segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

O VICE-PREFEITO DE BH, ROBERTO DE CARVALHO (PT), COMPARA O CENTRO ADMINISTRATIVO DO ESTADO A "PLANTAS INDUSTRIAIS" - ELE TÁ FICANDO LOUCO OU ISSO É PARTE DA DOENÇA PETISTA DE SER CONTRA O QUE NÃO É DE SUA INICIATIVA?

Por Lucca Figueiredo, no Hoje em Dia:

A possível construção de um centro administrativo da prefeitura divide opiniões e gera polêmica até no alto comando da cidade. A afirmação do prefeito Marcio Lacerda (PSB) ao HOJE EM DIA, de que está sendo contratada uma empresa para avaliar a construção de um prédio que vai abrigar os principais serviços ligados à PBH, gerou reações adversas em lideranças políticas e especialistas.

Ouvido no último domingo (19), o vice-prefeito de Belo Horizonte, Roberto Carvalho (PT), pediu critério na avaliação do projeto. Para ele, é preciso pensar em uma revitalização ampla do centro da cidade. Em alguns momentos, Carvalho se mostrou contrário à obra. “Não é preciso ter apenas um lugar específico. É possível centralizar os serviços, mas em vários pontos. Além disso temos que pensar a questão da tecnologia e disponibilizar cada vez mais serviços para a população. Não há necessidade de ter tudo no mesmo lugar”, afirmou.

O vice-prefeito ainda aproveitou para criticar o centro administrativo construído pelo governo do estado na região norte da capital. “A obra é ultrapassada. As próprias plantas industriais seguem outra filosofia”, disse.

A tese foi confirmada pelo arquiteto Flávio Carsalade. “O urbanismo já condena este tipo de construção há muito tempo. O ideal seria a prefeitura ocupar vários prédios no centro da cidade e não fazer como o governo de Minas”. Ele ainda destacou a dificuldade para se obter um local adequado. “Não vejo na região central um espaço ou local já construído que possa receber um prédio com tamanha necessidade. O ideal é a prefeitura ocupar e revitalizar o centro da cidade, mas com vários prédios próximos à sede da Avenida Afonso Pena. Só assim vai valorizar a região”.

O vereador Leonardo Mattos (PV), também defendeu a utilização de prédios públicos que fiquem nas redondezas da sede da PBH para articular a estrutura de governo. Segundo ele, o ideal seria negociar com os governos federal e estadual para aproximar os serviços. “Esta intervenção pode ser feita, desde que sejam aproveitados prédios que já existem. No lugar do Lacerda, eu não faria o centro administrativo. Além de ser caro, não tem sentido”.

Já o líder de Governo na Câmara, vereador Paulo Lamac (PT), preferiu não comentar a necessidade de se construir um centro administrativo e elogiou a conduta do processo feita até aqui por Lacerda. “Uma obra desta tem de ser analisada, primeiramente a viabilidade. Por isso o estudo é importante. A cidade ganha com isso.” Ele também aproveitou para alfinetar o ex-governador Aécio Neves. “Um centro administrativo não é apenas uma obra feita para atender o desejo de ser o responsável pela obra. Tem que ter responsabilidade”, afirmou.
Postar um comentário