VISITE ANTES DO LANÇAMENTO PARA CONHECER E ESCOLHER O SEU LOTE

sábado, 24 de agosto de 2013

HORTA NO TERRAÇO, NO TOPO, EM CIMA DE PRÉDIO EM NOVA YORK. OU HORTA URBANA. AH, SIM: NÃO SE TRATA DE MAIS UMA ONG POLITICAMENTE CORRETA, MAS UMA ATIVIDADE EMPRESARIAL COM EMPREGOS FIXOS E BEM REMUNERADOS. PLANTAÇÃO PRODUZ VERDURAS E LEGUMES "ORGÂNICOS".

Horta urbana em topo de prédio produz verduras orgânicas em Nova York

HAROLDO CASTRO (TEXTO E FOTOS), DE NOVA YORK
22/08/2013 15h17 - Atualizado em 22/08/2013 17h05
 
 
Kindle
 Share 
Estou em frente a um prédio no Northern Boulevard, esquina com a 37ª Avenida, em Queens, Nova York. É uma construção alongada, com janelas amplas; seus seis andares são ocupados por escritórios, não por residências. Ainda da rua, observo uma imensa caixa d’água no topo do edifício. “É lá em cima, na cobertura, que está a horta”, afirma meu filho Tamino Castro, que conhece o projeto.
Entramos no elevador e ele aperta o botão R (de Roof), o último. Subimos e a porta se abre. Caminho apenas dois metros e estou cercado de canteiros de verduras. Olho a meu redor e tomo um susto: dezenas de plantinhas verdes surgem de uma terra escura, quase negra.
“Nossa chácara possui 4 mil metros quadrados”, afirma Bradley Fleming, gerente e um dos fundadores do projeto. “Compartilhamos o espaço com dezenas de unidades de ar condicionado, uma imensa caixa d’água, as máquinas do elevador e quartos de depósitos do prédio. Mesmo assim, conseguimos criar 100 canteiros de mais de 10 metros.”
 
 No topo do edifício de Queens, uma centena de canteiros produzem verduras orgânicas (Foto: Haroldo Castro/ÉPOCA)
Tudo começou em maio de 2010, apenas há quatro anos. Duas dúzias de amigos, após negociarem um aluguel de 10 anos com os administradores do prédio, decidiram criar uma horta aérea. Durante algumas semanas de trabalho árduo, impermeabilizaram o teto, construíram um bom sistema de drenagem e levaram 500 toneladas de solo fértil para fazer os futuros canteiros. “A estrutura do prédio aguenta muito mais terra”, afirma Bradley, respondendo se o edifício pode sustentar tanto peso. “Dependendo do que plantamos, temos canteiros com uma profundidade que varia de 20 a 40 centímetros.”
O resultado foi tão positivo que o grupo decidiu replicar o projeto no topo de outro prédio em Brooklyn. Hoje, os fazendeiros urbanos conseguem produzir cerca de 20 toneladas de verduras por ano que são vendidas a restaurantes orgânicos e a famílias que recebem uma cesta de produtos semanais de maio a outubro.
 
Bradley Fleming, gerente da Brooklyn Grange Farm e um dos iniciadores do projeto, prepara cestas para os que participam da cooperativa (Foto: Haroldo Castro/ÉPOCA)
As vendas também estão crescendo durante o mercados semanal que acontece aos sábados. Das 11 às 15 horas, a horta fica aberta a visitantes e ninguém sai de lá sem levar para casa uns tomates, algum pacote de verduras ou um molho de tempero. Tudo orgânico, sem adubo químico e sem pesticidas. “Os produtos para as cestas são prioritários”, afirma Bradley. “Por exemplo, nesta semana colhemos poucas berinjelas, o suficiente apenas para nossos clientes da cesta. Assim, algumas verduras são exclusivas.”
 
A vendedora do mercado semanal oferece pimentões, pepinos e tomates aos visitantes de sábado (Foto: Haroldo Castro/ÉPOCA)
A horta não é uma organização não-lucrativa, mas uma pequena empresa que possui empregados fixos. “Queremos promover esta atividade profissional e pagamos um salário decente aos nossos agricultores urbanos”, afirma Bradley. Desde o primeiro ano a empresa tem mostrado lucro no seu balanço anual, o qual é reinvestido nas duas iniciativas.
Além das doações recebidas, o projeto recebe grande apoio de voluntários. John Castel, morador a poucos quarteirões dos jardins suspensos de Queens, é um deles. Desenhista gráfico durante a semana, ele reserva o sábado para colocar a mão na terra. “É a maneira que encontrei para estar em contato com a natureza”, diz John.
 
John Castel (à direita) e outra voluntária preparam com ancinhos um novo canteiro da horta (Foto: Haroldo Castro/ÉPOCA)

Uma variedade de berinjela asiática é um dos produtos orgânicos oferecidos pela Brooklyn Grange Farm (Foto: Haroldo Castro/ÉPOCA)

Impossível sair da horta sem comprar algum produto. Krishna e Tamino Castro acabam fazendo um piquenique com tomates, pepinos e manjericão orgânicos (Foto: Haroldo Castro/ÉPOCA)


  
Kindle
 Share 

Postar um comentário