quinta-feira, 4 de julho de 2013

GOVERNO DESISTE DE PLEBISCITO

Sob pressão, governo descarta plebiscito para valer em 2014

PUBLICIDADE
 
MÁRCIO FALCÃO
TAI NALON
DE BRASÍLIA
Atualizado às 12h41.
Sob pressão dos próprios aliados no Congresso, o governo descartou nesta quinta-feira (3) realizar um plebiscito sobre a reforma no sistema político brasileiro para valer nas eleições de 2014.
A ideia que mais ganha força é que seja realizada uma consulta popular sobre a reforma política no segundo turno da disputa eleitoral do próximo ano, com validade para as eleições de 2016.
A decisão foi anunciada pelo vice-presidente Michel Temer e o ministro José Eduardo Cardozo (Justiça) após se reunirem com oito líderes de partidos aliados na Câmara.
O governo nega que haja a construção de um discurso político para tentar uma saída honrosa após ver a proposta do plebiscito para 2014 ser derruba pela própria base aliada.
O vice-presidente, no entanto, admite que o plebiscito possa ser inviabilizado se o Congresso Nacional se antecipar e conseguir aprovar uma reforma política antes da consulta.
"É muito provável até, nós chegamos a discutir isso, o ministro José Eduardo Cardozo discutiu isso conosco, é muito provável que o Congresso Nacional possa vir a formatar um projeto de reforma política", disse. "A força motora de todo esse movimento é a ideia da reforma política e se ela for, digamos, adequada às aspirações populares, quem sabe até não se pensa plebiscito, mas essa é uma ideia descarta no momento", completou.
PLEBISCITO
Dilma sugeriu a consulta popular para 2014 em resposta às manifestações de rua no país e enviou ao Congresso uma mensagem propondo que a população seja ouvida sobre cinco pontos.
O plebiscito sugerido pela presidente discutiria mudanças no financiamento de campanhas eleitorais e no sistema de votação, o fim dos suplentes no Senado, do voto secreto no Congresso e das coligações partidárias para eleições de parlamentares.
A proposta de Dilma esbarrou em duas questões principais: nas reações de políticos que entendem que a presidente atropelou o Congresso ao impor pauta de discussão sem consultá-los e no tempo dado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) necessário para elaborar um plebiscito, que foi de 70 dias. O vice recorreu ao prazo mínimo do TSE para justificar o recuo.
"A esta altura, embora fosse desejável, temporalmente é impossível realizar o plebiscito em 2014". Questionado se a consulta pode ficar para o segundo turno das eleições do ano que vem, Temer respondeu: "o que é inexorável tem que ser aceito".
Cardozo negou que o governo errou ao defender o plebiscito imediato. "Ao contrário: houve uma proposta muito clara pelo plebiscito, que colocou na pauta a reforma política [...] não se pode falar em equívoco quando a presidente coloca uma questão para a sociedade. Os partidos da base seguem unidos na ideia de que o povo deve ser consultado".
Como o PT ficou praticamente isolado na defesa do "plebiscito já", o Planalto costurou uma nova proposta. Com a mudança, o governo deixou para deputados e senadores definirem o prazo da futura consulta.
Segundo os líderes da Câmara, a estratégia é acelerar projetos que promovam mudanças no sistema político. Uma das medidas estudadas é a mudança para coincidência das eleições majoritárias e municipais.
O líder do PT, José Guimarães (CE), disse que a data do plebiscito "é uma questão secundária". Ele negou desgaste para o governo com a mudança.
"Não é uma saída honrosa para Dilma. É uma saída para o país".
Editoria de Arte/Folhapress
+ LIVRARIA
Postar um comentário