quarta-feira, 14 de abril de 2010

"SERVENTE DE ESCOLA MUNICIPAL GANHA MAIS DE R$ 7.000,00"

A presidente da UNSP, Mazinha, denunciou na tribuna da Câmara que tem uma servente de escola municipal recebendo salário de marajá, ela ganha mais de R$ 7 mil. Diante disso a presidente também cobrou dos senhores vereadores abertura da caixa preta que é a folha de pagamento da Educação municipal, para que se conheça o que está acontecendo.

Mazinha tenta abrir a caixa preta que é folha de pagamento da Educação para tornar transparente os potenciais absurdos existentes. Só assim acredita poderá se identificar o que está acontecendo de fato para que na época da database o argumento da administração municipal não se limite a dizer que a "a folha de pagamento está inchada". Supõe-se que além haver gente recebendo muito há funcionários fantasmas ou desviados da função trabalhando em áreas que nada tem haver com o negócio educação.

Não é possível que Sete Lagoas mantenha escondido da população a existência de privilégios absurdos para alguns nobres, enquanto a maioria restante recebe algumas poucas migalhas. Os servidores e a sociedade em geral tem que exigir a abertura dessa caixa preta, que parece esconder escalá-los de porte nacional.

Reação
Diante da denuncia de uma servidora privilegiada que recebe R$ 7 mil, o vereador Toninho Rogério reagiu pedindo que a Câmara toma providência de apurar; Euro Andrade (PP) que preside interinamente a Câmara solicitou que a denúncia seja formalizada por escrito e com o "contra-cheque" da servidora marajá. Acho descabido exigir a apresentação do contra-cheque, até fica parecendo que não se quer investigar.

A apuração e abertura dessa folha de pagamento devem ser feitas pela Câmara independente de se conseguir provas documentais, porque existem evidências fortes de que esconde-se nesta folha verdadeiros absurdos.

Infelizmente diante de tantas evidências temos um governo constituído que se omite e até indica, pela falta de ação, ou de alinhamento com a demanda de transparência de toda a sociedade, que está coligado com esse grupo de privilegiados. Assim, como ele recusou enquanto pode um hospital que iria acabar com reserva de mercado para o Nossa Senhora das Graças; impediu a construção de moradias de qualidade que a Rodobens pretendia fazer; e como disse em reunião não vai mexer em direitos adquiridos. Direitos? Não! Privilégios ilegais estabelecidos por contínuos desgovernos que exerceram sem restrição o velho e nefasto patrimonialismo.

Infelizmente o Governo Maroca não corresponde ao que a cidade demanda porque não veio para mudar, mas para renovar o que sempre esteve aí. Repito não se trata de mudança mas de revitalização da velha forma de gestão com um toque de timidez pessoal do senhor prefeito para despistar a turma. Mas a sociedade está no limite da paciência e começa a reagir como fizeram bem os educadores na sexta-feira passada num movimento que reuniu mais de 300 pessoas e hoje promete fazer novamente bastante barulho na praça da prefeitura a partir das 16 horas, onde vai acontecer a Assembleia Geral.

Encerrando, achei curioso o vereador irmão do prefeito Maroca, o senhor Celso Paiva ao final da fala de Mazinha na tribuna da Câmara lembrá-la (ou constragê-la) de que ela foi uma das principais responsáveis pela grande votação que o seu irmão teve. Bem, acho que Mazinha errou, sim, ao ter apoiado esse prefeito, mas acho que ela também acordou a muito tempo e agora mais do que nunca ela tem o dever de se redimir do equivoco, ajudando a sociedade a reagir a esse desgoverno Maroca.

Postar um comentário