quarta-feira, 30 de maio de 2012

PARQUE SANTA HELENA E EMPREENDIMENTO IMOBILIÁRIO - UMA DISCUSSÃO MADURA ENTRE FLÁVIO ARAUJO E RAMON LAMAR



  • Flávio Araujo Olá pessoal
    Sou Flávio Araujo um dos proprietários da Fazenda Arizona. Gostaria de convidar vcs a conhecer o projeto do Boulevard Santa Helena, para entender melhor a realidade dos fatos. Abaixo comento um pouco sobre o empreendimento, e aos poucos vou esclarecer pontos de nossa preocupação, começando por Recarga de água.
    Vamos lá: Hoje boa parte do Córrego do Diogo se encontra assoriado, repleto de lixo e entulho. Este será recuperado e limpo. E e na maioria de sua extensão, mais de 30M (mínimo exigido por lei) de margem de cada lado serão preservadas. E em alguns pontos serão preservados mais de 100M de margem de cada lado.
    Também serão restauradas bacias de detenção hoje assoriadas, criadas bacias de contenção e todas a áreas alagáveis serão preservadas e limpas. Todas as dolinas, consideradas como uma das principais áreas de recarga, serão preservadas. A Serra de Santa Helena é intocável!!! Toda sua encosta e aprox 80M de área plana ao pé da serra também serão preservadas. Com estas ações a recarga está garantida e estudos provam que ela será mais eficiente do que acontece hoje. E mais: irá amenizar enchentes que ocorrem hoje devidas a picos de chuva na parte mais baixa do córrego do Diogo dentro da cidade de Sete Lagoas.
    Outro ponto, o empreendimento quando estiver com TODAS as casas, ruas, áreas públicas e de lazer construídas, terá impermeabilizado (ocupado) apenas 28% da área total de nossa fazenda. Índice baixíssimo jamais visto em qualquer empreendimento deste ramo em SL e em MG.
    E agoro divulgo algo que poucos sabem. O empreendimento irá doar para a cidade um parque linear e contínuo que engloba toda a Serra de Santa Helena passando pelo Córrego do Diogo indo até a frente do Shopping Sete Lagoas e vai até as proximidades do Frangossete, totalizando aprox. 1.800.000 M2 (um milhão e oitocentos mil metros quadrados, o equivalente a 250 campos de futebol), totalmente acessível à toda a população de Sete Lagoas. Com isto a prefeitura não terá que arcar com custos de desapropriação e implantação do parque, direcionando esta verba altíssima para itens, também importantes, como saúde, transporte e educação. Este parque, um sonho de toda a população de SL, nasce com este empreendimento. Acredito que quem realmente estiver interessado um belo parque para nossa será atendido pelo projeto.
    Como disse é muito difícil tentar explicar um projeto totalmente sustentável como este em apenas um comentário. Semana que vem consultem WWW.boulevardsantahelena.com.br para todos os detalhes e estudos que comprovam minha fala.
    26 de Maio às 14:12 ·  ·  4



  • Flávio Araujo Prezado Silvio França Linhares. Realmente eu sugiro que no final da semana que vem conheça um pouco do empreendimento proposto no www.boulevardsantahelena.com.br. Estamos trabalhando nese site ainda para disponibiizar o máximo de infomações possíveis. Pode ter certeza de que o empreendimento é legal, as áreas do parque não são só APPs como você afirma. A ocupação é ordenada, e o parque como disse será uma realidade. Respeito sua opinião, da qual não concordo, que a prefeitura deva desembolsar muito dinheiro, para desapropriar a nossa área e transforma-la em parque. Eu prefiro que o parque seja feito pelo empreendimento com dinheiro privado, e pode ter certeza, que o Boulevard SH é totalmente diferente de tudo que você já viu, para melhor, muito melhror. Não tem nada haver com qualquer loteamente ja realizado em SL. E Mais o parque será mantido pelo Condomínio do Boulevard SH, livrando a prefeitura deste gasto que provavelmente nao teria verba e ele ficaria largado. Um parque desapropriado, ira gerar um gasto enorme para a prefeitura e gerar quase nenhum emprego e zero de impostos Com o empreendimento, teremos milhares de empregos, impostos e um parque a custo zero, e o mais importante com total respeito ao meio ambiente e totalmente dentro da lei.
    26 de Maio às 17:24 ·  ·  1

  • Flávio Araujo gabriel souza Obrigado pela sugestão, mas cara tá difícil arranjar dinheiro público para este fim. Ainda mais sete Lagoas que a verba é curta até mesmo para manter os serviços básicos, como transporte saúde e educação. E pode ter certeza, nós não vamos fazer loucura ali. O negócio é bacana, dentro da lei, e respeita o meio ambiente pode ter certeza. Esta foi uma diretiva da família para os construtores: respeito incodicional ao meio ambiente. Valeu e abcs.

  • Ramon Lamar Flávio Araújo, boa noite. Doar áreas de preservação permanente (!), áreas que estão em cima de prováveis abatimentos de terreno no futuro (houve um estudo geológico, não?), desmatar todo o cerradão, não recuperar a Lagoa da Chácara (porque com água na lagoa, grande parte do terreno vira brejo), prejudicar diversas espécies animais que ali vivem ou por ali transitam, aumentar a impermeabilização do solo (mesmo que em “apenas” 28%... façamos os cálculos de qual volume de água isso representa e veremos que não é pouco), culpar o poder público sobre o tratamento de áreas públicas enquanto a própria fazenda não é delimitada e se permite o lançamento de lixo em vários pontos, afirmar que é "só braquiária, que mata alguma será atingida", acreditar que um novo bairro não afetará o ambiente da encosta da serra, propor construção de prédios em área alagável que conforme já foi dito “dá água a um metro e vinte de profundidade”...
    Não sei se esse é o conceito geral de sustentabilidade de um empreendimento. Como você mesmo disse, há alternativas para o uso das terras dentro da APA, afinal de contas, trata-se de uma Unidade de Conservação de Uso Sustentável. Lembre-se que já conversamos sobre isso e sobre a minha preocupação até mesmo com a responsabilidade futura que vocês, família e construtora, estão assumindo. Considero você uma pessoa sensata e com a qual pode-se manter um diálogo. Mas é preciso entender que estamos falando de uma área sensível. Abraços.

    26 de Maio às 20:16 ·  ·  2

  • Flávio Araujo Ramon Lamar Primeiro eu quero que você saibe que o respeito muito e o considero um expert no que faz, e com um domínio de causa muito grande. E eu vou pedir para responder o seu mail amanhã de manhã pois como você está vendo eu estou sendo bombardeado desde as duas horas da tarde, e minha cabeça já não está funcionando mais 100%. Te prometo que amanha segue a resposta. Um grande abraço!

  • Ramon Lamar Obrigado, Flávio Araújo. Desde o nosso primeiro encontro, há cerca de dois anos, considero-o o melhor interlocutor sobre o assunto. Sinto sinceridade em seus olhos, mas sinto que muitas vezes sua assessoria o prejudica na hora do discurso. Torço para que você consiga demonstrar em ações a serenidade que já demonstrou-me em nosso primeiro encontro. Receba também um grande abraço!
    domingo às 01:07 ·  ·  2

  • Gleiton Alexandre Davi Campos Sr. Ramon Lamar, gostaria de solicitar, em nome do povo que aqui está acompanhando esse assunto, que se possivel postasse a "resposta" do Sr. Flavio Araujo. Apesar que, por ser proprietario do terreno, os argumentos dele obviamente serão em favor do projeto. Outra coisa Sr. Flavio, qualquer um que passe pelo local seja fazendo uma caminhada matinal ou de carro, VÊ que alí é area de serrado, e se contiver algo de braquiaria será muito pouco.
    domingo às 10:59 · 

  • Gleiton Alexandre Davi Campos E sem falar que, depois da construção do shopping, o bairro Eldorado se transformou no "El Dorado", tendo suas casas valorizadas absurdamente, algue tinha duvidas que mexeriam os pauzinhos para conseguir mais um loteamento/condominio proximo a essa area? Creio que não.
    domingo às 11:00 · 

  • Ramon Lamar Gleiton, tenho certeza que o Flávio Araujo postará a resposta por aqui mesmo. Também estou aguardando.
    domingo às 11:38 · 

  • Ramon Lamar O grande problema é que muita gente só está olhando o que está acima do solo (mata ou braquiária). Eu também estou olhando (a mata) mas estou mais preocupado com o que está abaixo: zona de recarga de lençóis e possíveis regiões de dolinas. Já expliquei no meu blog o que são dolinas, não foi à toa.
    domingo às 11:40 ·  ·  5

  • Marcelo Guimarães Gostaria de ver o Córrego do Diogo preservado em sua extensão. Ou seja, demolir todas as construções que estão dentro do limite de 30 metros da cada lado. Ou seja, arrancar a Rodoviária, Fábrica da Itambé, Cedro Cachoeira etc. A lei deveria valer para todos. O que acontece é que somente os proprietários rurais que pagam o pato.
    domingo às 11:51 · 

  • Marcelo Guimarães Flávia, você acha justo os proprietários do terreno arcarem sozinhos com o ônus da APA? Ou acha que todos os beneficiados (população da Sete Lagoass) devem também constribuir $$$$?
    domingo às 11:55 · 

  • Ramon Lamar Marcelo, acontece que as regras de APPs são diferentes para áreas rurais e áreas urbanas. Você não acha lógico?
    domingo às 12:04 ·  ·  1

  • Marcelo Guimarães Ramon, pensando bem não tem lógica não. Teíamos mais qualidade de vida se a população fosse melhor distribuída no espaço disponível, em vez de aglomerados de gente. O que quero dizer é que o produtor rural vem sofrendo com o fato de ter que contribuir, sozinho, para o meioambiente. Muitos pequenos proprietários de terra são impedidos de utilizar o pouco espaço que tem para produzir alimentos e sustentar com a receita sua família. Ficam impedidos de usar seu patrimônio e não recebem nada em troca.
    domingo às 13:24 · 

  • Flávio Araujo Ramon Lamar Vamos as respostas, tá parecendo mais um tratado, mas vamos la:
    Professor nós não estamos realizando o parque somente com APPs. Muita área loteavel será anexada ao parque. Eu estou vendo o anseio da cidade por este parque, e tudo que ocorreu até agora me mostrou a importância dele. Se ele ficar bem feito, com o apoio de toda a comunidade ele irá impulsionar o empreendimento. Agora professor com toda a sinceridade, e acredito que você compartilha da minha opinião que é totalmente utópico fazer um parque com dinheiro público em toda aquela área. Nem a prefeitura nem o estado terão dinheiro para desapropriar e implantar o parque.. E sabemos que isto não funciona, vide o parque da Cascata, hoje largado e mal cuidado. E mais se isto acontecer, daqui um tempo não vai haver verba para sua manutenção, só irá gerar despesa pública e pouquíssimos empregos, calculo no máximo 20. Ao passo que se fizermos o empreendimento, junto com um parque bem feito será o melhor dos mundos. Teremos o parque sem custo público em sua realização e manutenção. Teremos o empreendimento gerando milhares de emprego e impostos sem contar que vai movimentar todo o comércio de SL. Nesta causa nós temos que dar as mãos e achar um meio termo. Afinal de contas sabemos que se trata de uma área privada e é legítima sua exploração. E eu prometo que a partir de agora vou me empenhar mais neste parque junto aos construtores. Ele é fundamental para o sucesso do empreendimento.
    Foi feito um estudo geológico profundo do terreno, como vários outros por empresas super idôneas competentes e sérias. E eu não sei como ele está mas vou ver na semana que vem já dá para enviar uma cópia dele para você analisar, antes de disponibiliza-lo na Internet. Não entendi ali quando diz desmatar todo o Cerradão.
    Quanto a recuperar a lagoa da chácara fazendo um espelho d´água, os estudos indicaram ser impossível isto. Vai virar brejo como o senhor afirma. Ela e seu entorno serão limpos e preservados tal qual como é. Até mesmo porque ela da forma como está, segundo os estudos, é fundamental para a recarga do lençol, contenção de águas das chuvas e preservação de espécies.
    Quanto a impermeabilização de 28%, afirmei que o índice é baixíssimo como realmente é. Mas tenho ciência de que a área é grande. Mas várias medidas estão sendo tomadas para que compensar isto. Serão restauradas bacias de detenção hoje assoriadas, criadas bacias de contenção e todas as áreas alagáveis serão preservadas e limpas. Todas as dolinas, serão limpas e preservadas. E sem contar que as casas também terão muitos jardins. E e os lotes são totalmente diferenciados do tamanho padrão de SL: mínimo de 600M. Muitas árvores serão preservadas, pois não iremos suprimir nada nos lotes, só as ruas e áreas públicas, até passeio será verde. Quem for construir ainda mais com a conscientização de hoje, vai manter diversas árvores no seu quintal e em frente a sua casa e nas laterais, pois os afastamentos serão grandes e diferenciados também. . E isto é muito bom. Sem contar que acreditamos que vai levar no mínimo uns 20 anos para que o empreendimento seja todo construído. E pensando em 20 anos não podemos tentar frear o mundo, vejo toda esta moçada bacana ai do facebook, seus alunos, professor, daqui a menos de 20 anos todos estarão casando, tendo filhos e trabalhando. Torço para que muitos venham morar aqui, pois afirmo que o empreendimento vai ser muito bacana, diferente de tudo que já foi feito em SL. O mundo não para! Veja ai o esforço da nossa presidente para manter o país crescendo com índices superiores a 3%, imagina quando começarmos a crescer 5, 6, 7% de forma mais constante. Esta tendência de crescimento do mundo e das pessoas não tem volta, é a realidade!!!!!
    Professor, quanto a falta de cerca naquela região não adianta eu tentar explicar aqui, pois nem eu entendo porque não tem. Você sabe que começamos este projeto tem quase 4 anos, um pouco antes do meu pai falecer, durante estes quase 4 anos de luta não justificava cercar pois acreditávamos que o empreendimento poderia sair em 2 anos. Lutamos muito, dedicamos muito, sempre dentro da legalidade, mas andamos a passos de tartaruga. Mas enquanto meu pai era vivo eu realmente não entendo porque não foi cercado. Este é um erro que assumo. Mas a realidade é que hoje la é um deposito de lixo e outras coisas mais e queremos reparar isto.
    Vamos fazer de tudo para que o ambiente da encosta da serra não sofra impactos maiores. Neste item eu vou consultar os argumentos de nossos técnicos.
    Professor eu quero deixar bem claro que nós não estamos com aquela ganância de sair garimpando qualquer M2 disponível para lotear. Os motivos são óbvios. O empreendimento é bem grande, e não demanda esta caça a M2. Definitivamente não é nossa intenção edificar em áreas alagáveis, e em áreas que se cavar 1,2 m aparecer uma lagoa não iremos mexer e sim preservar. Não queremos vender lotes em áreas onde não da para construir , e que coloque em risco a vida e o patrimônio do morador. Isto na minha cabeça é impensável é repudiável. Temos os estudos realizados pelas melhores e mais idôneas empresas cada uma em sua área para garantir esta segurança. Semana que vem vou pedir para os construtores rechecarem estes estudos a procura por falhas, fato que acho improvável devido a qualidade dos mesmos. Estamos trabalhando somente com pessoas sérias. É muita responsabilidade, como você mesmo disse, tanto nossa quanto dos construtores. Desta segurança e desta legalidade do empreendimento não abrimos mão.
    Professor posso afirmar que as nossas diretivas para os construtores é realizar um empreendimento de primeiro mundo, bonito, que respeita o meio ambiente, e que traga desenvolvimento para a cidade. Pode ter certeza que Sete Lagoas não vai parar de crescer nos próximos 20 anos, e estamos contribuindo para que este crescimento seja ordenado. Tenho certeza que estamos fazendo algo diferenciado, jamais visto em nossa cidade, este é um compromisso meu, como Cidadão de Sete Lagoas.
Postar um comentário