domingo, 1 de agosto de 2010

HÉLIO COSTA E O GOVERNO LULA ACABARAM COM A BOA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DOS CORREIOS, O POVO VAI DEIXAR QUE COMPLENTEM O SERVIÇO COM A DONA DILMA? E HÉLIO COSTA VENHA FAZER O MESMO NO GOVERNO DE MINAS?

Abaixo segue a matéria da Revista Veja dessa semana que mostra a "catástrofe" que fizeram com os Correios brasileiros. Uma estatal que antes era orgulho e confiança do brasileiro, hoje é o retrato dos 8 anos de governo Lula: sucateamento geral. É por isso que essa gente não gosta de privatização e sim ocupação pelos partidos amigos do que chamam de público, mas serve apenas aos seus interesses politiqueiros. Quanto tomam conta do patrimônio estatal eles ignoram a população-cliente para apenas se servirem, assim como vimos muito acontecer localmente no Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Sete Lagoas, o SAAE. Nos Correios foi o ex-ministro do Governo Lula e candidato ao governo de Minas que empreendeu a obra nefasta - que agora pode se repetir em Minas se o povo deixar. Leiam a matéria e lembrem-se que isso é Lula e que por traz de toda aparente fartura existe uma bomba relógio da ineficiência, da roubalheira e do fisiologismo escondida que vai estourar na mão do brasileiro, como já começa acontecer com o Correio do Lula, não mais dos brasileiros.

*

Entrega-se catástrofe
As demissões nos Correios são um embuste: mudam-se os nomes, mas a estatal, cujos serviços estão à beira do colapso, mantém-se sob fisiologismo político

Os Correios, estatal que se consagrou como vitrine da corrupção no Brasil, passam pela mais severa crise dos seus 41 anos. Primeiro, o governo Lula fatiou a empresa entre operadores do PTB, do PMDB e do PT. Conheceu-se o resultado dessa gestão compartilhada nas audiências da célebre CPI dos Correios. O que fez o governo após apagarem-se as luzes da CPI? Legou o comando dos Correios aos profissionais: a turma do PMDB. Nomearam-se apadrinhados dos senadores Romero Jucá, Valdir Raupp, Leomar Quintanilha, do deputado Jader Barbalho e de Hélio Costa, ex-ministro das Comunicações. Uma operação da Polícia Federal expulsou os indicados de Jader e Jucá. Os demais permaneceram. E cumpriram o que se espera deles: quatro anos depois, os Correios estão à beira do colapso. Uma em cada quatro cartas chega com atraso ao seu destino. Faltam 10.000 carteiros para atender à crescente demanda do país. Há poucos aviões para transportar cargas. Os Correios tanto agonizaram que, na semana passada, o presidente Lula demitiu o presidente da estatal, Carlos Custódio, e o diretor de Recursos Humanos, Pedro Magalhães - ambos cupinchas de Hélio Costa.

Seguindo a clássica lei da política brasileira, tudo mudou para permanecer onde está. O novo presidente, David de Matos, não tem nenhuma experiência no setor. Foi indicado pela ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, de quem é amigo, e pelo senador Gim Argello, petebista com alma peemedebista – outros próceres do PMDB avalizaram a escolha. Explica-se o afinco do senador: Gim é dono da mais rentável franquia dos Correios em Brasília. E é bom de indicações. Ele conseguiu até um emprego para Israel Guerra, um dos filhos de Erenice no governo de Brasília. Israel, porém ficou pouco tempo no cargo. O novo diretor de Operações, Eduardo Artur Rodrigues, é um lobista do setor de carga aérea. Indicação do senador Quintanilha. O pai de seu ex-genro é dono da MTA, empresa aérea que presta serviços à estatal – e para a qual ele já trabalhou. O novo diretor também já fez lobby para a Total, transportadora mineira de cargas que detém contratos com os Correios e laços de amizade com Hélio Costa.

Pelos reveses nos Correios, Hélio Costa recebeu uma compensação. Conseguiu acomodar seu amigo Jorge Luiz Bastos – empresário de um time de basquete! – numa diretoria da Agência Nacional de Transportes Terrestres. Seja em agências reguladoras, como a ANTT, seja em órgãos do governo, como os Correios, definitivamente não há mais pudores na desastrosa e reiterada opção do governo Lula pelo fisiologismo.

Postar um comentário