quarta-feira, 11 de novembro de 2009

POIS É, ME CONTARAM QUE FUI AGREDIDO, OU NA VERDADE TEM GENTE QUERENDO QUE EU SEJA?

(horário original da postagem 13:13)
Está circulado um comentário que o deputado Márcio Reinaldo (PP) me agrediu ou tentou fazê-lo como me contou que ouviu o amigo Buzu. Verdade ou mentira? Depende, acredite, da percepção. Explico-me. Eu, a suposta vítima, não tinha tido essa percepção de ter sido agredido. Mas, vá lá, que ele, deputado, considere que me agrediu e resolveu passar essa versão. Vamos ao caso.

Sábado retrasado eu e o deputado nos encontramos na Banca do André, próximo ao Hospital HNSG, ao chegar ele bateu em minha cabeça; eu bati na cabeça dele. Não considerei o toque que recebi uma agressão, como também não retribui o gesto como agressão. Mas pelo zum, zum essa não parece ser a mesma percepção do deputado. Apesar do 'cumprimento' passamos a conversar sobre o famoso PAC ÁGUA, por uns 5 minutos, depois ele entrou no carro com Duílio e Cia e saíram, eu fiquei um pouco mais, conversando com André da Banca. E vejam que coisa o André, proprietário da banca, que estava o tempo todo lá me disse que gostava de ver a gente mesmo como adversário dialogar cordialmente.

Entretanto, se é verdade, não sei, que o parlamentar considera que me agrediu ele pode estar certo. Vejam, neste caso eu tenho que considerar que teria apanhado, ainda que ignorasse que sofria uma violência do deputado. Porque nesse caso sua batida em mim, segundo a versão que se espalha e é supostamente referendada por ele, sua intenção então teria sido de me agredir, não me cumprimentar. Estou um tanto surpreso com "a agressão", mas não surpreendido com a versão como se verá a seguir.

A versão funcionaria mais ou menos assim: "podem agredí-lo porque o deputado já o agrediu." Seria a senha, o incentivo. Uma maneira de levar um bajulador desses aí a concretizar o que o deputado não fez, mas quem sabe gostaria que fosse feito, não é mesmo? Seria esta uma maneira indireta dos chefões agirem não se comprometendo? É uma estratégia para me calarem usando um trocha qualquer voluntarioso? Serão eficazes? Quem sabe não encontram algum esbirro para o servicinho... Vejam esse comentário que recebi, porém o endereço da pergunta está errado, tem que ser feita para o Magela Martins, não a mim:

É verdade que o Magela Martins disse que muita gente está limpando a mão na sua cara e que ele também quer limpar? (limpar = bater na sua cara). Quem mais limpou?
Publicar Recusar
Postar um comentário