segunda-feira, 21 de junho de 2010

EU CONTINUAREI A DEFENDER O QUE PENSO: "NÃO AS SIDERÚRGICAS NA ÁREA CENTRAL"

A tentativa de intimidação para que eu não defenda aquilo que penso para Sete Lagoas atingiu ontem um novo patamar: o da violência. A pressão já tinha chegado muito próximo disso, porém, ontem alcançou tal estágio. O que aconteceu? É o que conto aqui, começando com a idéia que defendo e foi a detonadora do episódio. Vamos a causa inicialmente então.

Defendo como sabem muitos – e está registrado no blog - a mudança das siderúrgicas situadas no bairro Boa Vista para a região da BR 040. A meta é diminuir a poluição direta e indireta - caminhões e etc .- que estas empresas provocam na área central.

Neste sentido, considero a baixa no mercado de ferro gusa com o fechamento de muitos fornos uma oportunidade para evoluir essa discussão. Cheguei a pensar numa transferência destas unidades que ficam bem no centro urbano para os fornos na BR que estão fechados, numa ação concertada com os governos. Não sei se é viável para estes fornos fechados, mas tenho a convicção como muitos que essas siderúrgicas devem sair do bairro Boa Vista – área central.

Bem, por causa da possibilidade de mudança de uma determinda siderúrgica passei a sofrer ferrenha hostilidade, chegando ao ponto de ontem eu ser agredido por parente e funcionário do dono dessa empresa.

Acontece, que eu moro próximo de uma Pizzaria de propriedade de um dos sócios dessa empresa, e depois que explicitei essa visão sobre a necessidade de mudança dessas siderúrgicas até para o próprio dono, a convivência foi ficando cada vez mais hostil com os vizinhos. Senti isso na relação com o empresário, parentes e os seus funcionários, que direta ou de forma sutil deixaram claro que eu não deveria ficar tentando "atrapalhar os negócios dos outros".

E foi isso que me disse ontem uma das pessoas que me agrediram, o cunhado, que trabalha na pizzaria. Ele passou onde eu estava assistindo o jogo do Brasil e discretamente me deu um recado: eu não podia falar em mudar as siderúrgicas de lugar. "Você não deveria falar mais na mudança das siderúrgicas não", deu o seu recado a mim. Relevei a fala e permaneci assistindo o jogo. Aliás, eu só estava no estabelecimento, ao qual tenho evitado, por conta do gerente novo que chegou e é meu conhecido.

Mas o que aconteceu foi que após o jogo, um dos garçons velhos de casa foi até onde eu estava com a desculpa de conferir a minha comanda numa atitude totalmente despropositada e agressiva, e aí eu reagi à forma de abordagem. Então, chegou o cunhado do proprietário e ambos me agrediram fisicamente; eu me defendi. Covardes agiram em dupla, ainda assim defendi-me o bastante para sofrer apenas uma pequena lesão no nariz.

Polícia Militar
A patrulha da PM que passava pelo local chegou no momento. Perceberam a agressão, documentando inclusive na ocorrência a lesão que eu sofri. Os fatos foram registrados na delegacia da Polícia Civil. E eu tomarei as providências contra essas pessoas, e mais, continuarei a defender o que penso, eu não me intimidarei e a ideia da transferência de lugar das siderúrgicas eu a defenderei ainda mais fortemente.
Postar um comentário