quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Um diálogo que começou de forma surpreendente

Eu poderia omitir o fato que vou contar aqui sob a justificativa que após a ação "impensada e injusta" da pessoa em questão -, qualificações que tomo de empréstimo da Prefeitura que qualificou assim a agressão do Dr. Daniel Caldeira Lima ao assessor do secretário de Saúde - tivemos um diálogo positivo a favor de Sete Lagoas. Mas elas aconteceram em público na frente de muitas pessoas e viriam à tona de qualquer forma. Adiante.

Depois da entrevista com o prefeito que está abaixo o procurei novamente durante o lançamento da Stand do Shopping Sete Lagoas para tratar de... saneamento. Fui direto ao assunto, abordando o Maroca sobre a questão. Ele tentou ser evasivo. Insisti. Aí ele respondeu que não gostaria de tratar daquele assunto justificando que estava em evento de outra área. Persisti. Maroca então já incomodado disse que eu era muito insistente com o assunto. Certo. E eu fiz mais uma tentativa e qual não é a minha surpresa?

O prefeito deixa de lado qualquer diplomacia e para espanto das pessoas ele vem para o meu lado e encosta a mão no meu peito então pensei o assunto realmente o amolou. Qual não é a minha surpresa: ele acusa-me de ter maltratado Ana Luisa, funcionária da secretária de Comunicação. "Você a tratou assim e assim" e prosseguiu "se eu estivesse lá...", não completou a frase. Eu lhe perguntei de onde ele tinha tirado aquilo e sugeri que consultasse então Ana Luisa. Ele então falou que perguntaria a ela. Depois de seu desabafo Maroca baixou a guarda e assim tivemos o melhor diálogo desde quando nos conhecemos.

Foi a conversa mais aberta, sincera e empática que eu e Maroca já tivemos. Ele reconheceu a gravidade do problema da água, e eu pude lhe expor sem rodeios a minha posição sobre o assunto saneamento. Falei sobre o grande fardo que é o saneamento e a oportunidade que ele tem de, resolvendo o problema com uma boa parceria, ainda manter o controle sobre a gestão e ainda conseguir fartos recursos para investir em outras áreas. Mostrei-lhe que ele tem a chance de ser o prefeito que mais investimento fará, se quiser, em toda a história de Sete Lagoas. Mais: como já deixei claro aqui muitas vezes, reafirmei a ele que cobro-lhe públicamente no blog com a intenção de ajudar o seu governo, porque um fracasso completo poderia o populismo tomar o lugar.

Mas volto a questão da Ana Luisa. Me impressionou demais saber que ele forma a sua convicção baseado no que lhe contam. Observem que ele estava resignado comigo porque ele tinha certeza que eu havia maltratado Ana, sem ao menos ter conversado com ela. Bem, sei que aprofundar nas questões não é o seu forte, mas achava que ele tinha melhorado como prefeito nessa questão. Essa atitude pode estar na origem dos problemas que o governo tem enfrentado nos mais diferentes temas. Como líder ele tem que ter conhecimento mais aprofundado das coisas. Por exemplo, o salário dos médicos do PSF foi dobrado, isso certamente foi vendido-lhe como solução para o problema, entretanto, o resultado bem dizer foi nulo, até para o preenchimento das equipes. Quanto mais para solução da saúde. Quer dizer, o prefeito tem que ter uma idéia própria das questões, não pode se basear no que os outros lhe dizem somente.

Quanto a mim e Ana Luisa já tivemos discussões duras, ela como eu tem personalidade forte. Mas apesar disso temos respeito mútuo.

Postar um comentário