quarta-feira, 28 de abril de 2010

FUNCIONÁRIOS DO SAAE CONSEGUEM APROVAÇÃO DO MERECIDO VALE ALIMENTAÇÃO; INFELIZMENTE O BENEFÍCIO NÃO É PARA TODOS OS SERVIDORES

Ontem figuei muito contente com a aprovação do Benefício para os funcionários do SAAE - do Vale Alimentação de R$ 80,oo . E tive este prazer não porque apoio-os desde o ano passado. O que é bacana é poder colaborar para a melhoria da qualidade de vida do trabalhador, uma causa cívica, que transcende a questão de categoria profissional, a natureza do trabalho e o fato de ser um funcionário público. Afinal pessoas valorizadas e motivadas é um dos pilares de uma economia forte e humanamente saudável.

Essa consciência, creio, ser suficiente para explicar a participação que tenho na busca da valorização profissional, mas existe um outro fator quando se trata de servidores de Sete Lagoas, e esse é mais específico e simples. Eu moro aqui e sonho com uma cidade campeã em qualidade de vida (a capital da qualidade de vida), portanto, quando me engajo numa campanha de valorização direta ou indireta (caso deste Vale Alimentação do SAAE) tenho como norte a melhoria também da cidade.

Portanto, isso explica o paradoxo de eu ser favorável a vinda da Copasa e agir em parceria com os funcionários do SAAE para atender a seus interesses legítimos de melhoria de condição de vida e de trabalho. Aliás, um dos fatos que me faz favorável a estatal mineira é justamente a boa condição, a profissionalização e o preparo dos seus trabalhadores. Dessa maneira melhorar o nível profissional dos funcionários do SAAE é um passo para aproximar o nível dos serviços locais ao da companhia estadual. Sim, a justificativa para a vinda da Copasa para Sete Lagoas vai além da qualificação dos serviços, mas isso é assunto longo e para um outro post. Por enquanto, explico o fato de buscar um SAAE melhor.

Mas para melhorar mesmo, por exemplo, a condição dos servidores de públicos de Sete Lagoas em geral e termos melhores serviços. A equação passa também pela reestruturação administrativa, o combate ao favoritismo, a corrupção e tudo que subtrai recursos do município. Não basta o prefeito dizer que não pode dar um aumento maior ou o servidor cobrar um aumento maior se não houver um pacto da cidade que permita fazer uma reforma estrutural e da decência administrativa. É isso que nós temos que construir como sociedade para fazer Sete Lagoas ganhar um rumo virtuoso, gastando menos com a maquina é mais com investimento na cidade.

Vejam a situação precária dos funcionários da Educação municipal, eles ganham realmente pouco, não têm um plano de carreira e muito menos estão num município que tem um projeto Educacional estruturado. Ao contrário eles não tem nem mesmo um lugar adequado para dar aulas para seus alunos. Cadê as escolas Maroca? Será que não dá para construir pelo menos uma este ano? Bem, já encerrando fico pensando como deve ser constrangedor para os funcionários do SAAE, que tem sensibilidade ver seus primos educadores em condições tão pior que a deles. Ao mesmo que eles estão felizes com o benefício adicional merecido que conquistaram, veem que quem vai educar seus filhos numa condição profissional tão precária. É triste, por isso, precisamos de um pacto porque estamos todos numa mesma canoa e todos tem de estar em condições remá-la para frente nessa lagoa de oportunidades e de desafios.








Postar um comentário