BRASIL UM PAÍS CARO PARA OS BRASILEIROS




Preço é, talvez, o indicativo mais importante da situação estrutural e conjuntural da economia de um país, assim como é o demostrativo da eficiência e eficácia do seu modelo de desenvolvimento. E quando a gente olha para esse dado comparando com outros país a situação brasileira é estarrecedora. O Estadão revelou que, com renda menor o brasileiro paga preços próximos ou mais caros que os europeus, americanos. Vejam um único exemplo de vários que tem matéria: 12 ovos no Carrefour SP custam R$ 4,59. No Carrefour de Barcelona, a dúzia sai por R$ 3,64. Nos Estados Unidos, o preço é de R$ 4,51.



Isso é uma clara consequência do baixo investimento tornando-o consumidor refém de poucas e caras ofertas, consequência também do "Custo Brasil" que é alta carga de impostos, sistema tributário complicado, infraestrutura capenga. Portanto, é um ciclo vicioso que leva essa contradição de baixa renda e preços altos. Mudar isso é uma prioridade pra mim e deve ser essa também a busca do próximo governo. O Brasil precisa reformular-se em todos estes pontos econômicos nefrálgicos da equação econômica para ser um país competitivo para que o cidadão disponha de preços melhores. E, meus caros e caras, eu posso dizer como sabe quem me acompanha há mais tempo, a questão econômica sempre foi objeto da minha atenção, na busca de fazer essa reflexão qualificada, esse debate que conscientiza e pode mudar o rumo dos acontecimentos.









E esse assunto que pode ser chato para muitos é do meu meu interesse desde 20 anos de idade e só se fortaleceu com uma formação multidisciplinar no mercado. Tive uma trajetória profissional diversificada, uma experiência que trouxe um rico aprendizado para quem gosta de compreender a equação micro e macro do desenvolvimento. Ou seja, tanto é fundamental que o empresário seja um bom gestor, quanto o país também seja bem gerido e tenha parlamentares com visão do todo. Estou preparado para contribuir para melhorar a competitividade brasileira e, por consequência, a nossa vida, porque tenho a visão clara dos fundamentos econômicos.


quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

RESULTADO DO PROALFA 2012 EM MINAS GERAIS MG EDUCAÇÃO - AVALIAÇÃO MOSTRA QUE MINAS DOBRA APRENDIZAGEM EM PORTUGUÊS


Resultados do Proalfa 2012 confirmam alto desempenho de alunos da rede estadual

Avaliação demonstra boa proficiência em Língua Portuguesa nos anos iniciais do ensino fundamental. Secretaria de Educação vai aprimorar metodologia e elevar as metas

José Carlos Paiva / Imprensa MG
O conhecimento em Língua Portuguesa dos alunos do terceiro ano do Ciclo da Alfabetização da rede estadual praticamente dobrou

Em sete anos - de 2006 a 2012 - o conhecimento em Língua Portuguesa dos alunos do terceiro ano do Ciclo da Alfabetização (1º, 2º e 3º anos do Ensino Fundamental) da rede estadual de ensino praticamente dobrou. Esse resultado fica comprovado por meio dos resultados do Programa de Avaliação da Alfabetização (Proalfa) de 2012.

O Proalfa é um sistema de avaliação desenvolvido pelo Governo de Minas Gerais em parceria com o Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAEd/UFJF), para acompanhar os níveis de proficiência dos alunos, ou seja, a capacidade de ler, escrever, interpretar e fazer sínteses de textos. É o CAEd que aplica os testes nas escolas e consolida os dados.

De acordo com os resultados do Proalfa 2012, 87,3% dos alunos do 3º ano do Ciclo de Alfabetização da rede estadual de ensino de Minas Gerais encontram-se no nível recomendável de proficiência em língua portuguesa. O resultado confirma que a maioria absoluta dos alunos do terceiro ano do Ciclo do Ensino Fundamental está no patamar recomendável de alfabetização e letramento, como já foi observado em 2011 e 2010.

Para os técnicos do centro de estudos da UFJF, este resultado é muito significativo em razão da dificuldade de manter, ano após ano, mais de 85% dos alunos acima do nível recomendável. Além disso, os pesquisadores destacam o fato do índice de alunos da rede estadual de ensino ser superior aos dos alunos das redes municipais, que foi de 73,6% em 2012.

Minas lidera desempenho nos anos iniciais

De acordo com o Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da UFJF, é possível afirmar que a rede estadual de ensino de Minas Gerais apresenta o melhor resultado de desempenho nos anos iniciais do Ensino Fundamental entre as unidades da federação avaliadas pela instituição.

Isso significa que mais alunos desenvolveram as habilidades e as competências necessárias durante o processo de alfabetização, algo que fará toda a diferença na trajetória escolar destes estudantes. Esse desenvolvimento implica maior aprendizagem dos alunos, característica que coloca Minas Gerais nessa posição de destaque.

O desempenho apontadopelo Proalfa é confirmado pelo resultado do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), ano base 2011, apurado pelo Ministério da Educação (MEC). Minas Gerais é, entre as redes estaduais brasileiras, a unidade da federação que está em 1º lugar, com Ideb 6,0, ultrapassando a meta estabelecida para as redes estaduais em 2011, de 5,7.

O índice 6 do Ideb é considerado pelo Ministério da Educação referência em países desenvolvidos, sobretudo daqueles que integram a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Secretaria aprimora metodologia e estabelece novas metas

Diante da consolidação do patamar de desenvolvimento acima de 85% em todo o sistema, a Secretaria de Estado de Educação (SEE)vai aprimorar a metodologia de aferição do Proalfa para torná-lo ainda mais qualificado. Atualmente, a avaliação traz três categorias de desempenho: baixo, intermediário e recomendado. A estratégia é a introdução, a partir de 2013, de uma nova categoria, o nível avançado. O objetivo é motivar as escolas a buscar um patamar de excelência ainda mais elevado.

Além disso, o Proalfa também irá analisar o desenvolvimento dos alunos do 3º ano do Ciclo da Alfabetização do Ensino Fundamental em Matemática. O Programa de Avaliação analisa, desde 2006, o desenvolvimento dos estudantes do 3º ano do Ciclo da Alfabetização em Língua Portuguesa.

Programa de Intervenção Pedagógica explica bons resultados

O instrumento que assegurou os bons resultados nos anos iniciais da educação fundamental nas escolas estaduais mineiras é o Programa de Intervenção Pedagógica (PIP). Criado em 2007, o PIP realiza um trabalho permanente de visitas e acompanhamento nas escolas para orientar o plano pedagógico, propor estratégias de intervenção, apoiar pedagogicamente os professores e alunos e, assim, garantir a qualidade do ensino.

Consolidado na rede estadual, o objetivo agora é estender essa metodologia de intervenção pedagógica, que coloca o aluno no centro das atenções, às escolas municipais de todo o estado com o propósito de criar condições para a evolução de todo o sistema público mineiro. A Secretaria de Educação colocará à disposição das administrações municipais a metodologia para a expansão do PIP. Será oferecido às prefeituras suporte, apoio pedagógico e disponibilizando material de apoio.

A proposta foi apresentada pelo Governo de Minas durante o 5º Congresso Mineiro de Prefeitos Eleitos, organizado pela Associação Mineira dos Municípios (AMM) e realizado no fim do ano passado. A extensão do PIP aos municípios faz parte de uma estratégia de compartilhamento de programas e iniciativas do Governo de Minas, em diversas áreas da gestão pública, destinadas a incentivar e apoiar as administrações municipais.

Com a introdução do PIP nas redes municipais de ensino, a expectativa é que o nível de proficiência dos alunos em Língua Portuguesa possa se aproximar do patamar conquistado pela rede estadual. Até a data de hoje, 813 (95,31%) dos 853 municípios mineiros já aderiram à proposta de municipalização do Programa de Intervenção Pedagógica. O Proalfa também é aplicado nas redes municipais de ensino de todo o Estado

0 comentários: