quinta-feira, 21 de outubro de 2010

A VERDADE, A AUTÊNTICA VERDADE HISTÓRICA DOS ÚLTIMOS 16 ANOS É, OU SERIA, A CHAVE DA VITÓRIA PARA A OPOSIÇÃO

Admiro muito o Serra, sua biografia pessoal e política. É um sujeito vitorioso e um grande brasileiro, cheio de amor pelo seu país e o seu povo, por quem já fez muito e pode fazer muito mais. Mas há algo de errado que é o que vou tratar neste texto.

O erro ao qual falo é a maneira como o Serra conduz suas campanhas para presidente: a de agora e a de 2002. O equivoco que considero essencialmente comprometedor do resultado é o fato de se fazer uma campanha na base da superficialidade e não na mais pura autenticidade, ou seja, a verdade - nada mais que a verdade.

Vejam, um pouco antes de abrir e ler um artigo no blog de Reinaldo Azevedo, em que ele revela com prova documental que o PT defendeu com gosto a privatização da Vale do Rio Doce feita no governo FHC, eu comentava com uma pessoa próxima sobre meu descontentamento com as campanhas do PSDB para presidente. A minha indignação é com o fato de eles se manterem superficiais. Reclamo especificamente sobre o fato de não recuperarem os acontecimentos do país nos últimos 16 anos para que a população seja exposta ao que aconteceu de bom e de ruim e quem fez o que, sem meias palavras.

Acredito que só assim a verdade autêntica pode vencer e não a mentira, a superficialidade e vigarice possam continuar dando as cartas. No documento, relatório da Comissão de Assuntos Econômicos da Câmara dos Deputados, o relator do PT, o Dep. José Guimarães, faz um documento com argumentos desconcertantes para as teses estatizantes petistas, ora exploradas eleitoralmente, reprovando nesta feita a proposta de se fazer um plebiscito para o povo brasileiro votar a favor ou contra reestatização da Vale. Ele, relator petista, na era do governo petista, defende com excepcionais argumentos a favor a privatização da Vale, do qual Serra, segundo Fernando Henrique, foi grande defensor de seus benefícios para o país, assim como de fato ocorreu e o petralha relator constata como ninguém.

Bem, aí é que vem os elementos fundamentais para que eu NÃO possa compreender o porquê o PSDB, e o Serra, em especial, não baseiam sua campanha na mais pura defesa dos fatos históricos deste período de 16 anos últimos (FHC-LULA), dando a campanha um caráter de franqueza-transparente, nunca antes visto em nossa história. Reparem isso: outro dia conversando com um amigo eleitor de Dilma ele me disse em outras palavras que eu era mal agradecido ao Lula, que tinha, acredite, me possibilitando ter um telefone celular moderno e com muitos recursos, o meu aliás é até bem velhinho com 3 anos de uso, mas o ponto é a modernização da telefonia celular é uma obra de FHC ele creditava a Lula inocentemente.

Desta forma, defendo que apenas uma comunicação que revele os fatos históricos deste período possam assegurar: 1) a verdade venha a ser reposta, com a obra de Fernando Henrique sendo recuperada em sua autoria, hoje, apropriada dele pelo Lula, até na criação do real, estabilização econômica...; 2) Assim o povo exposto diante autêntica realidade poderia tomar uma decisão baseado nos fatos e não nas falsas versões, como ocorreu nas duas últimas eleições presidênciais e tem-se o risco que possa, não esclarecidos da verdade, decidirem, a maioria, baseados na "verdade" das versões vigaristas da situação contra superficialidade medrosa da oposição, que perde a oportunidade de usar a verdade que lhe deixaria em grande vantagem.

É triste ver isso acontecer, não? E temo, porém, não haver mais tempo hábil para que as coisas possam ser tratadas como deveriam ter sido desde 2002, pelo Serra e pelo PSDB, acabando por vermos triunfar a mentira e a superficialidade tão bem representando por essa gente hoje no poder.
Postar um comentário