quarta-feira, 10 de março de 2010

O SINDÁGUA EM SETE LAGOAS É CORTESÃO

O que era para ser decido em 7 dias foi retardado para 30, UM MÊS. Pior, foi quebrada uma promessa e a reação não podia ser mais áulica, cortezan. Sim, estou falando do desdobramento pós greve realizada dia 25 de fevereiro pelos servidores do SAAE. Com prazo estabelecido para uma proposta da parte do governo de uma semana, o governo pediu quatro dias a mais e apresentaria uma proposta no dia 8. Resultado? Os funcionários do SAAE foram traídos: a única proposta concreta, a criação do Vale Refeição, o governo-direção do SAAE voltou atrás. Colocou no lugar o quê? Nada, apenas mais uma promessa de estudo, a saber: participação no Conselho Deliberativo e segurança no trabalho (que é obrigação e não benefício).

Qual foi a reação do Sindágua? "Falou sobre a dificuldade de convencer os servidores à esperar uma definição até o dia 23/03". Ou seja, mudou de lado, assumindo a tarefa de desmobilizar, "convencer" a esperar. O que é isso quer dizer? O governo está conseguindo o que queria fazer a maior e melhor mobilização da história dos funcionários: virar água.

O erro é que depois de darem mais um prazo e serem enganados eles deram mais.. um prazo. Pra serem enganados de novo? Eles não, mas a categoria de servidores saneamento. Ele, o sindicato, olhando com mais atenção se vê que é o partido, e o partido em Sete Lagoas é governo. Está é a chave para entender a maneira e, principalmente, por quem vem sendo dirigido a discussão.

Vejam isso. O PT controla a CUT, e em Sete Lagoas o partido é integrante do governo e acabou de negociar mais alguns cargos para si dentro do governo. Dessa forma, quem está subordinado ao Ente maior (CUT ao PT) goste ou não obedece as ordens deste. Acho que não preciso me delongar aqui sobre a relação carnal que tem o petismo com a Central Única dos Trabalhadores (CUT), não é mesmo? Mas volto ao ponto. O que é certo é que o movimento que conseguiu fazer o governo se mexer e tinha tudo para ter uma vitória inédita, foi manietado por quem deveria mostrar a força que tem a categoria que trabalha com Saneamento em Sete Lagoas. NÃO era hora de parar sim de avançar com civilidade e determinação. As conquistas estavam próximas não fosse atitude de cortesão do sindicato.

Para encerrar: a foto abaixo onde o sindicato levou um não e ainda saiu para "convencer" o trabalhador a esperar mais, desmobilizando o movimento é o retrato claro de um representante (sindicato) que é empregado e patrão ao mesmo tempo: assim a categoria de Saneamento em Sete Lagoas vai sempre levar menos do que pode a sua força!

Aqui o petismo simbolizado no petralha Flávio de Castro e no Sindágua.

Postar um comentário