sexta-feira, 6 de novembro de 2009

PREFEITO, OUÇA O SEU IRMÃO


Celso Paiva (PT) começou sua exposição na Tribuna da Câmara de Sete Lagoas nesta terça-feira endossando a severa crítica do colega vereador Caio Dutra (PMDB) e concluiu sendo muito mais severo que o colega opositor. Celso fez dura crítica a situação da saúde em Sete Lagoas. O governo "não consegue andar para lado nenhum" disse. Completou falando que as cidades de Diamantina e Pedro Leopoldo oferecem mais procedimentos médicos que Sete Lagoas.

A cada dia mais eu não vejo em Celso Paiva uma tentativa de mostrar que é isento, que não é o vereador irmão. Reconheço nele a sensibilidade verdadeira para com os problemas que o seu irmão não tem. Celso demonstra ter a noção da tragédia que está em curso. E por isso, ele se mostra cada vez mais indignado e impaciente, como o resto da população, que não vê as coisas acontecerem. E não é porque está de fora da administração. O problema é que o irmão que está dentro sempre esteve bem distante dos problemas, delirando com uma cidade, que se bem verdade, nunca existiu, a não ser em sua imaginação.

Meu Deus!, o que falta mais para tocar a sensibilidade deste prefeito? Estão sendo canceladas 1.700 cirurgias/ano. Existi um deficit de 5.000 vagas em creches para crianças. Uma centena de outros problemas que não vou repetir. Entretanto, diante de tantas necessidades ele emprega a capacidade de endividamento da cidade na manutenção da autarquia que satisfaz só o seu ego bairrista, para não pensarmos em outras coisas nem tão republicanas.

Que se registre, o prefeito que não tem a sensibilidade do irmão médico também está cercado de auxiliares que não tem a coragem de lhe dizer algumas verdades sobre o que se passa. Celso que insiste que não é ouvido, parece mesmo ser ignorado e até visto com reserva. Sua empatia com as necessidades e emergências parece incomodar.

Mas, é ele com o seu inconveniente senso que pode fazer esse governo cair na realidade, para não cair. Infelizmente eles devem considerá-lo muito bonzinho demais.
Postar um comentário