terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Maroca pode até ser o Rei da Mediocridade, mas "Rainha da Inglaterra" não é!


Sim, amigos quero tratar de futuro, falar de esperança, mas preciso fazer um registro para ver se algumas pessoas compreendem de uma vez por todas o que o Governo Maroca para Sete Lagoas, neste que é o segundo post de 2010. E não há nada neste texto que não foi dito muitas vezes ao longo de 2009, mas como só muito tempo depois é que alguns vão se dando conta do que é Maroca e sua gestão para a cidade. Aproveito a sua mensagem natalina veiculada em rádio, vocês ouviram?, em que ele, Maroca diz-se satisfeito "por estar fazendo o que sempre quisemos fazer". Bem, neste texto procuro deixar claro que Maroca não é uma "Rainha da Inglaterra" e ele sabe o que está fazendo, com sua estratégia deixar de fazer, não só porque é pessoalmente devagar, mas porque quer fazer andar de vagar a cidade. E o que ele está fazendo? Concluam pelo seu primeiro ano de governo - onde está a infraestrutura, escolas, hospital, postos de saúde, mais empresas???. Segue o texto.

Hoje o Governo Maroca completa um ano e cinco dias, ainda falta mais três anos para acabar é a contagem regressiva já começou pela população arrependida. Essa sensação ruim que o povo experimenta no entanto não permeia o prefeito que na mensagem natalina publicada em rádio afirma-se satisfeito "por estar fazendo o que sempre quisemos fazer". Sua mensagem não podia ser mais inequívoca: o que está acontecendo é o que ele, Maroca, quer.

Bem, diante do tempo percorrido, do que está acontecendo que o prefeito "quer", do paradoxo entre o sentimento de satisfação dele, prefeito, e da revolta do povo e mais do que todos esses assuntos que provocam um gosto amargo na boca, vamos tratar também da última coisa que morre: a esperança, falando de futuro, de exemplos bons e do penoso aprendizado que tem que ter para sairmos desse labirinto de décadas (está parte ficará para outro post), e não só de agora, que aprisiona o povo e não deixa que a cidade alcance o seu fantástico e maravilhoso POTENCIAL de progresso que o cidadão comum vê, mas parte da elite (a medíocre, que não é elite de nada, são apenas carniceiros em por cima da carne seca) insiste em sonegar. Adiante.

"Maroca é de vagar quase parando", é a constatação comum para explicar a inércia da administração Maroca. Mas será que isso explica mesmo o ritmo lento da administração? A coisa pode ser mais complexa. Vejamos, Maroca repete que ele está fazendo o que sempre quis fazer. Desta feita, a explicação para o que esta acontecendo pode estar menos na natureza pessoal do homem que na sua escolha decidida de fazer da forma como estão se dando as coisas. Outro senso comum que merece ser verificado é o que diz quem manda no governo do Maroca não é Maroca, mas o Anastasia, o Aécio, enfim, "o governo do estado é quem manda aqui".

Assim, Maroca seria apenas a "Rainha da Inglaterra" e nessa toada também os secretários agiriam a revelia do prefeito. Bem, acho que ainda há um ou outro aí que pensa isso, mas começa haver uma profunda revisão deste equivoco conceitual quase unanime do começo da gestão. Vereador que antes dizia "Maroca é uma pessoa muito boa, os secretários é que não cumprem com o que o prefeito quer", como o Marcelo da Cooperseltta, agora, já começa a entender que não nada assim, ao contrário como recolheceu vereador dizendo que "falta autonomia". Sim, falta autonomia, diretrizes claras, sobra centralismo no que é importante de verdade. Tenha certo o que acontece ou deixa acontecer na administração é o que o Maroca e grupo íntimo familiar quer e não o que o governo do estado quer, coisa que sempre foi evidente pra mim como sabem.


A mediocridade, a inércia em Sete Lagoas é uma de política de governo para não dizer de governos, trato desse ponto dos governos em outro texto, bem agora é preciso entender de uma vez por todas o que é o governo Maroca para saber reagir a ele.

E a pior forma de reagir a essa gente é isentando-lhes das próprias responsabilidades e culpando, vá lá, o Professor Anatasia. Sim, eles do governo do estado incluindo o professor tem uma grande parcela de responsabilidade pela eleição do Maroca, mas não pela gestão nefasta. E qual governo deixaria de apoiar o seu próprio partido nas circustâncias políticas de 2008 em Sete Lagoas visando a eleição estadual deste ano que chegou. Ah, sim: o tiro pode ter saído pela culatra e certamente o governo Aécio vai pagar o preço por isso, mas ainda assim a responsabilidade pelo de ruim que está acontecendo não é sua, ao contrário até eventualmente o pouco de bom que tem esse governo vem do estado.


Então, muito pior do que ser de vagar é querer ir devagar, querer atrasar o crescimento, parar o desenvolvimento, não realizar assim o progresso potencial. Essa é a política do governo Maroca. E ela é frontalmente contrária ao que o cidadão sonha. Maroca sabemos é saudosista e o cidadão é futurista. E o prefeito também sabemos está satisfeito com o que está fazendo, e reparem ele está fazendo o contrário do que esperava o cidadão em velocidade, projeto... Entenderam? Não atender a expectativa da população lhe é satisfatório. Quer dizer, ele está realizando com gosto o que desgosta o cidadão, sem trocadilho, é literalmente assim que a coisa está acontecendo em Sete Lagoas.
Postar um comentário