sexta-feira, 2 de outubro de 2009

NÃO É VERDADE QUE JÁ FORAM "Liberados R$ 72 mi para captação de água", em Sete Lagoas

Por CELSO MARTINELLI, no Jornal Sete Dias. Leiam um trecho da matéria do jornal que está nas bancas. ESSA INFORMAÇÃO DA PREFEITURA PASSADA A IMPRENSA NÃO ESTÁ CORRETA, EM OUTRO POST ATÉ SEGUNDA MATO A COBRA E MOSTRO ELA E PAU, REVELANDO A VERDADE:

O Ministério das Cidades aprovou o financiamento de R$ 72 milhões junto ao Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) para que Sete Lagoas toque o projeto de captação de água do Rio das Velhas para fornecimento à população. O projeto faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Água, que tem como objetivo acabar de vez com a escassez do líquido na cidade. De acordo com o engenheiro Geraldo Guaraci Rodrigues, coordenador do PAC no município, dentro de 120 dias será concluído o processo de licitação e o início das obras. O prazo para conclusão é até dezembro de 2012.
Atualmente, 119 poços artesianos são responsáveis pelo abastecimento de toda a cidade durante 24 horas ininterruptas. Com a captação, que será feita no município de Funilândia, apenas 40 poços serão utilizados por 16 horas diárias. “Os poços estão saturados, a demanda é grande e não há tempo para a recarga dos mesmos. Quando as cavernas esvaziam, falta água em diferentes pontos de Sete Lagoas”, explica. Segundo Geraldo Guaraci, antes da captação, será necessária a construção de uni anel de distribuição que interligará todos os poços artesianos, tornando a distribuição homogênea. Com custo de R$ 32,9 milhões — verbas também do PAC — o início da obra depende apenas da ordem de serviço do Ministério das Cidades. “Além deste anel, também serão construídos dois grandes reservatórios”, completa.
Segundo o engenheiro, Sete Lagoas não corre o risco de perder ou ter bloqueado recursos do PAC. No dia 30, o Tribunal de Contas da União (TCU) recomendou a paralisação de 41 obras que estão
sendo feitas com recursos do governo federal. Motivo: indícios de irregularidades graves. Treze delas fazem parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). “Todos os projetos estão aprovados e a maioria das obras está em andamento. Somos referência para muitas cidades”, garante Geraldo Guaraci. Mais leia no jornal que está nas bancas.
Postar um comentário