domingo, 28 de fevereiro de 2010

COMO É QUE A DILMA NÃO PASSOU SERRA, E AINDA NEM EMPATOU?

É incrível. Como é que a ministra-candidata Dilma Rousseff não passou em intenções de voto o governador de São Paulo, José Serra?

Isto é incrível e só explicável pela falta de magnetismo pessoal da ex-guerrilheira. A Dama de ferro está em campanha há pelo menos 2 anos ininterrupto. A sua doença de câncer ao contrário de fazê-la recuar um pouco foi apenas mais um instrumento do marketing petralha, para supostamente, "humanizá-la".

Pelo país inteiro com dinheiro público, a ministra transformou-se em candidata única em comício pelo território nacional de norte a sul; leste a oeste, acompanhada do cabo eleitoral Lula. Semana passada ela foi lançada pré-candidata do PT. Virou capa das duas mais importantes revistas brasileiras Veja e Época, nas manchetes de jornais ela também reinou absoluta.

Do outro lado José Serra também foi absoluto na mídia, amargou 100% de cobertura politizada pela "mídia" da chuva histórica que caiu sobre o estado de São Paulo.

E nem diante de tal cenário a mulher superou o governador de São Paulo, na pesquisa do

Datafolha que foi a campo nos dias 24 e 25, na sequência do Congresso do PT e da sagração da petista como candidata. Pior, como explicar que ela não alcançou nem o patamar histórico do PT, um terço do eleitorado: 33%. Ela está ainda com 28%. "Enquanto ela não chegar a pelo menos a 33% dos votos no primeiro turno, podem considerar que está abaixo do potencial do partido", diz um dos maiores analistas políticos brasileiros.

Com Aécio, Dilma leva no 1º turno

Há dois fatores que podem explicar, um já dito é a própria Dilma, que é sim um poste no traquejo pessoal, mas o outro fator chama-se: José Serra. Vejam que no "cenário em que o candidato tucano é Aécio e em que Ciro não disputa, Dilma aparece com 34%, contra 33% da soma de Marina (15%) e Aécio (18%). Traduzindo: vitória no primeiro turno." É por isso, que o mineiro Aécio é o competidor favorito para os "Ênios" do PT da vida. Serra os assustam, não porque tem recall eleitoral, mas o tem como ministro da saúde que mais fez pelo brasileiro e este guarda na memória essa boa lembrança do Serra, que nem lançou a sua candidatura, se é que vai lançar.

Quer dizer, o brasileiro resiste a trocar Serra por Dilma, apesar de aprovar Lula. Assim, a resposta as perguntas do título é que o brasileiro resiste a ofenssiva do PT-LULA-GOVERNO e matém Serra na liderança a frente da ministra-candidata, com 32% a 28%, no cenário com Ciro Gomes e 38% a 31%, sem ele.
Só deu Dilma na "mídia": mas o brasileiro resiste a ela

Postar um comentário