quinta-feira, 26 de novembro de 2015

INDEPENDÊNCIA OU MORTE, ARTIGO DE MINHA AUTORIA PUBLICANO NO JORNAL O TEMPO DESTA QUINTA-FEIRA (26).

INDEPENDÊNCIA OU MORTE

Por Leonardo Barros.

Os números do dinheiro roubado dos cofres públicos no Brasil, se contam em bilhões. Essa fortuna desviada é o resultado da ação dos ladrões, mas, é também, senão, principalmente, o resultado da omissão da sociedade, que se quer republicana, mas falta-lhe atitude para tanto.

Esse roubo tem a sua origem na corrupção da independência entre os poderes Executivo e Legislativo, que não cumpre o seu papel fundamental, o de se portar como um poder. E ao deixar de ser um dos pilares do sistema republicano, o Executivo toma conta com: Mensalões, Petrolões, venda de MPs...

O Brasil virou um negócio: tudo se vende e se compra. Ao vender a sua independência para o Executivo, o que é um crime lesa-pátria, o Legislativo entrega todos nós como mercadoria.

Sem o poder fiscalizador, mediador e legislador do Parlamento, o Executivo, que revelou-se uma Organização Criminosa na era PT, reinou, e assim, ao não reagimos para defender o princípio da separação do poderes, os negócios se deram em tudo que o Estado tem o papel de regular, controlar e gerir.

Em Minas, a história começa a se repetir: um parlamentar confessou que troca o seu voto com o governo por obras que vão lhe render votos. “Porque para mim é muito mais importante ter obras para transformar isso depois em voto pra mim”.

É contra a repetição dessa história que me insurgi demandando a investigação do crime lesa-pátria, com elementos fornecidos pelo deputado Douglas Melo (PSC), que em seu programa de rádio, apresentou o mais acabado conjunto de indícios de venda de apoio político, que creio, já exposto.

O deputado, veiculou até Ato oficial de assinatura de uma obra recebida do governo de Minas: “É em contrapartida a esse apoio do deputado, que os recursos e benefícios chegam a Sete Lagoas”.

E tudo que a gente faz de troca com o governo, quando você troca o seu voto por algo, você troca em prol do povo. E isso a gente comprova facilmente quando consegue uma obra como essa", comemorou o deputado.

A promiscuidade entre poderes se tornou tão “normal” que já não se esconde a relação anti-republicana, faz-se propaganda em radiodifusão, como se este “normal” fosse o Normal. E a independência virou até motivo de deboche para o deputado Douglas Melo. “Se você não tiver alinhado com o governo do Estado sabe o que você vira, né? Só um deputado que bate, bate, bate, deixa sua população sem nenhum atendimento”.

A nossa omissão levou a isso! Ou reagimos ou o Brasil morre! Não dá para esperar “reformas”.

É pelo que estou lutando e conto com a pronta disposição do Ministério Público em agir para defender a democracia, porque nunca foi tão vital acabar com o mandato-negócio e recuperar o Legislativo como Poder Independente e alinhado com a sociedade. Afinal, como reconhece a promotoria “estaríamos diante de uma  grave violação dos princípios republicano e democrático. Os poderes em uma república autêntica devem agir harmonicamente, mas de modo independente".

Independência ou morte, Brasil!

Leonardo Barros é um cidadão brasileiro.

Contato: leonardo@leonardobarros.com   bit.ly/VotoPorObra
Postar um comentário