sexta-feira, 7 de outubro de 2011

José Serra: “Governo exagera sobre a crise”

Tucano critica gestão de Dilma Rousseff diante de plateia de sindicalistas. E nega que será candidato a prefeito de São Paulo
Adriana Caitano
José Serra durante palestra na sede da Força Sindical, em São Paulo
José Serra durante palestra na sede da Força Sindical, em São Paulo (Marcio Fernandes/Agência Estado )
O ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) criticou, nesta sexta-feira, durante palestra na Sede da Força Sindical, em São Paulo, a postura do governo Dilma Rousseff diante da crise econômica mundial. “Acho que o governo exagera no impacto da crise para ganhar solidariedade interna e justificar os trancos da economia brasileira”, afirmou. Serra foi convidado a falar sobre as eleições municipais de 2012, mas tratou somente de economia. 
Durante a palestra, o tucano censurou a gestão do PT no governo federal e exaltou ações de seu período à frente do Ministério da Saúde e do governo de São Paulo. Recriminou até a visita de Dilma à Europa. “A presidente ainda vai dar conselho e palpite sobre uma situação que está por fora”, ironizou. No entanto, o próprio ex-candidato à Presidência destacou um ponto negativo do modelo econômico europeu. “O maior erro de política econômica do mundo foi a criação e uma moeda única sem fazer ajuste fiscal único”, comentou.
Serra destacou também falhas nas políticas adotadas pela presidente: “Esse plano Brasil Maior [investimento na indústria] é um remendo 'chinfrim' porque tira dinheiro da população para investir em empresas que exportam, ou seja, dá um pontapé na perna e depois coloca anestésico”. Segundo ele, o governo “não soube fazer direito” as alterações no IPI de carros importados. “Foi feito atropeladamente e provavelmente vai ser derrubado na Justiça”, disse. “Se fosse uma coisa profissional, teria subido o imposto de importação.”
As críticas avançaram ainda contra o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Nunca o Brasil se desindustrializou tanto. E o mais curioso é que foi sob o comando de um presidente que veio desse meio”, comentou. 
Eleições - Serra evitou falar de política. Questionado após a palestra por um dos sindicalistas presentes se iria lançar-se candidato à prefeitura de São Paulo no ano que vem, o tucano respondeu: “Não. E estou preocupado com a hora do almoço, vamos encurtar o evento”, desconversou. Em seguida, gastou um bom tempo respondendo a perguntas sobre saúde e habitação.
Ao lado de Serra na mesa estava o deputado federal Paulo Pereira, o Paulinho da Força, presidente da Força Sindical que também é cotado para concorrer a vaga de prefeito pelo PDT, partido aliado ao governo federal. “Sou da base do governo, mas agora acho que sou de oposição, porque você falou exatamente o que a gente tem falado sempre”, brincou o parlamentar, que rasgou elogios ao tucano.
Postar um comentário