sexta-feira, 8 de junho de 2012

A POLÊMICA DA SERRA DE SANTA HELENA E O PODER REAL EM SETE LAGOAS - CAPITULO I

É verdade que é ficou grandinho o texto, mas com um pouquinho de paciência se chega ao fim com prazer e se chega principalmente a alguns entendimentos sobre o que está em jogo em Sete Lagoas. Posso assegurar que é uma viagem interessante e acaba com gostinho de quero mais. Vamos lá?

Caráter, Idoneidade e Honestidade é isso também que está em jogo nesta discussão para instalação do Condomínio Boulevard no entorno da Serra de Santa Helena. Já digo porque, antes me permitam uma digressão lateral que contribui para a compreensão do nosso espírito de negócios. Empreender e gerar riquezas em nosso país é uma tarefa árdua por conta do ambiente hostil ao investimento e a produção, além de ser algo visto com preconceito, analisado com desinformação e tido como ganancioso, principalmente, pelos socialistas de resultado. Esses seres do discurso politicamente correto em público e práticas incorretas, desonestas, quase sempre em privado. São conhecidos também como burgueses do capital alheio, porque o patrimônio é de outros, mas eles o sequestram, usando de um conjunto de vigarices para tomarem de terceiros o direito que não lhes pertence. Para execução a tarefa nos dias de hoje eles costumam posicionarem nas trincheiras do meio ambiente. Dito isso que precisa ser falado eu volto ao ponto.

Eu ia dizendo que existem um conjunto de valores que estão em jogo no processo do condomínio Boulevard. Tal contatação se pode fazer pelo simples fato de que existe neste antagonismo de posições alguém faltando com a verdade. Tenho acompanhado os dois lados e não com isenção, porque eu tenho interesse declarado desde sempre, a aceleração do crescimento que gera a tão, da boca pra fora, malfada riqueza. E aqui eu me dou ao direito de fazer um juízo de quem é mais idôneo e quem não é, porque de mim o leitor cuida de fazer o mesmo avaliando o que me leva as conclusões e me julga. Falemos dos fatos.

Tenho acompanhado essa questão a um bom tempo e é óbvio que os diferentes atores têm interesses envolvidos. E ter interesse não é nenhum pecado em si, agora, a depender do interesse e do caminho para alcançá-lo se pode ver se está diante de alguém de caráter ou diante de uma prática do maucaratismo. Sabemos que os proprietários da fazenda Arizona e Construtora EPO são os empreendedores do negócio. A secretária de Meio Ambiente e a população em geral até neoambientalistas compõem personagens deste enredo. 

É muito legítimo que a população envolva-se para defender o que seu interesse ou pelo menos pense seja seu melhor interesse. Nessa mobilização, entretanto, existe sempre a mediação que pode conduzir a população a lutar por boas ou más causas. E aí eu pergunto o poder público local em conjunto com seus aliados de momento estão contribuindo para que a sociedade evolua e lute pelos bens prioritários que a cidade carece? Eu tenho sérias dúvidas e as divido com vocês. 

É sabido que a cidade tem uma série de distorções e entraves que limitam o seu progresso e qualidade de vida. Posso citar como um dos exemplos práticos disso a necessidade de revitalizar e disciplinar a área central da cidade fazendo mudanças estruturais que vão tornar o centro mais humano fazendo, para citar um exemplo, as mudanças que precisam serem feitas na av Emílio de Vasconcelos Costa para tornar esse espaço mais agradável, atraente, recuperando o seu público consumidor. E se tem consciência que uma intervenção estrutural no conjunto do centro é motivo de muitas resistências, porém, se o poder público tiver um bom projeto, ele for bem negociado com a cidade e levado a cabo se poderá conseguir um benefício excepcional para coletividade. Ainda assim haverá muita resistência para sua implementação e neste ponto o poder público poderia usar o seu poder de mobilização para superar as resistências puramente de cunho particularistas, mesquinhos e fazer o que a cidade precisa fazer neste aspecto estrutural.

Entretanto, a pauta é outra, é não deixar que a Serra de Santa Helena seja loteada pelo Condomínio Boulevard. Mas aí está a falsa questão: o poder público de plantão e seus cupinchas sabem que isso não vai acontecer. Se eles tem consciência disso por que lutam de forma tão vigarista contra um negócio que não vai afetar como dizem o meio ambiente natural da Serra? Justamente porque a falsa questão é um mobilizador fácil de corações e mentes distraídas pelo discurso politicamente correto. Neste sentido não tem como não ser flagrante a má fé do poder público que cuida do meio ambiente em Sete Lagoas hoje ocupado pelo esquerdismo e fortemente influenciado pelo ongismo e por guardiões do atraso como sr. Flávio de Castro. 

Essa gente durante o governo inteiro do Maroca foi a mais nefasta influência de que contou o PSDB local, o petismo/esquerdismo, aliás, sempre espreita para se apropriar de fartas parcelas do poder em Sete Lagoas alcançou êxito nos últimos três governos. De Ronaldo Canabrava passando por Leone Maciel a Mário Marcio eles sequestram e impuseram a sua agenda aos governos que chegaram sem ter uma pauta clara do que fazer, acabaram na mão do petismo que já entendeu que a melhor forma de estar no comando em Sete Lagoas não é disputar a eleição, mas tomar de assalto para si os governos de plantão, que o digam essas quatro estrelas local do partido: Flávio de Castro, Ênio Eduardo, Fabio Nepomuceno e Busu. "Ah, Léo, mas Flávio, Fabio e Ênio, não são mais petitas!". Sei... É eles são apenas companheiros na causa esquerdalha. É fato que eles saíram do PT, mas o petismo nunca os deixou. Ou cego não samos e cumpanheirada esquerdista tá toda aí.

O que tá faltando é governante que saiba o que precisa ser feito e diga não a essa gente que engana alguns distraídos. É preciso enfrentá-los e combatê-los fortemente essas figuras do atraso e não o contrário como fazem os governos que chegam sem ter uma agenda clara para o município e o seu papel regional, estadual e muito mais e acabam por não saberem direito ao que vieram abrindo espaço para essa turma da pesada, que tanto atraso tem provado em Sete Lagoas. E para contextualizar ainda mais o que falo tratarei de dois Flávios, e suas causas concretas para Sete Lagoas, um tem se esforçado a olhos vistos para ajudar a cidade a avançar o outro vive a anos fazendo o contrário. Vocês conhecerão concretamente causas atuais de cada um poderão concluir a questão que abriu este texto: "Caráter, Idoneidade e Honestidade é isso também que está em jogo nesta discussão para instalação do Condomínio Boulevard no entorno da Serra de Santa Helena", e se fecha com o próximo que eu prometo e estou sedento de fazer. Até breve.
Postar um comentário