domingo, 22 de maio de 2011

ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE 1,5 MILHÃO SÃO INÚTEIS PARA FILTRAR E DESCONTAMINAR Á ÁGUA; MAS POPULAÇÃO COMEÇA A REAGIR

(DATA ORIGINAL DESTA POSTAGEM: segunda-feira, 30 de novembro de 2009, às 04:54)
Investimento de 1,5 milhão em Estações de Tratamento de Água (ETAs) que prometia "filtrar e retirar o excesso de manganês e de ferro existente da água" nos bairros "CDI, Monte Carlo, parte do Montreal, Morro do Claro, São Sebastião, Industrial e Vapabuçú, Progresso, Ermitage e adjacências, fracassa. A prova está aqui (imagem do fundo do vazilhame com água, retirada do filme que está abaixo neste post mesmo) Estes pontos pretos no fundo de um vasilhame é a sujeira que vem na água fornecida pelo SAAE ao Sr. Marco Antônio Perácio, morador do Bairro Montreal. Uma prova que as ETAs não resolveram o problema da água contaminda com ferro e manganês.
A promessa era que a instalação das ETAs, iria resolver o problema da contaminação da água. Assim, como o PAC ÁGUA que promete agora o que não pode cumprir, em dezembro de 2007, o SAAE anunciava que "Essas estações de tratamento de água com capacidade para 260 m3/hora irão filtrar e retirar o excesso de manganês e de ferro existente na água daquela região."

Na época o diretor presidente do SAAE, Dr. Lairson Couto, dizia que essa também era uma preocupação do prefeito Leone Maciel Fonseca: “Nós estamos buscando melhorar não só o atendimento aos usuários, mas também a qualidade da água que eles recebem em suas casas.

Promessa renovada no atual governo
Em fevereiro desse ano o novo presidente do SAAE, Sr. Ronaldo Andrade, anunciou "que após o Carnaval já estariam em funcionamento duas novas Estações de Tratamento de Água (ETA) de Sete Lagoas." Na época ainda revelei que elas não tinham entrado em operação na data prometida. E quando entraram não resolveram o problema da concentração de ferro manganês na água. Um compromisso que outro o engenheiro da autarquia, Antônio Otávio Gontijo, reforçou "com as estações, será solucionado o problema de concentração de ferro manganês destinado aos bairros localizados na região da industrial do município."

Vejamos o que isso mostra, dois governos diferentes garantindo por fim a grave ameaça da água subterrânea contaminada. Isso revela no mínimo: desconhecimento ou o mais provável, estão pouco se lixando realmente para a qualidade da á'gua que a população recebe. Ou será que estes governos não sabem que o tratamento da água do subsolo contaminado para abastecimento de uma grande população é quase sempre ineficiente. Os especialistas da área são unânimes em afirmar isso. O problema é que em Sete Lagoas a população é tratada como animal, e para bicho qualquer porcaria serve, não é mesmo?

Acontece que nós que somos tratados como animais pelos seguidos governos de Sete Lagoas podemos dizer-lhes: NÃO, NÓS NÃO SOMOS ANIMAIS, MAS SERES HUMANOS E EXIGIMOS SER TRATADO COMO TAL, EXIGIMOS RESPEITO. E FOI ISSO O QUEFIZERAM ALGUNS CIDADÃOS DE SETE LAGOAS NESTE FINAL DE SEMANA, QUE SE REUNIRÃO PARA DISCUTIR OS PROBLEMAS QUE TÊM COM O SERVIÇO DO SAAE. ABAIXO ALIÁS VOCÊS PODEM VER O EXEMPLO DO SR. MARCO ANTÔNIO PERÁCIO, QUE NO SABADO PELA MANHÃ EM SUA CASA FALA DA ÁGUA CONTAMINADA (A PRIMEIRA IMAGEM ACIMA FOI RETIRADA DO VÍDEO A SEGUIR) QUE CHEGA A SUA CASA NO BAIRRO MONTREAL E À TARDE ELE VAI LUTA DO OUTRO LADO DA CIDADE NO BAIRRO ALVORADA. (ATENÇÃO PARA ASSISTIR OS DOIS FILMES UM APÓS OUTRO CLIQUE ANTES EM ATUALIZAR NO SEU COMPUTADOR)



Não, não éramos milhares, apenas duzentas e poucas pessoas de alguns bairros como Alvorada, JK, Planalto, São Francisco, Manoa, Carmo, Montreal, Centro... E lá estávamos em um movimento cívico em favor de um direito básico: ter água de qualidade e um bom padrão de serviços. Algo que a maioria das cidades mineiras já têm há muito tempo. Enfim, foi uma importante mobilização inicial em favor da cidadania em Sete Lagoas. São pessoas que decidiram ir a luta e estão fazendo a sua parte.

Bem, volto a questão do investimento nessas duas ETEs. Como diz os especialistas e a lógica elementar o tratamento da água do subsolo é muito complexo ainda mais estando o manancial contaminado como admite as autoridades. E mais: estamos numa região cárstica populosa, onde a penetração de sujeita ocorre com facilidade devido a grande permeabilidade solo. Todo esse risco da água contaminada para a saúde mais ameaça de novos acidentes geológicos com a captação subterrânea e o risco de colapso no abastecimento deveriam ser mais que suficientes para fazer as autoridades terem responsabilidade com a população. Mas isso só aconteceria se elas tivessem respeito pessoas. Coisa inexistente em Sete Lagoas como água de qualidade.

Sr. Marco Antônio Perácio há um mês em matéria sobre a contaminação da água, o problema continua. Mini-ETAs, as da foto abaixo são inúteis.







Postar um comentário