sexta-feira, 19 de março de 2010

QUANDO É QUE EU DEIXARIA DE DAR ESSA INFORMAÇÃO? E QUANDO É QUE EU DEIXO DE DAR UMA INFORMAÇÃO. OU: ESTE POST TAMBÉM É SOBRE ÉTICA

Ontem em uma entrevista com o novo secretário de Saúde, Jorge Corrêa Neto, consegui a informação ali junto a ele de que o Governo Maroca pretende, depois de um ano e meio de relutância, aceitar o projeto do Hospital Regional deixado pelo ex-prefeito Leone Maciel (PMDB). Também consegui identificar que o Governo Maroca, agindo de esperteza, pretende aproveitar-se da vinda do governador Aécio a Sete Lagoas para tratar de assunto diverso de sua agenda prévia e fazer um simulacro "inaugural" do Hospital Regional e, dessa forma, apropriar-se do mérito da conquista deste hospital, que não é seu. Uma verdadeira farsa. Vamos aos detalhes.

Depois dessa entrevista com o secretário de Saúde permaneci e participei de uma reunião NÃO como jornalista, mas, neste momento, como sujeito político que busca soluções para os problemas públicos. Disse: "não estou aqui como jornalista", exatamente para deixar claro que o papel do jornalista tinha se encerrado e pudéssemos discutir sem constrangimento as questões, onde faziam parte eu, Leonardo Barros, o líder do prefeito, Marcelo Cooperseltta, o secretário de Saúde, Jorge Neto e o líder do PMDB, vereador Caio Dutra. Alí discutimos o assunto, obviamente, saúde. E por que estou contextualizando essa reunião? Para mostrar que eram momentos e eventos de natureza totalmente distintos, portanto o jornalista ali ficou de fora e nada do que fora discutido eu publicaria. E como sabem os que estavam na reunião, lá existiu informação relevante que eu estou deixando de dar, porque não estava ali, naquele momento, o jornalista, o blogueiro.

Entretanto, eles também não devem tentar confundir as coisas pedir-me o impossível. Como me fizeram o secretário e o novo líder do prefeito. Eles pretendiam que eu não divulgasse a informação recolhida antes na entrevista sobre sobre o Hospital Regional, alegando que isso poderia comprometer o evento que vão tentar fazer aproveitando-se da vinda do governador a Sete Lagoas. "A gente vai tentar fazer um evento para que a gente faça a assinatura formal do convênio pro Hospital Regional". Ou seja, eles querem aproveitar que o governador vem a Sete Lagoas e como disse espertamente fazer um simulacro inaugural e tentar criar um fato político como se a conquista do Hospital fosse um mérito do atual governo. Já estão até ensaiando um "BOA NOTÍCIA", expressão que usou comigo ontem o novo secretário.

Ora, quando é que eu Leonardo Barros, iria me calar diante disso? Nunca ou eu não seria quem sou. E também é claro quem me conhece sabe que não faço isso porque contribui para conquista do recurso para este Hospital, quando propus a ideia de Sete Lagoas transformar-se em Macroregião. Ideia que justificou a decisão político-administrativa para se instalar um Hospital Regional em Sete Lagoas, como reconhece o ex-secretário de Saúde da época, Sr. Geraldo Donizente, em vídeo abaixo.

Ah, claro: fosse algo estratégico para a conquista do Hospital Regional eu faria qualquer coisa dentro dos limites da boa conduta para ajudar, agora, não serei cúmplice da apropriação indébita do mérito, ainda que eu não me tornasse neste caso do Hospital Regional uma das próprias vítimas.
Postar um comentário