terça-feira, 8 de junho de 2010

"LEONARDO BARROS DISSE AQUI NA RÁDIO QUE A PREFEITURA ESTÁ QUEBRADA, É VERDADE ISSO MARCELO DA COOPERSELTTA?"

A pergunta acima feita na rádio em tom de deboche e ironia é do profissional de marketing, João Carlos de Oliveira. Ah, por que estou dizendo marketeiro? Porque é assim que ele se define, seu negócio é, sob acordo, zelar pela imagem do protegido que aceitou o serviço. Normalmente é o governo de plantão. Mas vamos ao ponto original do texto: indagação desqualificadora da minha fala em seu programa.

Reparem uma coisa, antes de fazer a pergunta que vai no título, o marketeiro comentou que cada um diz o que quer. "As pessoas são livres para dizer o que quer, você sabe não é Marcelo". Dessa forma a introdução é parte da desqualificação da fala de quem ele quer desacreditar para proteger quem admitiu seus serviços de marketing. No caso proteger o contratante de si mesmo, por que como verão a justificativa para minha fala, vem do próprio governo.

Pela maneira que o marketeiro faz questão de tratar a minha fala, um desavisado que não sabe que o homem está prestando serviço, pensa: mas que sujeito irresponsável esse Leonaro Barros para dizer isso! Acontece que ao invés de fazer jornalismo, sendo fiel aos fatos que eu disse, ele quer, lógico, desqualificar-me para cumprir a sua meta de serviço já vendido ou que quer vender e precisa mostrar... serviço.

Assim, a estratégia é isolar a minha fala tirando-a do contexto. Se o sujeito fosse um jornalista, qual seria sua ação óbvia na entrevista com o líder do prefeito? Questioná-lo sobre a minha fala, mas dizendo tudo. Ou seja, que eu disse o que disse a partir da entrevista reveladora da grave situação das finanças do município, a partir do que expôs um homem forte do governo. Dessa forma, se fosse sua atividade jornalística ele diria. "Marcelo, o Leonardo entrevistou o Rodrigo Paiva que lhe revelou uma situação assim e assim, explique para nós o que é de fato que está acontecendo." Mas fazer isso é jornalismo e o seu negócio é marketing, como ele mesmo já assumiu muitas vezes para mim.

É uma pena que essa atuação mascateira, viciada, não lhe permite usar o veículo de difusão que tem para esclarecer. Muito ao contrário, ao invés disso, procura ocultar um fato, desacreditar quem faz jornalismo, e quem quer as coisas sérias.

E quanto a eu dizer que a prefeitura está quebrada foi a conclusão do óbvio em relação às informações que disse um dos homens mais importantes no governo Maroca, o Sr. Rodrigo Paiva. Que pode ser resumida entre diversas revelações nesta frase "SE EXISTISSE CONCORDATA O MUNICÍPIO ESTARIA DE CONCORDATA".

Acontece que o marketeiro está desesperado com a atuação dos blogs e revelou a um amigo seu temor: "Esses blogs ainda vão acabar com a gente". Portanto, ele está tentando desacreditar esse trabalho para ver se sobrevive com a sua atividade marketeira.
Postar um comentário