segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Em carta, Busu diz que PT não participa "deste Governo" e também não tem acesso às decisões

Carta Aberta ao PT de Sete Lagoas e a Comunidade Sete-lagoana

Companheiros e companheiras do PT,
Povo Sete-lagoano,

Amanhã, 24 de Novembro de 2009, Sete Lagoas estará completando 142 anos de sua emancipação. Sem sombras de dúvidas, este será o aniversário mais importante na qual participo em toda minha vida partidária e cidadã.
Isso porque estou inebriado com dois sentimentos. O primeiro é o de “Dever cumprido” e o segundo de “Esperança”.
Dever cumprido, devido ao trabalho realizado pela nossa gestão a frente do PT de Sete Lagoas. Quando assumi o Partido em março de 2006, tínhamos uma situação desafiante, para não dizer desesperadora.


"O Partido não tem acesso às decisões
e aos rumos da atual administração."


Do ponto de vista administrativo, o PT estava com dívidas consideráveis e nossa arrecadação era insuficiente para arcar com nossas despesas. Implantamos um regime de economia de guerra. Cortamos tudo que podia ser cortado para reduzir nossos custos, desde o telefone, até o cafezinho e água da sede.
Do ponto de vista militante, nossos 396 filiados na época, não participavam das atividades e muitos companheiros chegaram inclusive a defender a extinção do Diretório Municipal, retornando assim a Comissão Provisória.
Do ponto de vista da política local, tínhamos apenas o Vereador Claudinei Dias na Câmara Municipal, lutando para defender as bandeiras do Partido e com relação a imprensa, encontrávamos pouco espaço.
Vários desafios estavam chegando. Os maiores de todos eram preparar para a campanha de reeleição de Lula e o Partido para o ano de 2008.
Busquei desde o primeiro dia de meu mandato, fazer o exercício primário de todo líder. Saber ouvir. Foram inúmeras as reuniões com lideranças políticas locais, com militantes históricos do Partido e principalmente com o povo Sete-lagoano.
Com o apoio do companheiro Tchó e sua equipe, conseguimos fazer uma bela campanha para Lula, Nilmário, os demais candidatos do PT e também conseguimos equilibrar as finanças do Partido. Graças a esse trabalho inicial, fui reeleito no final do ano com 96% da votação.
Em 2007, nossa gestão buscou preparar o Partido para as eleições de 2008. Junto com companheiros como Caramelo e Juventino, rodamos a cidade inteira, atrás de lideranças dentro e fora do Partido que pudessem carregar várias bandeiras, como Educação, Juventude, Esporte, Cultura, Saúde e várias outras.
Nesta mesma época, conquistamos o respeito da imprensa local e da sociedade, procurando sempre estar disponível e ouvir o que cada um desejava. Com isso aumentamos consideravelmente o número de filiados, passando para os atuais 543.
Em 2008 o PT optou por uma coligação com o atual Prefeito. Não foi fácil construir essa aliança internamente. Porém com muita luta conseguimos ao final da eleição eleger três vereadores do Partido. Acredito que eles são nosso maior patrimônio, uma vez que as alianças com o executivo, podem acabar com uma canetada, porém os mandatos duram quatro anos.
Nossos vereadores fazem a diferença dentro da Câmara Municipal de Sete Lagoas. Junto com o Bloco PT/PV, estamos conseguir fazer vários debates importantes como Saneamento, Água, Meio Ambiente, Patrimônio Histórico, Saúde e vários outros
Ontem, com a participação de 251 pessoas no nosso PED, me senti completamente realizado enquanto presidente. O PT cresceu em todos os sentidos e conseguiu o que tanto eu desejava. Estabilidade financeira, política e administrativa para preparar para disputar o Poder Executivo em 2012.

"Já se passaram quase 1 ano e ainda não
conseguimos ver as prioridades desta administração."

Parabenizo o novo Presidente Sílvio de Sá e a sua chapa. Espero que estendam a mão aos vencidos, para que juntos possamos construir a unidade partidária e enfrentar nosso maior desafio. Eleições de 2012.
Agora entro no meu segundo sentimento. A esperança, pois mais do que nunca Sete Lagoas precisa do PT.
"A esperança tem duas filhas lindas, a indignação e a coragem; a indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão; a coragem, a mudá-las". (Aurélio Agostinho, Bispo de Hipona (354-430d.C.). Filósofo e Teólogo cristão nascido em Tagaste, no Norte da África. Sua morte, em 430 d.C., marca o início da idade das trevas na Europa. )
Quando formamos a aliança com o atual prefeito em 2008, o PT tinha um único desejo: Implantar suas políticas na nova administração. Porém, até o presente momento, não fomos chamados pelo chefe do executivo para discutir os rumos da cidade.
Temos filiados dentro da administração, porém isso não significa que o Partido participa deste Governo. O Partido não tem acesso às decisões e aos rumos da atual administração.

Aqui vai uma sugestão ao atual Prefeito. É preciso fazer um pacto político em Sete Lagoas, envolvendo todos os partidos da Câmara Municipal, (principalmente com o Partido dos Trabalhadores) a fim de garantir a Governabilidade. E isto envolve claramente a discussão sobre o 1º escalão e a definição direta das políticas públicas com a participação da sociedade.
Sabemos das dificuldades passadas com a crise mundial, com a situação encontrada, porém fomos eleitos para dar conta
. Já se passaram quase 1 ano e ainda não conseguimos ver as prioridades desta administração.
Ao contrário do que afirma a oposição, o PT não é omisso e não será omisso com relação aos problemas da cidade. Com o encerramento deste PED e de uma fase no Partido, estamos inaugurando uma nova época em que todas as questões levantadas serão debatidas e acima de tudo o partido tomará uma postura.
Eleitoralmente falando, todos os filiados têm três desejos comuns. A eleição de um candidato petista a prefeito em 2012, o aumento da bancada do PT na Câmara e a mudança nos rumos da política Sete-lagoana.
Por fim coloco-me a disposição do Presidente Eleito, Sílvio de Sá, para que possamos juntos construir a unidade deste partido e tornar nossos sonhos realidade.

Um forte abraço a todos e que nossos sonhos se tornem realidade.

Cláudio Busu – Presidente do PT de Sete Lagoas
Postar um comentário