sábado, 10 de julho de 2010

INVASÃO DE TERRA É BOM PARA O BRASIL, DIZ STÉDILE. OU: MATAR, ROUBAR E DESAPROPRIAR. O RACIOCÍNIO LÓGICO DOS PETRALHAS.

No Portal Uai
Por Agência Estado


O mais influente dirigente do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), João Pedro Stédile, previu que Brasil viverá um aumento das ocupações de terra se Dilma Rousseff (PT) vencer as eleições e um crescimento da violência no campo caso José Serra (PSDB) seja o escolhido. Ele explica que a intensificação de atos num eventual governo do PT ocorre justamente pelas afinidades históricas entre os dois grupos.

“Um operário, diante de um patrão reacionário, não se mobiliza. Com Dilma, nossa base social perceberá que vale a pena se mobilizar, que poderemos avançar, fazendo mais ocupações e mais greves”, disse Stédile, em entrevista à Agência Reuters.

“Se o Serra ganhar, será a hegemonia total do agronegócio. Será o pior dos mundos. Haverá mais repressão e, por isso, maior tensão no campo. A vitória dele é a derrota dos movimentos sociais”, acrescentou.

Comento - Ailton do Vale, de BH, colaborador do blog.

É de dar nojo a propaganda petista repleta de mentiras que atacam, principalmente, o candidato a presidente José Serra. Segundo Stédile, com o governo Dilma, as ocupações de terra - leia-se invasão de terra -, irão aumentar e, para um sujeito impetuoso como ele, isto será bom para o Brasil. Incrível a capacidade maquiavélica dos petralhas para formularem um raciocínio lógico... Mas o que o dirigente parece esquecer é que são justamente esses 'movimentos sociais' os principais responsáveis pelo aumento da violência no campo.

Como vem alertando o jornalista Reinaldo Azevedo, em seu blog, o governo petista está alimentando o MST com verbas públicas. Infelizmente, o nosso patrimônio é utilizado pelo governo, sem nenhum temor, para financiar um projeto anti-democrático.

Mais uma vez, a esquerda demonstra que tem compulsão pela mentira e, não tenha dúvida, se
Dilma Rousseff for eleita, eles vão rasgar a constituição sem nenhum receio.
Postar um comentário