-la, porém, omitindo-se, contaria que o usuário iria fazer a opção da empresa de acordo com a carteira, ainda que possa legalmente utilizar as duas empresas. Mais: convenham, é óbvio concluir que o transportador com essa divisão ira criar dificuldades e constrangimento para quem não tiver a carteira especificado a sua empresa.

A secretária Lea Braga que disse que estava começando a tomar conhecimento da restrição aos usuários e reagiu negativamente à prática. Leia disse que numa reunião que vai ter na terça-feira corrigirá isso. Bem, é fato que ao aceitar a segmentação de carteiras sua pasta deu impulso objetivo para o que está acontecendo.

Sim, eu compreendo que pode ter abusos e erros no Passe Livre que precisam ser acertados. E também tenho claro que deve-se limitar os usuários de Passes Livres ao mínimo, atendendo claro todas as pessoas que estão dentro da legalidade, para que não haja descontrole e abusos e um maior número de pagantes faço o preço individual o menor possível.

Quanto a regulamentação, gerenciamento é urgente tomar essa medida em Sete Lagoas e não deve se limitar ao Passe Livre, ao contrário deve se ampliar para reorganização de todo e qualquer transporte público da cidade, até o mototaxi, se for continuado esse serviço na cidade. Porém, tudo deve ser feito pelo poder público municipal. Nada no que diz respeito a concessão e fiscalização deve ser deixando a cargo dos prestadores de serviços.

Refém da Cooperseltta?
Neste sentido, Sete Lagoas tem que assumir sua responsabilidade integral pela gestão dos serviços de transporte da cidade. Muito me preocupa que o governo atual agir sob pressão política e por não ter o devido quadro técnico para cuidar da tarefa, deixando que os interesses dos prestadores de serviço sobreponham ao coletividade. Neste mesmo sentido me preocupa os sinais de que a Cooperseltta esteja construindo normas com o endosso do Executivo que deem a si um poder que não lhe é de direito, em função da sua força política.

A Cooperseltta merece todo o sucesso como qualquer empresa. Afinal seu valor social como qualquer companhia de sucesso é claro: empregos, renda... E ela trás benefícios para os cooperados como melhor organização, redução de custos e muito mais. O que é bom para si e tem impactos positivos enquanto prestadora de serviços. Acho inclusive louvável a ideia do meu antigo amigo Mario que assumiu com competência a presidência da cooperativa, de torná-la uma prestadora de serviços, além do transporte coletivo público e outras idéias inovadoras que tiver para gerar bons negócios. Entretanto, ela não pode tornar-se reguladora e nem fiscalizadora dos seus cooperados enquanto permissionários públicos de Sete Lagoas.


Bem, fiz a digressão que precisava ser feita sobre a Cooperseltta, mas volto ao ponto para conclusão. Reberto da Turi a quem tenho como um profissional muito sério e competente defende legitimamente que haja o máximo de equilíbrio na questão dos Passes Livres. Então que seja feito, mas pelo poder público municipal, sem levar a penalização, constrangimento e prejuízo de qualquer maneira as pessoas que tem o direito legal a gratuidade. Eles merecem todo o respeito e bom atendimento como usuários de direito e seres humanos, além do mais o sistema está custeando o seu passe.