quarta-feira, 19 de maio de 2010

FANTASMA NESSA ADMINISTRAÇÃO É O... PREFEITO

A principal constatação que vai chegando quem vive em Sete Lagoas é que a cidade não tem um prefeito de fato. Cadê o prefeito que não cumpre com as funções de representação, formulação, gerenciamento e liderança? E isso não é uma opinião minha é uma... constatação.

Ou onde está o prefeito se este falta a encontros e solenidades que o cargo lhe impõem? Chico Maia em uma entrevista semana passada contou que o prefeito não esteve presente na vinda do secretário estadual de Esporte a Sete Lagoas - ele já tinha faltado ao encontro que o Sete Dias promoveu na UNIFEMM com a presença do mesmo secretário. São inúmeras ausências da principal autoridade de Sete Lagoas, cito mais dois exemplos uma solenidade interna, o lançamento do "Projeto Mais Educação" no ano passado e a visita do pessoal da Expedição pelo velhas 2009.

Se a sua falta a eventos é cada vez maior, a sua ausência é cada vez mais notada na cidade que está órfã de liderança, gerenciamento e formulação. "A coisa está correndo solta" como disse hoje uma das maiores lideranças populares de Sete Lagoas, Juarez Barbeiro. E ele fala por experiência própria depois de ser "contratado" pelo prefeito foi encaminhado para um setor que não havia mínima condição para fazer o trabalho, no caso, o de encaminhamento e assistência ao migrante; quando então dispensou o cargo e pediu para sair, entretanto, insistiram com ele para ficar mandando-o para a secretaria de Esporte, onde ele literalmente iria ficar por esporte. Nada tinha para fazer e nem secretário de fato existia na pasta. Desta feita como ele marcou presença diária na repartição, até que ausência total de atribuição fez lhe recolher e pedir novamente exoneração, fato que ele me contou na época.

Recordo que o Juarez contou-me que foi até o prefeito e pediu para ser liberado, mas o prefeito sempre postergou-lhe a exoneração. Eu mesmo vendo-o em seu salão depois que conversei com ele sobre esse assunto tinha para mim que ele já estava liberado. Mas quê. Até hoje, mesmo depois de ter entregando formalmente a sua carta de demissão há quase um mês o prefeito insiste em não lhe exonerar oficialmente. O prefeito enrolou-lhe não oficializando sua exoneração o que lhe custou a acusação de funcionário FANTASMA, mas como se verá que existe mesmo um fantasma, porém, seu nome não é Juarez, mas prefeito Maroca.

O FATASMA é o prefeito que tem se ausentado da responsabilidade legal até de proceder ato administrativivo e formal de dispensa, preferindo segurar ilegalmente pessoas contra a vontade destas? A situação de Juarez é irregular, mas está claramente evidenciado pelos histórico que ele não era o responsável, mas o próprio prefeito que só o queria sobre controle.

Ou seja, a situação produzida pelo prefeito e sua FANTASMA administração é que está errada, porque sei do esforço do Juarez para sair. Fui inclusive autor de um rascunho de uma carta de demissão que Juarez entregou há quase um mês, após o prefeito não lhe ter dispensado a pedido verbal antes. E mais: que se registre o mesmo aconteceu com outras pessoas, é caso do secretário de Esporte Cláudio Raposo que pediu para sair e pelo que sei se afastou, viajou para Africa e por omissão do prefeito Maroca e contra a sua vontade permaneceu no quadro de contratados por meses, logicamente imagino recebendo compulsoriamente remuneração.

A administração FANTASMA deste senhor Maroca está produzindo vítimas, ele, já está claro, está se lixando para a sua reputação junto ao povo, cuidado deve ter quem não quer macular a sua imagem. Lembro que o mesmo problema - exoneração - só não aconteceu com ex-secretária Maria Lisboa porque ela exigiu a sua exoneração formal, quando o prefeito de FANTASMA administração tentou enrolá-la. Acompanhei de perto. Ela reagiu, exigindo a sua imediata exoneração, que o FANTASMA tentou postergar. "A exoneração é o mínimio de respeito que eu mereço", me disse a professora. Certo.

O problema é que Maroca veio para mamar e acha que todo mundo é como ele e parte da turminha de arrogantes autocráticos amigos, que também estão se danando para o que pensa a população. A parte boa que ainda permanece está envergonhada e cada vez mais incomodada com tudo isso sei bem. Mas encerro com uma frase que tenho certeza que vocês saberão por quem foi dita a mim 2007 e agora tem seu sentido real em prática: "Vamos cuidar da gente Léo, o resto a gente vê como é que fica." Síntese: o eleito desaparece como um fatasma para o homem cuidar de si.

PS.: Está faltando tratar de um outro aí hoje mais tarde cuido dele. Aguardem.
Postar um comentário