segunda-feira, 12 de julho de 2010

ALÉM DA "BURRICE"

Virou assunto comum afirmar que Sete Lagoas não vai eleger nenhum deputado por causa do grande número de candidatos. O jornal Sete Dias este final de semana abordou o assunto, em seu Editoral definindo a ocorrência como "Burrice Política". "A cidade fica sem representante pelo excesso de candidatos", afirmou o jornal, que completou a explicação dizendo que "os votos se pulverizam e os concorrentes não conseguem o mínimo necessário para obter um mandato".

A pulverização dos votos, bem como, a "Burrice Política" vai se repetir pelo mesmo histórico de muitas candidaturas da última eleição para deputado, ou talvez até se ampliar. O jornal diz que esse excesso de candidatos é também um sinal de incompetência de nossas lideranças políticas atuais, que não souberam costurar uma aliança em torno de poucos candidatos.

O que eu penso sobre este fato, repetido, até em maior intensidade nesta eleição, é que ele diz muito sobre o que a cidade está se tornando. E que esse raciocínio que reclama a pulverização dos votos de Sete Lagoas, pelo excesso de candidatos, apesar de lógico pode não trazer a reflexão necessária para que a cidade volte a ter representantes.

Explico melhor o que estou dizendo:Sete Lagoas, como já aconteceu antes com as cidades da região metropolitana de Belo Horizonte está perdendo a característica de um município isolado para tornar-se parte de integrante deste conjunto. Com isso, o controle antes exercido pelas "lideranças" que impunham nomes e restringiam candidaturas, é cada vez mais impossível. A própria população começa a deixar de se ver como parte de uma cidade, para sentir-se pertencente a uma região, no caso a metropolitana de Belo Horizonte.

Diante dessa realidade, manter-se preso no raciocínio de que os votos potenciais são os votos do município é equivoco; assim como se reduz drasticamente a possibilidade de costurar alianças locais para candidaturas, que são ou deveriam ser no mínimo de abrangência regional - metropolitana. Prosseguirei em outro post essa reflexão.
Postar um comentário