sábado, 19 de dezembro de 2009

PESQUISA ISTOÉ/VOX POPULI PARA PRESIDENTE DEIXA DE TESTAR A CHAPA MAIS PROVÁVEL SERRA/AÉCIO PARA TESTAR A IMPOSÍVEL AÉCIO/CIRO

A pesquisa ISTOÉ/Vox Populi que acaba de ser publicada testou o cenário com "chapas completas" nestes levantamentos ignorou o comunicado oficial da desistência de Aécio e testou a chapa Aécio Neves/Ciro Gomes, mas considerou a sua negativa não oficial de que não vai compor chapa com Serra, para não testar a temida chapa pelo governo petista que uni José Serra e Aécio Neves na disputa para o planalto, como presidente e vice. E aí eu pergunto qual das duas possibilidades tem chances de ocorrer: 1) o inimigo da cúpula tucana, Ciro, vir a ser vice de Serra ou o PSDB unir-se numa chapa puro sangue? E a matéria em que a pesquisa foi publicada segue a mesma lógica torta honrando subjornalismo como nunca antes neste país, como verão.

De autoria de Octávio Costa e Sérgio Parellas a reportagem ignora os próprios dados e fatos e expõe uma versão onde a lógica mínima e o bom senso são as vítimas fatais. Vejam esse trecho onde, acredite, Marcos Coimbra diz que Serra patina nas últimas pesquisas, mesmo ele estando com 46% no cenário mais provável de ocorrer com Dilma Rousseff e Marina Silva:

Coimbra considera que o governador de São Paulo tem patinado nas últimas pesquisas. Serra é disparado o nome mais conhecido da população, graças ao recall de sua passagem pelo Ministério da Saúde, à candidatura ao Planalto em 2002 e também à importância do atual cargo. Mas parece ter atingido um teto, em torno de 40%.

Só mesmo com muita cafajestagem para dizer isso ou estar a serviço do concorrente, como é o caso do comentarista dono da Vox Populi contratada pela campanha de Dilma. Fato que os jornalistas não expõe no trecho da matéria que traz essa opinião que beira o absurdo. Ou senão vejam, diz o dono do instituto, que Serra está patinando nas pesquisas, argumentando que ele é bem conhecido e teria atingido seu teto. Ora, e teto de quanto mesmo? Quase 50% de intenção de votos, ou seja, Serra chega a 46%, e se fosse contar só os votos validos ele estaria com aproximadamente 60%. Quer dizer, ele é conhecido sim, mas desejado pela maioria da população como o próximo presidente. E falemos do tal recall adiante.

Ao desdenhar o recall de Serra, Marcos Coimbra quer transformar uma vantagem em desvantagem. Reparem ele desdenha o recall de Serra como ministro da Saúde e candidato presidente, quando isso são na verdade fatores diferenciais positivos. É histórico que o trabalho de José Serra no ministério da Saúde é um patrimônio seu com alto potencial de crescimento numa campanha. E até a sua candidatura em 2002 é uma força alavancadora como foram as próprias derrotas de Lula que precederam a sua vitória, vai se construindo uma esperança. Assim, da mesma forma que o povo pensou em 2002: agora é Lula; em 2010 está dizendo através de um sem número de pesquisas: agora é Serra.

Mas o dono da Vox Populi, insiste que o recall de Serra "pode ser uma faca de dois gumes". Mas a reportagem só trata do lado negativo. “É complicado se reapresentar ao eleitor. No Nordeste, por exemplo, as pessoas acham que Serra é médico. Na campanha, quando descobrirem que ele não é, pode não ser bom eleitoralmente para ele.” E já potencial de crescimento de Aécio Neves ele diz que é muito maior, por ele ser bem menos conhecido. Mas é claro que é maior o potencial de crescimento do governador mineiro, afinal, ele tem na média das pesquisas menos da metade de José Serra. Desta forma ele tem muito mais terreno potencial para crescer, comparando com Serra, Aécio tem muito o que crescer, por exemplo, para chegar bem alto onde o Serra já está. Por isso, o subjornalismo a serviço do governo promove tanto o potencial de crescimento de Aécio, porque para eles é melhor ter um competidor com potencial de crescimento do que um competidor já grande, não é mesmo?

Mas como os jornalistas estão honrando muito mais subjornalismo que o jornalismo eles estão fizendo um bom serviço para o cliente. Entretanto, a coisa ficou tão escandalosa que o leitor minimamente crítico saberá fazer a leitura correta dos próprios dados objetivos que estão na matéria e são ignorados e distorcidos pelo texto. Ah, para finalizar fiquem com esse trecho que traduz bem a torcida petista e vem até com a opinião "ISENTA" de Ricardo Berzoini, presidente do PT. A que ponto chegou o jornalismo, heim?, vejam:

Acredita-se que, ao entrar na disputa, Serra pode se desgastar rapidamente, o que, mais à frente, forçaria o PSDB a retomar o projeto de candidatura de Aécio para presidente. Em torno de abril de 2010, o governador mineiro retornaria ao jogo sucessório como a salvação da lavoura tucana. Foi exatamente esta a leitura que o presidente do PT, Ricardo Berzoini, fez ao comentar a desistência: “Aécio ainda não fechou a porta. Caso Serra desista da disputa no ano que vem, pode ser que Aécio, sob muita insistência do PSDB, volte como candidato.”


Postar um comentário