VISITE ANTES DO LANÇAMENTO PARA CONHECER E ESCOLHER O SEU LOTE

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

É VERDADE OU MENTIRA QUE AÉCIO AGREDIU NAMORADA?

Com a palavra Letícia Weber, a namorada de Aécio. É ela quem pode responder. O seu silêncio é o mesmo que uma resposta afirmativa sobre o suposto episódio. Que namorada deixaria "o bem" sofrer uma calúnia dessas, sem fazer nada? Mais: que mulher é essa que deixa de ser solidária, com o namorado, um homem público, que depende da boa reputação, e estaria sendo alvo de campanha difamatória? "Ah, mas ela também pode falar e mentir dizendo que não houve nada para ajudar Aécio." Sinceramente, não acredito que faça isso. Corre o risco de ser desmascarada.

Bem, é fundamental que Letícia desminta o fato, se for falso. E rápido. Ela ajudaria muito o namorado que está sendo bombardeado, pelo que o colunista Lauro Jardim decretou, trata-se de uma de campanha insidiosa de boatos que visa a atingir o governador. "Baixaria de campanha", disse. Eu quero acreditar que Aécio Neves (PSDB) não tenha agredido a namorada. Mas não posso defendê-lo, ninguém pode, a não ser Letícia. Se não o fizer, hummm....


ATUALIZAÇÃO 17-10-2014
Combatendo a exploração do boato contra Aécio: "e verdade que aecio agrediu namorada?", questionam-me hoje novamente insistentemente. Do que se trata isso? O PT explora o boato que circulou em 2009 de que Aécio Neves teria batido na então namora, a Letícia Weber, HOJE SUA ESPOSA. Ao fatos, a origem desse boato foi divulgada por Juca Kfouri. A coisa se espalhou como um rastilho de pólvora na rede. Na época o meu blog era um dos mais ativos da internet em assuntos públicos e políticos, assim tratei do fato (veja texto abaixo) e nas pesquisas sobre o assunto feitas no Google na época meu blog aparecia na primeira colocação. Eu recebia milhares de vistas e comentários dos leitores diversos a respeito. Então eu disse o óbvio (está abaixo): a única forma de acabar com o boato era um desmentido de Letícia. Ela levou uns três dias para negar o acontecido, mas o fez. Nunca surgiu qualquer prova da agressão, mas restou o boato que os petistas tentam requentar agora na boca da urna prejudicar Aécio e desviar à atenção do povo para suas monstruosidades essas crimes gravíssimos até de morte como a morte de Celso Daniel. Elles, os petralhas, dizem inclusive que sexta-feira tem uma bomba contra Aécio, bomba ou não, elles estão fazendo terrorismo para desestabilizar Aécio. Segue texto de minha cobrança a Letícia e o link com seu pronunciamento à época.

AGORA, VOCÊ SABIA QUE O LULA TENTOU ESTUPRAR UM COLEGA DE CELA (O MENINO DO MEP) QUANDO FICOU ENCARCERADO POR 31 DIAS? NÃO? ENTÃO VEJA O ARTIGO NA FOLHA DE SÃO PAULO PARA CONHECER UM POUCO MAIS QUEM É LULA. 


ABAIXO OUTRA MATÉRIA SOBRE A TENTATIVA DE ESTUPRO DE LULA:

O MENINO DO MEP. OU: SILVIO TENDLER PARA MINISTRO DA PIADA

Algumas conclusões se podem tirar do caso “Menino do MEP”. A primeira e mais óbvia é que o Lula não poderia mesmo processar César Benjamin: a conversa aconteceu. Se o publicitário Paulo de Tarso, aquele que tem contrato de R$ 300 milhões com o governo, disse que não se lembrava do fato e discordava do “conceito” (???) do texto de Benjamin, o cineasta Silvio Tendler, numa entrevista extremamente agressiva, atacando o articulista, confirmou o relato. Só que ele diz que tudo não passava de uma “piada”. Já volto a esse ponto. Sigamos nas coisas que são dadas. Outra evidência é que Franklin Martins, desta vez, perdeu o rebolado: mostrou-se perdido, sem reação possível. E, bem…, ficamos sabendo que o “Menino do MEP”, afinal de contas, existiu.
Voltemos agora a Tendler, já que sua entrevista se tornou uma chave para entender essa história. Em entrevista a um site, afirmou o valente, atacando César Benjamin:
“Era óbvio para todos que ouvimos a história, às gargalhadas, que aquilo era uma das muitas brincadeiras do Lula, nada mais que isso, uma brincadeira. Todos os dias o Lula sacaneava alguém, contava piadas, inventava histórias. A vítima naquele dia era um marqueteiro americano. O Lula inventou aquela história, uma brincadeira, para chocar o cara… Só um débil mental, um cara rancoroso e ressentido como o Benjamin, guardaria dessa forma dramática e embalada em rancor, durante 15 anos, uma piada, uma evidente brincadeira…”
Fazendo documentário, Tendler parece bem melhor em matéria de ficção. Eu não sei se Lula tentou estuprar ou não o “Menino do MEP”, o que sei, agora com certeza, pela voz de um amigo e defensor, é que ele disse que tentou. Segundo Tendler, era uma piada, que Lula fazia para chocar o americano, a “vítima do dia”. Huuummm… Quem será que vertia para o inglês a “história engraçada”? A propósito, Tendler fica nos devendo uma explicação: por que aquilo era engraçado? O que há de graça numa tentativa de estupro, ainda que fosse inventada? E por que a “vítima” era o americano? E, bem, não custa informar: outras pessoas já ouviram esse mesmo relato. Parece que há certa predileção por brincadeiras dessa natureza e sempre com a mesma personagem: o “Menino do MEP”.
Alguns homens são dados a conversas meio cafajestes. Mas saibam as mulheres que não são usuais relatos, mesmo inventados, de tentativa de “pegar” um “companheiro”. À força, então, é absolutamente impensável até como piada. Eu nunca ouvi. Não tive esse estranho privilégio de Tendler. Acho que a esmagadora maioria dos leitores não tem notícia de algo parecido. Admita-se que, num rasgo de humor à moda Lula, ele tivesse dito algo como: “Pô, eu tava lá sem mulher e tentei pegar um companheiro, mas ele resistiu…” Ok, piada, todos ririam — lá entre eles, claro! Vocês sabem: esse tipo de coisa que provoca gargalhadas em Silvio Tendler.  Mas não! A história tinha uma personagem, que efetivamente estava na cela: o “Menino do MEP”. “Menino” que outros presos também tinham na memória — especialmente os próximos a Lula. Um sindicalista lembrou, 29 anos depois, que o agora presidente acertou uma bolada de basquete no rapaz. Outro sabia seu nome. Um terceiro tinha em mente suas características físicas.
Assim, resta evidente que Cesinha narrou a verdade em seu artigo. O máximo de que pode ser acusado é de não ter aquele refinado senso de humor de Silvio Tendler, que gargalhou ao ouvir que o interlocutor tentara estuprar alguém na cadeia. Por alguma razão, a coisa lhe pareceu engraçada.
Num outro trecho de sua entrevista, indaga o cineasta: “E você acha que, se isso fosse, soasse, verdadeiro, todos nós não ficaríamos chocados? Todos ali da esquerda, com amigos presos, ex-presos e tudo mais, você acha que nós ouviríamos aquilo com tom de verdade, se assim fosse ou parecesse, e não reagiríamos, não ficaríamos chocados?”
Que coisa! Chocado estou eu! Vejam que moral superior tem o esquerdismo! “Como homens de esquerda”, eles ficariam chocados porque os amigos — também de esquerda, entende-se — estavam presos.  Compreendo. Se a pessoa “abusada” fosse “de direita”, isso faria alguma diferença? Mais: por acaso, inexistem molestadores de esquerda? Aí não dá! A moral de muitos esquerdistas condescende com milhões de cadáveres. Por que não poderia condescender com um estupro? Lula até podia estar brincando, como assevera Tendler, mas a suposta superioridade moral da audiência não tem nada a ver com isso. E não posso deixar de reverenciar, uma vez mais, a memória de Tendler para as piadas de Lula. Trinta anos depois, tem a história e as circunstâncias na ponta da língua.
Os petistas passaram os últimos dias, entre indignados e perplexos, tentando arranjar uma boa justificativa para a coisa toda. A mais desastrada, acho eu, é a de Silvio Tendler. Mesmo pessoas que não são ligadas ao partido falam em “baixaria”, perguntam se faz sentido publicar aquele artigo e indagam se não há mistura entre vida privada e vida pública. Se eu considerasse tratar-se de assunto pessoal, seria o primeiro a ignorar o caso.
Ocorre que isso nada tem de “pessoal”. Quase todos os presos que estavam naquela cela  — Lula inclusive — recebem pensão como vítimas da ditadura militar. A do presidente, sem dúvida, é a mais indecente. Aquele evento ajudou a criar a rede de mistificações que deu a Lula a Presidência da República, trajetória que será coroada com o tal filme. São os próprios esquerdistas que sustentam que se construía lá uma parte da história do Brasil e da moral profunda do “presidente operário”. NÃO HÁ RIGOROSAMENTE NADA DE PRIVADO NESSE IMBRÓGLIO. Nada!
Quem mantém certa relação privada, mas aí é com o filme, é Silvio Tendler, tio de um dos roteiristas, Daniel Tendler, que é casado com Júlia Barreto, filha de Fábio, diretor de “Lula, O Filho do Brasil“.
Eu sei que os neo-aristocratas brasileiros ficam irritados com o fato de haver quem entenda que o Brasil é uma República, não lhes concedendo os direitos especiais de que gozavam os antigos aristocratas. Pois é! República é assim mesmo: existe para expor seus podres continuamente. E o faz para que possa continuar a ser uma República.
Lula deve nomear Silvio Tendler para o Ministério da Piada e da Gargalhada.
Por Reinaldo Azevedo

"Triste e abatido"

Em artigo publicado na Folha, um esquerdista histórico afirma
que Lula tentou subjugar um rapaz quando estava na prisão. 
O presidente ficou perplexo

Fotos Niels Andreas/AE e Reprodução
O QUE É ISSO, COMPANHEIRO?
Benjamin e Lula, em 1980, quando foi fichado: o "menino do MEP" seria João Batista dos Santos

A um mês da estréia de Lula, o Filho do Brasil, surge um depoimento que contrasta fortemente com o filme de contornos hagiográficos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na sexta-feira passada, o jornal Folha de S.Paulo publicou um artigo que deixou de olhos arregalados todos os que o leram. Intitulado "Os filhos do Brasil", o texto é assinado por César Benjamin, um dos mais célebres militantes da esquerda brasileira. Entrou para o movimento estudantil ainda adolescente. Por sua militância política, ficou preso por cinco anos e foi expulso do Brasil em 1976. Quando voltou, empenhou-se na fundação do PT, do qual se desfiliou em 1995. Em 2006, foi candidato a vice-presidente pelo PSOL. Hoje, está sem partido. Cesinha, como é conhecido, relata o que teria sido uma revelação devastadora feita por Lula a ele em 1994.
Na ocasião, o petista iniciava sua segunda campanha a presidente. Benjamin estava na equipe de marketing do candidato. Ele relata: "Lula puxou conversa: ‘Você esteve preso, não é, Cesinha?’ ‘Estive.’ ‘Quanto tempo?’ ‘Alguns anos...’, desconversei (raramente falo nesse assunto). Lula continuou: ‘Eu não aguentaria. Não vivo sem b...’. Para comprovar essa afirmação, passou a narrar com fluência como havia tentado subjugar outro preso nos trinta dias em que ficara detido. Chamava-o de ‘menino do MEP’, em referência a uma organização de esquerda que já deixou de existir. Ficara surpreso com a resistência do ‘menino’, que frustrara a investida com cotoveladas e socos". Segundo Benjamin, o diálogo foi presenciado pelo publicitário Paulo de Tarso da Cunha Santos. O publicitário, cujos contratos com o governo federal montam a 300 milhões de reais, negou em nota lembrar-se do episódio.
Por liderar greves no ABC paulista, Lula passou 31 dias preso no Dops, em São Paulo, em 1980, com outros sindicalistas. VEJA ouviu cinco de seus ex-companheiros de cela. Nenhum deles forneceu qualquer elemento que confirme a história de Benjamin. Eles se recordam, porém, de que havia na mesma cela um militante do Movimento de Emancipação do Proletariado (MEP). "Tinha um rapaz com a gente que se dizia do MEP. Tinha uns 30 anos, era magro, moreno claro. Eu não o conhecia do movimento sindical", diz José Cicote, ex-deputado federal. "Quem estava lá e não era muito do nosso grupo era um tal João", lembra Djalma Bom, ex-vice-prefeito de São Bernardo do Campo. "Eu me lembro do João: além de sindicalista, ele era do MEP mesmo", conta Expedito Soares, ex-diretor do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. O João em questão é João Batista dos Santos, ex-metalúrgico que morou e militou em São Bernardo. Há cerca de três anos, ganhou uma indenização da Comissão de Anistia e foi viver em Caraguatatuba, no Litoral Norte de São Paulo. Por meio do amigo Manoel Anísio Gomes, João declarou a VEJA: "Isso tudo é um mar de lama. Não vou falar com a imprensa. Quem fez a acusação que a comprove".
O Palácio do Planalto reagiu com indignação, qualificando o relato de Benjamin de "loucura". O chefe de gabinete de Lula, Gilberto Carvalho, disse que o artigo de César Benjamin era ato de um "psicopata". Carvalho afirmou também que Lula havia ficado "triste, abatido e sem entender" as razões que levaram o militante histórico a fazer um ataque tão destruidor contra sua honra.
Postar um comentário