quinta-feira, 24 de novembro de 2011

FELIZ ANIVERSÁRIO SETE LAGOAS!

Sete-lagoano de nascimento ou de coração feliz aniversário! Hoje como sabem é o dia do aniverso de Sete Lagoas, portanto, de cada sete-lagoano civicamente falando. Bem, e por isso mesmo é um momento oportuno para diálogarmos sobre o futuro e sim tratarmos de problemas que acontecem hoje em nossa cidade. Vejam estamos às vesperas do ano eleitoral. No dia 7 de outubro do ano que vem – 2012 – vamos ter a oportunidade de esolher um novo prefeito e também novos vereadores para governar e legislarem respectivamente. É o momento em que o poder está nas nosas mãos para decidir quem eleger. É também um momento que se refletirmos bem, apesar de todas as mazelas, nós brasileiros temos o prazer da liberdade de escolha por vivermos hoje em uma democracia plena.

Sim, é claro, muitas das vezes, o resultado não é o que se quer, se esperava. Por erro, desinformação... elege-se um poste, uma tartaruga... e as coisas não acontecem. Colhe-se marasmo, decepção, tristeza, revolta e indigação com a falta de compromisso, de competência, de visão, de ação...

Foi que aconteceu com Sete Lagoas com a eleição prefeito Maroca. Há um tranparênte conflito entre o prefeito eleito e a população que o elegeu. A população olha e vê que Sete Lagoas tem tudo para ser uma fantástica cidade, mas o prefeito e o seu grupo íntimo, sabem bem aqueles quem os conhecem que eles tem visão muito diferente. Para essa gente Sete Lagoas deve crescer muito lentamente. Eles não querem o ritmo ao que se precisa. Muito pelo contrário eles retardam a velocidade do crescimento, não por questão de desordem, mas porque temem que uma velocidade maoir ponha o controle local pelas famílias em risco, ou seja, faça com que a oligarquia perca controle provinciano que ainda resta-lhes.

Vejam as evidências:
- Nunca se levou tanto tempo para aprovar os projetos imobiliários na cidade – seja uma pequena construção num bairro, seja um grande empreendimento imobiliário. Hoje tem 4.000 mil processos de imóveis parados em Sete Lagoas, segundo o próprio DLO

- Sr. Paulo Rogério, irmão do Maroca, enquanto secretário de Obras e Infraestrutura, no período de plena crise recomendou que o investimento programado para Sete Lagoas da Rodobens de 3 mil casas fosse para Búzios – a gravação dele falando tá aqui http://bit.ly/jeKZya

- A Caixa Econômica Federal há cerca de 4 meses chegou ao ponto de mandar uma comissão a secretária de Planejamento para solicitar que o poder público municipal não imperrasse os projetos imobiliários, porque a falta imóvies não é mais suportável;

É por causa dessa visão que os imóveis disponíveis para comprar na cidade são escassos os que existem estão a preço de ouro. E outra prova de que a visão do prefeito Maroca conflita com a da maioria da população é o Hospital Regional de Sete Lagoas. Quando Maroca assumiu em 2009 ele recebeu o projeto, a localização e 20 milhões de reais para iniciar a construção, mas ao invés de prosseguir as coisas e licitar o hospital para começar a construção, o que fez o prefeito? Decidiu contratar um novo projeto, reduzindo de 240 leitos para 100 leitos o hospital. Para justificar tamanha afronta ele alegou que o Estado não queria um hospital daquele tamanho porque ele, acredite, faria concorrência ao Hospital Nossa Senhora das Graças.

Só um ano depois já em 2010, por pressão da sociedade e do governo do Estado – que tinha usado bode expiatório -, foi que o tamanho do hospital foi recuperado. O Estado impõs a administração Maroca um projeto feito para Juiz de Fora. Este com 230 leitos mais 50 UTIs. Por conta desta resistência do Maroca a cidade perdeu um preciso tempo. E agora 3 anos depois a obra ainda não começou efetivamente.

Bem, mas o porquê a cidade elegeu alguém está em contradição com ela prória? A explicação é relativamente simples: A cidade fez uma aposta. Votou no Maroca apostando que “se os outros não fizeram quem sabe ele faz”. Ou seja, Sete Lagoas deu um cheque em branco para um desconhecido dela como político e gestor. Como evitar esse erro 2012?
Postar um comentário