domingo, 17 de outubro de 2010

IRMÃO DE DIRETOR DA ELETROBRAS NEGOCIA PROJETOS DE ENERGIA - FILHO DA BRAÇO-DIREITO DE DILMA NO MINISTÉRIO COBRAVA POR "TAXA DE SUCESSO" NOS PROJETOS, IRMÃO DE BRAÇO-DIREITO, DIGO, NAMORADO DE DILMA NO SETOR ELÉTRICO TAMBÉM EXIGE "TAXA DE SUCESSO". ESTÁ CLARO: ESSA TAXA É O PADRÃO DILMA PARA OS NEGÓCIOS ONDE PÕE A MÃO

Por Silvio Navaro e Fernanda Odilla, naFolha:
Contrato prevê "taxa de sucesso" se o negócio vingar; Valter Cardeal é homem de confiança de Dilma no setor elétrico
O irmão do diretor de Engenharia e Planejamento da Eletrobras, Valter Cardeal -homem forte de Dilma Rousseff (PT) no setor elétrico -, atua como consultor de empresas interessadas em investir em energia eólica, área que terá R$ 9,7 bilhões em investimentos do PAC 2.
Edgar Luiz Cardeal é dono da DGE Desenvolvimento e Gestão de Empreendimentos, criada em 2007 para elaborar projetos no setor.
O responsável pela gestão do Proinfa, programa de incentivo ao uso de energias alternativas -como a eólica- é o irmão do empresário.
Valter Cardeal é braço-direito de Dilma no setor elétrico há 20 anos. Quando a presidenciável do PT foi secretária de Minas e Energia do RS, ele era diretor da CEEE, empresa estadual de energia.
Ele também preside o Conselho de Administração da Eletrosul, que gerencia a política energética no Sul -onde atua a empresa do irmão.
Edgar oferece a empresas projetos para erguer torres de energia eólica em fazendas cuja locação ele negocia.
Sócio de duas empresas do ramo, Ricardo Pigatto relatou à Folha ter contratado Edgar para investir em três parques eólicos no RS. "Estabelecemos um valor fixo com pagamentos mensais e, depois, uma taxa de sucesso se o negócio der certo."
Pigatto disse que firmou três contratos com Edgar, e que os pagamentos mensais eram para custear estudos que viabilizariam o projeto.
Pelo contrato, a taxa de sucesso sobre o projeto varia de 0,2% a 10% se o governo comprar a energia ou se o negócio for vendido a terceiros.
Um dos parques eólicos, em Pinheiro Machado, está orçado em R$ 1 bilhão. Para esse contrato, firmado com Edgar em maio do ano passado, o pagamento previsto é de R$ 84 mil em 23 meses. Leia íntegra

"ÉPOCA"
O banco KfW, controlado pelo governo alemão, entrou com ação contra a CGTEE, empresa de geração térmica subsidiária da Eletrobras.
Segundo a revista "Época", na ação o banco acusa Valter Cardeal de ter conhecimento de fraude na construção de usinas de biomassa no Sul. A Justiça Federal abriu processo sobre o caso, mas não incluiu o diretor.
Postar um comentário