terça-feira, 26 de janeiro de 2010

A imprensa de Sete Lagoas começa a se discutir

O editorial que segue em azul é do jornal Canal Livre, de propriedade do empresário Márcio, e tem a assinatura da editorialista Silva Emerick. O texto faz uma crítica a jornais locais, provocando uma necessária discussão sobre como tem se comportado a imprensa sete-lagoana. E num fechamento com chave de ouro cobra uma atitude do recém criado "Conselho de Imprensa", em relação a pertinente crítica que faz. Vale a pena ler.

Concordo em boa parte com a manifestação veiculada em um renomado jornal local sobre os chamados jornais oportunistas que circulam na região, descompromissados com a verdade e de cunho meramente político. São periódicos que divulgam tão somente notícias de seu interesse, mascarando a realidade dos fatos, com intuito unicamente de proteger determinado grupo político ou ofuscar as mazelas administrativas decorrentes da incompetência de certos governantes.

Se recebem alguma "djudinha extra" para isso, não sei, mas curioso é que ou estão sempre elogiando ou sempre criticando determinada administração, comprometendo-se apenas com sua predileção partidária e não com a divulgação da verdade. Em outras palavras, se os proprietários desses jornais são desafetos dos governantes, as notícias são todas negativas, sempre rechaçando a administração pública, mas se na próxima gestão os responsáveis pelo folhetim são asseclas do prefeito, então está tudo bem, a cidade está às mil maravilhas, como num passe de mágica.

E mais, pior ainda são os jornais que estampam em primeira página, fotos de indivíduos recém detidos pela polícia (e sabe-se lá como as conseguem na polícia civil) colocando-os como se já condenados fossem, desrespeitando o direito constitucional de presunção da inocência, antes mesmo de serem julgados. Quer dizer, o próprio jornal já acusa, processa, julga, condena, só faltando executá-los. Realmente lamentável!!! O Conselho de Imprensa local deveria olhar esta questão com mais critério.

Postar um comentário