quinta-feira, 25 de junho de 2009

Gripe Suína em Sete Lagoas, a Unimed e a Outra Revolução; a dos Serviços


ATENÇÃO!!! NOVO POST: EXPOSETE E GRIPE SUÍNA TRATO DO RISCO DA GRIPE SUÍNA SER TRANSMITIDA DURANTE O EVENTO CLIQUE NO TEXTO LINK PARA LER.

NOVO CASO EM SETE LAGOAS, MATÉRIA DO JORNAL SETE DIAS DE HOJE, 14 DE AGOSTO:
Mulher com suspeita de gripe suína
Celso Martinelli
Encontra-se internada desde a tarde de quarta-feira, no Hospital Municipal de Sete Lagoas, uma mulher de 35 anos. Seu quadro é grave e suspeita-se que ela seja vítima do vírus Influenza A H1N1 (gripe suína). Entubada, ela está na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e passa por terapia intensiva. De acordo com o secretário municipal de Saúde, José Orleans da Costa, a paciente está sendo medicada com Oseltamivir (Tamiflu). Orleans informou ainda que ela tem uma doença que só colabora para o agravamento do quadro. Portadora de Lupus, ela sofre de desequilíbrio do sistema imunológico, o que facilita a ações externas por vírus, bactérias ou outros agentes.
Segundo o infectologista Homero Reis, que acompanha a mulher internada, ela chegou ao Hospital Municipal apresentando febre, tosse e insuficiência respiratória. “O seu quadro piorou rapidamente e foi encaminhada para UTI. Teremos certeza se é Influenza A somente após análise do DNA Viral, que já se encontra na Fiocruz para análise. O resultado pode demorar semanas, tamanha a demanda de serviço na instituição. Na manhã de ontem (quinta-feira) ela apresentou uma ligeira melhora”, conta. De acordo com Orleans, equipe da Vigilância Epidemiológica monitora a família e pessoas que tiveram maior contato com a paciente. Sua identidade está sendo mantida em sigilo.
O fato novo fez com que o secretário de saúde cogitasse suspender eventos em Sete Lagoas. No entanto, foi mantido o grande cortejo folclórico de Sete Lagoas, programado para às 18 horas de sábado. Trata-se da principal solenidade da abertura da 23ª Festa do Folclore da cidade, quando são esperadas mais de duas mil pessoas concentradas na Rua Lassance Cunha. “Não está descartada o adiamento de eventos, mesmo que em espaços abertos. Estamos analisando caso a caso e, dependendo da evolução do vírus em Sete Lagoas, o adiamento é atitude mais adequada como medida de prevenção à doença”, afirmou Orleans.
Em Sete Lagoas foram confirmados dois casos da doença e outros 10 aguardam resultado, sendo o mais grave, o da mulher de 27 anos que está hospitalizada. Os demais se encontram fora de risco. “Mais uma vez, é preciso a mudança de hábito das pessoas. Lavar sempre as mãos, evitar aglomerações. Não é adequado ir a boates, festas em locais fechados. O município vai divulgar um centro de referência para as pessoas procurarem, a fim de descentralizar o atendimento, principalmente no PA Central”, esclarece o secretário. Até o fechamento desta edição, em Minas estavam confirmadas quatro mortes por gripe suína e 17 ainda estão sob suspeita. Das 25 mortes, quatro foram descartadas como vítimas da Influenza A.

Preocupação agora é com gestantes
Primeiro foi grande a preocupação com o retorno dos estudantes às aulas. Agora, as ações são voltadas para as gestantes: para evitar disseminação da gripe suína (Influenza A ou Gripe A H1N1), servidoras grávidas do município vão ganhar licença por tempo indeterminado em Sete Lagoas. A determinação é do secretário de Saúde, José Orleans da Costa, que seguiu orientações da Secretaria de Estado da Saúde. Conforme consta no comunicado, se as gestantes não forem afastadas do trabalho, as mesmas devem ser remanejadas para setores internos que não tenham contato direto com o público, fazendo-se necessária a utilização de máscaras durante todo o expediente.
A recomendação vale também, principalmente, para as professoras. No comunicado, a determinação é que as profissionais grávidas sejam afastadas das salas de aula por tempo indeterminado. As orientações também atingem empresas privadas. Segundo José Orleans, os empregadores deverão remanejar as trabalhadoras para setores internos, onde não tenham contato direto com o público. O uso de máscaras, mais uma vez, também foi aconselhado durante o horário de trabalho. Três óbitos que estão sendo investigados pela Secretaria de Estado de Saúde são de grávidas.
De acordo com a epidemiologista Mirtes Viana, diretora de Vigilância Epidemiológica, o município já recebeu medicamentos – o Tamiflu - da Secretaria de Estado para tratamento de casos suspeitos. Segundo ela, já foram confirmados dois casos da doença na cidade e outros sete aguardam resultado. “As pessoas estão bem, sendo que a maioria ficou confinada em casa por um tempo e já voltou ao trabalho. Ressaltamos que é seguido o protocolo do Ministério da Saúde, onde há determinados critérios para utilização do medicamento e até mesmo a solicitação de exame. É necessário a compreensão das pessoas neste sentido, não é intenção da secretaria deixar de assistir ninguém”, explica.
A diretora da Vigilância Epidemiológica também fez um pedido à população. Segundo ela, é importante que as pessoas não se aglomerem no PA Central, onde a demanda por atendimento é maior. “Solicitamos que as pessoas procurem primeiro os postos de saúde ou as unidades do Programa Saúde da Família. Aglomeração no PA Central não ajuda em nada. Para evitar contágio, servidores da unidade já estão fornecendo máscaras para pacientes que apresentam tosse, febre e dor de garganta enquanto aguardam o atendimento”, finaliza Mirtes Viana.
Clique AQUI ou na Imagem e Acompanhe tudo sobre Sete Lagoas
Novo post 29-07: - Gripe Suína em Sete Lagoas: Homem de 42 anos pode ter morrido infectado pela doença



Caso se confirme que a Unimed de Sete Lagoas diante de um caso suspeito de Gripe Suína não agiu com o senso de urgência avisando as autoridades imediatamente, estamos diante de uma monumental incompetência dessa organização. Segundo se sabe a empresa de assistência médica atendeu na segunda-feira (22) uma pessoa com os sintomas da doença e, acredite, deixou que ela voltasse para casa e somente no dia seguinte, quando foi procurada novamente é que a empresa comunicou a autoridade de saúde do município o caso.
Comercial sobre Gripe Suína de 1976! (Legendado) #Assustador!

Será que esta empresa que trabalha com saúde não tinha se preparado para agir corretamente em relação a essa doença contagiosa? A resposta parece ser não. Repare, leitor, estamos diante de uma pandemia com a doença se espalhando mundo a fora numa velocidade impressionante e temos aqui uma empresa agindo a passos de tartaruga? Santo Deus!

Competência é o conjunto habilidade, conhecimento e atitude e a se confirmar o procedimento imprudente e leniente, faltou pelo menos a habilidade e atitude a Unimed Sete Lagoas.

Tal comportamento é uma evidência de que falta preparo as empresas locais para agirem com rapidez e eficiência em resposta a demanda crescente por serviços de primeira linha. Isso mostra que estamos atrasados não só em infraestrutura em geral mas no grau de competência dos serviços da cidade.
Vejam, não faz muito tempo alguém catava aos quatro cantos que Sete Lagoas vivia uma revolução industrial por causa da chegada de novas plantas industriais. Bem, esse fulano que não me lembro quem é teve sua bobagem encarada como uma verdade. E ao dar credibilidade a esse besteirol atestava-se então um excepcional atraso. Por quê? A revolução industrial aconteceu há quase um século no mundo. Sete Lagoas estaria tão atrasada? Nem tanto não é mesmo?









O muno vive hoje é uma revolução de serviços, seja a empresa um grande fabricante de veículos ou um hospital o que diferencia e assegura vida longa a ela é a competência para prestar serviço. Está é a outra revolução que Sete Lagoas precisa fazer: a de revolução de serviços.

Bem, e fazemos as coisas ou pelo prazer ou pela dor, será a Gripe Suína o impulso para agirmos?









Bookmark and Share






Atualização em 26/06 - 18:08:




Jornal Hoje Cidade
O secretário municipal de Saúde, José Orleans da Costa, convocou a Imprensa na tarde da última quarta-feira para anunciar o registro de dois casos suspeitos de gripe suína na Cidade. Um rapaz de 24 anos de idade, cuja identidade não foi revelada, teve contato com um suspeito de ter contraído a doença em Belo Horizonte. O estado de saúde do sete-lagoano é bom. A segunda suspeita é a mãe do rapaz, possivelmente já infectada em Sete Lagoas. O secretário afirmou que a mulher, de 50 anos, se encontra em um estágio mais agudo da doença, e já recebe, em casa, o tratamento adequado.

Toda a família dos suspeitos está sendo monitorada e foi recomendada a manterse em isolamento. A escola onde estuda o rapaz em Sete Lagoas já foi colocada em alerta, mas de acordo com José Orleans, “como o jovem não apresentou nenhum sintoma da gripe suína, não há motivos para que as aulas sejam suspensas”. Esta medida somente será tomada se o paciente passar a apresentar algum sintoma característico da nova gripe”, afirmou o secretário.

Orleans reafirmou que “não há motivo para pânico na Cidade, mas é muito importante que todos os cuidados sejam tomados para se evitar a proliferação do vírus”. E explicou: “O maior grupo de risco para contágio está em pessoas que viajaram para o exterior, ou que tenham tido contato com estas pessoas. A melhor forma de evitar o contágio é lavar, com frequência, as mãos com água e sabão, e evitar aglomerações”, disse Orleans. Ele também pede que as pessoas que apresentarem os sintomas clássicos da doença (veja quadro) entrem em contato com a Vigilância Epidemiológica. Os telefones são 3773-3042, 3773-4050 ou 9648-5751. A Secretaria Estadual de Saúde também divulgou um número para informações. Qualquer pessoa que apresentar sintoma ou tiver dúvidas sobre a gripe deve ligar para o 0800-283-2255.

Cuidados para evitar a doença:
- Ao tossir ou espirrar, cobrir o nariz e a boca com um lenço, preferencialmente descartável
- Evitar locais com aglomeração de pessoas, principalmente lugares fechados
- Evitar o contato direto com pessoas doentes
- Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal
- Evitar tocar olhos, nariz ou boca
- Lavar as mãos frequentemente com sabão e água, especialmente depois de tossir ou espirrar
- Em caso de adoecimento, procurar assistência médica e informar história de contato com doentes e roteiro de viagens recentes a esses países.
- Em caso de aparecimento dos sintomas, entrar em contato imediatamente com as autoridades sanitárias (3773-3042, 3773-4050 ou 9648-5751)
- Não usar medicamentos sem orientação médica

Tratamento será em BH
O secretário José Orleans revelou que os dois suspeitos de estarem com doença em Sete Lagoas precisaram ser internados. Caso isso venha a acontecer com eles ou com outros suspeitos, a internação será feita em Belo Horizonte, que possui três hospitaisreferência para o tratamento da nova gripe. Ele justificou esta necessidade dizendo que os hospitais de Sete Lagoas não possuem leitos com o tipo de isolamento que a doença requer.

Os medicamentos para o tratamento dos dois suspeitos estão sendo fornecidos pela Gerência Regional de Saúde. Os exames, que poderão confirmar se os casos são mesmo de gripe suína, foram realizados na noite da última quarta-feira. Não há previsão para que os resultados fiquem prontos e sejam divulgados. “Manteremos a população informada sobre todo o andamento do tratamento desses pacientes e sobre outros casos que por ventura venham a aparecer. É nosso dever esclarecer a população para evitar o pânico”.

O secretário contou ainda que os suspeitos estão utilizando máscaras cirúrgicas para evitar que o vírus se espalhe, mas que não há necessidade da população correr às farmácias para comprar e estocar máscaras.

Em Minas – O vírus causador da gripe suína já circula com intensidade por Minas Gerais. Apenas na última terça-feira, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, 17 novos casos da doença foram confirmados em Belo Horizonte. Doze deles apenas entre alunos do Ensino Fundamental do Colégio Marista Dom Silvério. De acordo com nota divulgada pela SES, um aluno foi contaminado pelo vírus na Argentina durante uma viagem no feriado de Corpus Christi. A transmissão aos colegas de sala se deu antes que o menino apresentasse os sintomas da doença. Entre os infectados está a professora.

Até quarta-feira, em Minas Gerais, foram confirmados 42 casos, sendo 19 autóctones (quando a transmissão se dá dentro do Estado, e não somente de pessoas que foram contaminadas pelo vírus no exterior) e 47 são suspeitos. Outras 92 foram descartados, segundo dados da SES. De acordo com o Ministério da Saúde, com os novos casos o total acumulado de infectados no Brasil chega a 334 (números de 24 de junho).

De acordo com o Subsecretário Estadual de Vigilância em Saúde, Luiz Felipe Caram, os mineiros não precisam entrar em pânico, mas é preciso redobrar a vigilância. Ele ressaltou que é fundamental que todos tomem cuidados para prevenir a contaminação. Lavar as mãos e evitar permanecer em locais fechados são algumas medidas importantes para não se conytrair a moléstia. Já o superintendente de Epidemiologia, Francisco Lemos, apontou que, em Minas Gerais, é vivenciada uma situação atípica, pois apesar de terem sido confirmados novos casos, todos os autóctones (transmitidos dentro do Estado) são conhecidos, estão sendo monitorados e os pacientes estão estáveis’’.
















Postar um comentário