terça-feira, 25 de outubro de 2011

Lula e Dilma fumam o cachimbo da paz e acertam degola de Orlando Silva.

Ontem, Dilma Rousseff e Lula deixaram vazar, intencionalmente,  uma conversa reservada, que teria ocorrido dentro do avião presidencial que rumava para a Amazônia. Lula dizia que"não estão me contando toda a verdade". Dilma dizia que"Orlando não resistiria a uma nova denúncia". Obviamente, estão mandando dizer que os dois estão unidos pela degola do ministro do Esporte. Orlando caiu ontem, quando Lula e Dilma botaram o cocar na cabeça no Amazonas e fumaram o cachimbo da paz. Hoje os três principais jornais do país abrem manchetes de capa, atacando as fraudes no ministério do Esporte. A Folha traz o batom na cueca, uma assinatura de Orlando Silva beneficiando flagrantemente o seu acusador. O Estadão mostra em centro olímpico que não saiu do barro e já consumiu milhões. O Globo informa que o PM acusador articula denúncias novas com mais sete ONGs. Lula e Dilma decidiram, ontem, a queda de Orlando Silva. Dilma queria uma "denúncia nova". Hoje os maiores jornais do Brasil estampam três.

Já começaram as negociações para substituir o ministro... 


A presidente Dilma Rousseff abriu negociações com o PCdoB para a substituição do ministro Orlando Silva (Esportes). Emissários de Dilma já tratam do assunto com integrantes da cúpula do partido, segundo apurou o Valor, apesar de em público a legenda ainda manter o apoio político ao ministro. nUm dos nomes avaliados pelo Planalto e PCdoB é o de Aldo Arantes, comunista histórico, ex-deputado federal e um dos secretários do partido. Mas há dúvidas no PCdoB de que Arantes faça "um desvio de rota" - ele é secretário de Meio Ambiente do partido e tem se dedicado à causa nos últimos anos. 

Uma solução eleitoral seria a nomeação da deputada Manuela D"Ávila (RS), numa composição para o PT indicar o candidato a prefeito de Porto Alegre. Tal cenário, no entanto, ainda é visto como improvável. Até agora, Manuela tem dito que não abre mão de disputar a eleição municipal.nParlamentares petistas também já fizeram chegar a Dilma suas preferências: Flávio Dino (MA), presidente da Embratur, e o deputado Aldo Rebelo (SP). A nomeação de Dino tiraria o ex-deputado da disputa pela Prefeitura de São Luís, onde é um dos favoritos em 2012 para enfrentar o candidato do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP) - seu desafeto e um dos aliados estratégicos do governo federal. 

Já a indicação de Rebelo o desviaria da eleição para presidente da Câmara em 2013, o que facilitaria a execução do acordo de PT e PMDB para a condução de Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) ao cargo. Além disso, o PT acredita que o gesto promoveria uma reaproximação entre o partido e Rebelo, depois de a maior parte dos deputados petistas ter votado contra o ex-ministro das Relações Institucionais na eleição para ministro do Tribunal de Contas da União. ( Do Valor Econômico)
Postar um comentário