sábado, 15 de outubro de 2011

ENCONTREI UMA MOSCA DENTRO DA MINHA ÁGUA MINERAL LACRADA; E ISSO NÃO É UMA IRONIA


Qual é a nossa salvação para matar sede em Sete Lagoas? Tomar água mineral, não é mesmo? Afinal, água do SAAE é indigesta, pesada, não é tratada e muito menos recebe flúor. A mineral também não. Bem, a maior parte das pessoas que eu conheço não confia na água fornecida pelo SAAE. Mas e água mineral dá para confiar?

"De acordo com levantamento feito em 2002 pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 14% das 190 amostras de água mineral analisadas tinham irregularidades sanitárias", diz o engenheiro Rubens Harry Born a Revista Época, ele especialista em uso e gestão da água. "As contaminações podem ser resultado de problemas na própria fonte ou de embalagens sujas e mal conservadas. Nas lojas, a água engarrafada deve ser armazenada em local arejado, sem contato com o chão e com a luz solar", completou.

Bem, quando o problema está só na estatística a gente nem se preocupa de verdade. Ou procura um pouquinho, sem nem pensar na possibilidade de que a sua água mineral tenha alguma impureza, não é? Repito isso quando está longe, mas e quando acontece com você, o problema está ali - mosca - na sua frente dentro da garrafa, hummm.

Pois, acredite, eu encontrei uma mosca dentro do garrafão de água mineral lacrado, esses de 20 litros. "O que fazer agora", pensei; "não tem para onde correr", disse a Marilza. É.. tenha certeza é uma sensação terrível de impotência. "Fazer o quê?", se água do SAAE não dá para beber e com essa acontece isso?

Bem, isso aconteceu na sexta-feira. E logo que passou um pouco a resignação telefonei para a empresa e solicitei a presença de um representante em minha casa. A pessoa veio constatou o problema e me fez uma declaração do fato e de que o garrafão encontrava-se lacrado. Depois disso deixei ela levar para análise o garrafão e me ressarcir. Trata-se de uma das marcas mais vendidas e respeitadas. E Por que não digo qual é marca? Respondo, a seguir e espero que entedam as minhas razões.

Então, a empresa levou de volta à água eu fui obrigado a pedir outra. Sim, pedi de outra marca, também uma das Top de linha. Agora explico o fato de não revelar qual é a marca. Vamos lá. Neste mesmo dia me telefonou a química da empresa. Atenciosa comigo e demonstrando sincera preocupação em esclarecer o problema, ela, na conversa telefônica, convidou-me para conhecer o funcionamento da empresa - processos. Aceitei seu convite e na segunda-feira viajei para visitar a empresa e conhecer toda a operação. Bem, e por que mesmo não conto qual é a companhia? Já explico.

Chegando a industria de água mineral acompanhado do distribuir de Sete Lagoas a química nos recebeu e me apresentou detalhe por detalhe da operação. E parte da justificativa de não revelar o nome da empresa vem desse conhecimento, a outra de como as empresas lidaram com o problema, falo do distribuidor local, um dos maiores e bem organizados aqui, e da industria que vende água 'que não acaba mais" em Sete Lagoas.

Quanto ao atendimento as empresas não se esconderam, ao contrário correram para o problema e foram absolutamente transparentes. Porém, outro fato que me faz preservá-la é também o me preocupa. Explico. Esses garrafões de 20 litros que compramos, são como todos sabemos reutilizados e este é o grande risco, pelo que ficou claro para mim.

Vejamos. O processo de limpeza dos garrafões tem uma grande participação humana. Quando chegam a empresa são cheirados e visualizados para que se identifique e avalie o grau de sujeira em seu interior, incluindo o odor. Dessa forma dependendo do estado do vasilhame, avaliado pela pessa que verifica-o, ele segue direto para a higienização em maquina ou passa antes de entrar nessa etapa por uma limpeza feita pelos profissionais, que empregam um equipamento operando manualmente.

Entretanto, enxergo no processo de limpeza a principal ameaça água para que água chega a nós com algum problema, seja visível como no meu caso ou impossível de se ver, como uma contaminação qualquer. O problema está na reutilização da embalagem-garrafão retornável. A propósito, estas embalagens foram até alvo recente de preocupação do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), que em setembro soltou a portaria nº 387 estabelecendo prazo de validade dessas embalagens plastíco-garrafão. Quer dizer, reutilização é uma ameança e todas empresas fazem isso, o reenvase. Razão do meu sigílo, somado ao atendimento oferecido pela empresa.

A conclusão que eu chego é que não tem para onde correr. A água pública que pagamos pelo "serviço" não é tratada e, pois, passível de vir com impureza e contaminação; a água privada que compramos é passível de vir impurezas e contaminação. Ou seja, ambas estão sujeitas aos mesmos problemas.

Enfim, sem água pública tratada não tem para onde correr. Fazer o quê?

Essa não é a mosca encontrada


(data original da postagem 25 novembro de 2009, às 5:36)
Postar um comentário